Carregando

Encefalite: confira uma abordagem prática

Quem aí tá a fim de saber tudo sobre a encefalite? Elas podem ser um verdadeiro desafio para nós, que trabalhamos no departamento de emergência, Isso porque estamos falando de uma possível “pane” em nosso “processador”. 

Esse dano, mesmo sendo causado por uma “invasão do sistema” (causas infecciosas) ou “desregulação do sistema” (causas autoimunes, por exemplo), pode ser grave o suficiente para ameaçar a vida. Dessa forma, saber identificar e realizar o manejo inicial dos pacientes o mais rápido possível é necessário.

Afinal, o que é encefalite?

O cérebro é nosso “painel de controle/centro de comando’’. Só estamos escrevendo este texto e, consequentemente, você está lendo, porque nossas funções cerebrais estão funcionando normalmente. Bom, numa encefalite, isso não ocorre.

A encefalite consiste no processo inflamatório que envolve o parênquima cerebral. Em decorrência desse acometimento parenquimatoso, devemos ficar atentos aos sintomas como alterações comportamentais, crise convulsiva, afasia, hemiparesia ou outros sinais focais. 

A principal etiologia de encefalites agudas em nosso meio é a viral, e neste, elas são causadas, principalmente, pelo herpes vírus. Mas devemos nos lembrar de outros como o Citomegalovírus, Vírus da hepatite C, Enterovírus e Adenovírus.  

Encefalite por Herpesvírus 

Você sabia que um caso não identificado e tratado a encefalite por herpesvírus tem mortalidade da ordem de 50%? Infelizmente, mesmo com tratamento precoce, sua mortalidade é de aproximadamente 20%. Por isso, é tão importante ter o conhecimento sobre essa patologia.

Alguns pontos a serem mencionados

Na maioria dos casos (90%), há presença de febre relacionada com

  • Alteração do estado mental: aqui, lembre-se dos extremos, tanto da agitação quanto do rebaixamento.
  • Déficit neurológico focal: semelhante ao AVC, esperamos encontrar, por exemplo, a hemiparesia, afasia e alteração no exame dos pares cranianos.
  • Crises convulsivas, distúrbios de comportamento, amnesia.
  • Síndrome de Kluver Bucy: o vírus da herpes tem tropismo pelos lobos temporais, e seu dano bilateral pode levar a essa síndrome neurológica rara caracterizada por comportamento sexual inadequado, irritabilidade excessiva e perda de medo.

Cuidado: às vezes, a encefalite pode não ser restrita ao parênquima cerebral, com chances de haver o acometimento concomitante das meninges. 

Sendo assim, achados como presença de irritação meníngea, aumento da pressão intracraniana podem estar presentes. Dessa forma, a simples presença ou ausência desses sintomas não diferenciam encefalites e meningites.

Diagnóstico da encefalite

Para o diagnóstico, além das características clínicas já citadas, precisaremos lançar mão de alguns exames complementares.

Será de suma importância solicitar a ressonância magnética, a qual é mais sensível que a tomografia computadorizada, punção lombar e eletroencefalograma. Confira uma imagem da ressonância magnética abaixo: 

Padrões laboratoriais do líquor cefalorraquidiano na encefalite herpética

Pressão/aberturaCelularidadeContagem diferencialGlicoseProteínaProcalcitoninaProteína C ReativaBacterioscópico
Normal5-500Linfócitos/monócitosNormal<100mg/dl<0,25<8,0Negativo

Tratamento inicial da encefalite

Agora que identificamos e chegamos à hipótese diagnóstica de encefalite, vamos tratar nosso paciente. Todo paciente com encefalite aguda deve ser internado, preferencialmente, em ambiente de UTI. No pronto-socorro, devemos realizar o tratamento suporte e iniciar com Aciclovir 10mg/kg/dose EV 8/8 horas por 14 a 21 dias. 

Devemos nos lembrar também do básico: observar as vias aéreas, padrão respiratório e hemodinâmica (A-B-C), monitorizar o paciente. Não se esqueça, também, de solicitar uma glicemia capilar. 

É isso!

Agora você sabe mais sobre a encefalite! Então, confira outros conteúdos que publicamos aqui, no blog. Eles foram feitos especialmente para você mandar bem no seu plantão e ficar por dentro dos mais variados assuntos.

Além disso, se deseja conferir mais conteúdos de Medicina de Emergência, conheça a Academia Medway. Por lá, são disponibilizados diversos e-books e minicursos completamente gratuitos para auxiliar no seu aprendizado. 

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram

É médico e quer contribuir para o blog da Medway?

Cadastre-se
LuizCésar

Luiz César

Nascido em 1990, em Cuiabá-MT, formado pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) em 2020. É oficial médico temporário no 37° Batalhão de infantaria leve e aguarda ansiosamente para iniciar sua residência em Medicina de Emergência na Universidade de São Paulo (USP - SP).Amante da adrenalina se interessa por resgate aeromédico, usg-point of care e medicina de áreas remotas.