Estudo Ativo X Passivo: Aprenda Já a Estudar e Atinja Resultados Excepcionais

Tempo de leitura: 7 minutos

Só fiz um vestibular para medicina na minha vida. Na época nem conhecia o estudo ativo e não digo isso com orgulho ou para me gabar.

A técnica de estudo ativo é importante. Não era questão de confiança e sim de ignorância. Eu era ignorante do que era necessário para aprovação, ignorante das minhas capacidades e ignorante do que vinha pela frente naquele ano de vestibular.

Felizmente, por alguma dádiva divina – ou talvez pela insistência da minha mãe desde o ensino médio em relação aos estudos -, eu sabia muito bem como estudar quando iniciei o cursinho.

Lembro exatamente das primeiras vezes em que abri uma apostila do pré-vestibular, já com “sangue nos olhos”. Me recordo muito bem da sensação que eu tinha naquele primeiro mês de cursinho, onde pensava, enquanto devorava uma apostila: “mas que diabos… Como eles pretendem cobrar esse conteúdo?”.

E estudava sempre imaginando e mentalizando como cada matéria poderia ser cobrada e como alguma questão poderia ser feita daquele assunto em particular.

Posteriormente descobri que o que eu fazia tinha nome: estudo ativo.

Essa é a mesma técnica de estudo que uso até hoje na medicina, a mesma técnica que me fez ser aprovado naquele vestibular e a mesma técnica que me fez depois ser aprovado em diversas provas de Residência Médica (tendo aprendido com o erro, dessa vez prestei muitas provas).

Não é nada de outro mundo.

E por isso que nós da Medway Residência Médica trazemos esse conteúdo para você hoje aprender mais sobre o estudo ativo e parar de estudar passivamente.

Leia até o final que sumarizamos pra você a forma que achamos ideal o estudo para as provas de residência médica! 😉

Primeiramente, o que é o Estudo Passivo?

Ler as apostilas do cursinho tentando aprender por osmose aquele conteúdo, apenas reproduzindo-o.

É o que você certamente já fez durante a faculdade:

  • Prova de Anatomia na quarta-feira. Matéria: membros superiores
  • Terça-feira das 18:00 até às 03:00 da manhã você leu todos os slides do professor dos últimos dois meses e decorou a maioria deles
  • Fez a prova: 80% de acertos. Sucesso!
  • Na semana seguinte: “o que diabos é um manguito rotador mesmo?”
Nunca fez isso, né?

Você já fez isso, eu já fiz, todo mundo que passou pela Medicina já fez. Não tem como ser aprovado nas matérias sem ter feito isso alguma vez.

Mas o fato é que é uma leitura pura e simples, focada em absorver o máximo de matéria no mínimo de tempo. Com isso, você:

  • Deixa de entrar à fundo nos conceitos;
  • Decora, mais do que aprende;
  • O pouco que aprende é superficial e, sendo assim, acaba sendo esquecido em curto espaço de tempo.

O Estudo Ativo

No estudo ativo, pelo contrário, o foco é total no aprendizado. E quando de fato aprendemos alguma coisa, o conteúdo fica consolidado e pronto para ser aplicado em diversas situações.

Fato é: você pode ter se dado muito bem apenas aplicando o estudo passivo durante a faculdade. Mas sem um aprendizado real e profundo das matérias, é muito pouco provável que você vá conseguir mais do que uma aprovação em uma Residência Médica com mais vagas do que candidatos se continuar estudando desse modo.

Então, vamos às aplicações do estudo ativo:

Estudo ativo: Se faça perguntas

Sempre antes de iniciar a leitura de um conteúdo, se organize e se pergunte sobre o que é necessário saber.

Por exemplo, ao estudar uma apostila de Onco-Ginecologia, você não vai focado em saber todos os estadiamentos de todos os cânceres ginecológicos (ou vai… tente e depois me fale o resultado). Você tem que saber o que é cobrado nas questões e de que modo é cobrado.

Se você faz cursinho, é facil: via de regra é o que foi dado em aula! Então leia seu caderno antes de iniciar que já está de bom tamanho para guiar seu estudo pelos temas mais importantes.

Além disso, outra boa prática de estudo ativo é resolver de 5-20 questões sobre o assunto antes de iniciar a leitura. Desse modo você saberá não só o que é cobrado, mas também como é cobrado, uma das principais vantagens do estudo ativo.

Estudo ativo: Relacione conceitos

Sempre que possível, relacione conceitos novos com conceitos que você já aprendeu.

Ao estudar Hipercalcemia, por exemplo, vendo que pode ser uma causa de Diabetes Insipidus, você vai lá e dá uma olhada em como isso acontece e o que exatamente é o Diabetes Insipidus.

Ou ao estudar Acidose Tubular Renal tipo IV, você simplesmente cria uma relação mental: “ah… essa é a do diabético que começa com uma hipercalemia inexplicada”. Pronto. É o que você precisa saber do assunto!

Relacionando conceitos você cria uma rede de conhecimento que fica muito mais acessível quando você precisar

Estudo ativo: Faça resumos mentais

Após terminar o estudo da matéria, faça um resumo mental (não é um  mapa mental que nós, via de regra, contra-indicamos) para ver se você consegue, agora, responder àquelas perguntas que você se fez no início da leitura.

Basicamente, você vai tentar ensinar a si próprio a matéria.

Se você notar que está galinhando muito (i.e.: dando migué) ao tentar se explicar a matéria, é porque você não aprendeu direito.

Veja quais foram os pontos que ficaram mais nebulosos e volte atrás.

Estudo ativo: Faça a aplicação prática

Você está no internato ou trabalhando, provavelmente.

A medicina prática e teórica são as mesmas, apesar de aparentemente não o serem (principalmente quando você tem o primeiro contato com um caso que você estudou).

Aplique o conhecimento que você está aprendendo nas apostilas, nem que seja apenas para relembrar casos que você viu no internato, que o conhecimento já ficará muito mais consolidado.

São com essas relações que o aprendizado vai sendo realizado.

Estudo ativo: Não se contente com explicações rasas

“Em caso de hipotensão refratária a volume, utilize drogas vasoativas” – por quê? O que fazem as drogas vasoativas? Qual eu devo utilizar nesse caso? Existe alguma contraindicação? Eu preciso saber a dose ou a diluição?

Se faça sempre perguntas sobre o assunto estudado, e jamais se contente com explicações rasas.

Todo aprendizado que ficar raso vai se traduzir em uma questão em dúvida na hora da prova.

Concluindo

Se tivéssemos que sumarizar a forma de ideal de estudos com a técnica de estudo ativo, faríamos da seguinte forma:

  • Assista a aula do cursinho
  • Realize 10-20 questões da apostila específica antes do início dos estudos
  • Revise o caderno da aula. Assim, você conseguirá correlacionar os assuntos “que mais caem”
  • Leia a apostila (se julgar necessário, ou seja, se não tiver nenhum domínio do assunto).
  • Realize mais 50-80 questões para consolidar o conteúdo (você pode intercalar com a leitura uma vez que a mesma pode ser bem cansativa)
  • Revise mentalmente os temas daquela apostila

Sobrou alguma dúvida de que o estudo ativo é necessário para melhorar o seu aprendizado?

Você vai precisar usar todas as armas que têm para enfrentar essa Residência Médica.

Como vivemos dizendo, “sentar a bunda na cadeira e estudar” já não é uma técnica aceitável há muito tempo!

Deixe de estudar de forma passiva e assimile muito mais conteúdo, realmente aprendendo sobre os assuntos estudados, com as técnicas de estudo ativo e siga sua jornada de sucesso rumo à Residência Médica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.