Carregando

Antibioticoterapia da diarreia aguda em Pediatria: saiba mais

Fala, galera! Tudo em cima? Eu sei que todo mundo aqui já está craque em realizar a avaliação clínica, inclusive o estado de hidratação, da criança com diarreia aguda. Além disso, o pessoal também já sabe indicar os planos de terapia de reidratação, conforme as recomendações da OMS e do MS. Então, hoje é dia de falar da antibioticoterapia da diarreia aguda em Pediatria!

Saiba mais sobre a Antibioticoterapia da Diarreia Aguda em Pediatria
Saiba mais sobre a Antibioticoterapia da Diarreia Aguda em Pediatria

Antes de começar, que tal conferir o nosso artigo de Diarreia Crônica em Pediatria para conferir as definições de diarreia? Neste texto aqui, você vai entender quais são os pontos importantes para escolha de antibióticos durante o tratamento da Doença Diarreica Aguda (DDA)! Bora lá? 

Primeiras definições

O tratamento da diarreia aguda, na maioria das vezes, é realizado de forma ambulatorial. Portanto, a determinação ou não da presença de diarreia vai se dar pela história e pelo exame físico. 

A Doença Diarreica Aguda (DDA) é definida pelo aumento da frequência evacuatória para 3 ou mais vezes ao dia com diminuição da consistência das fezes. Além disso, há consequente perda de água e eletrólitos, de início abrupto, etiologia presumivelmente infecciosa, potencialmente autolimitada e com duração de até 14 dias. Apesar dessa definição, a maioria dos quadros se resolve em até 7 dias. 

Etiologia da diarreia aguda em Pediatria

Como na maioria das vezes os quadros são autolimitados e decorrentes de infecções virais, o foco do tratamento é a terapia de reidratação e a manutenção da nutrição. Isso porque a desidratação é o principal fator associado à morbimortalidade na diarreia aguda em Pediatria, o que é agravado quando há desnutrição ou outras causas de imunocomprometimento. 

Porém, você precisa saber quando iniciar a antibioticoterapia, ok? Para isso, saiba que os principais agentes causadores variam, podendo ser: 

  • vírus;
  • bactérias;
  • parasitas;
  • eventualmente, fungos.

Ah, e vale lembrar que eles se associam a diferentes tipos de síndromes diarreicas que precisamos saber identificar.  

A antibioticoterapia deve ser iniciada, segundo as orientações do MS, nos pacientes com disenteria (ou seja, diarreia sanguinolenta, em especial se o paciente apresentar febre e comprometimento do estado geral), considerando a suspeita de Shigella e também quando existir suspeita de cólera. 

Além dessas indicações, a SBP recomenda o início de antibioticoterapia na infecção aguda comprovada por Giargia lamblia ou por Entamoeba histolytica nos seguintes grupos:

  • imunossuprimidos;
  • pacientes com anemia falciforme; 
  • portadores de próteses;
  • crianças com sinais de disseminação bacteriana extraintestinal. 

Devemos, ainda, dar atenção especial para crianças no primeiro trimestre de vida, desnutridos, imunodeprimidos, com diarreia persistente e com sinais de infecção sistêmica.

Se possível, deve-se solicitar amostra fecal para realizarmos coprocultura e antibiograma antes do início da antibioticoterapia. Segundo o MS, essa recomendação é importante, em especial nos casos de surtos de DDA com desidratação grave e desinteria ou em suspeita de cólera

Idealmente, devemos coletar 2 a 3 amostras fecais, mas sabemos que esse processo pode ser difícil e que muitas unidades de saúde não dispõem de recursos para isso no pronto-atendimento. 

Os principais agentes etiológicos podem ser separados conforme a síndrome diarreica que causam e, identificando a disenteria, iniciamos antibiótico. Confira: 

Síndrome de DDAAgente etiológicoCaracterísticas
Diarreia Aguda Aquosa

Fezes aquosas, podem conter muco, febre pode estar presente
RotavírusCausa importante de gastroenterite em crianças com < 2 anos
Escherichia coli enterotoxigênica (ETEC)Causa importante de gastroenterite em crianças maiores e adultos
Vibrio cholerae O1 e O139Associado à doença epidêmica e endêmica. Nos casos graves, causa vômitos e diarreia em “água de arroz”
CryptosporidiumComum em lactentes jovens e em imunocomprometidos. Raramente visto em crianças maiores hígidas
NorovírusInício abrupto de diarreia e vômitos com febre baixa
Diarreia Aguda Invasiva (disenteria)

Sangue vivo e grosseiro nas fezes. Geralmente associado com febre, vômitos e dor abdominal.
Shigella sppCausa importante de diarreia invasiva. A S. dysenteriae sorotipo I produz a toxina Shiga e é associado com epidemias de doença grave. Complicações incluem megacólon tóxico, prolapso retal, perfuração intestinal, convulsões, encefalopatia e sepse. 
Salmonella spp (não tifóide)Diversos sorotipos causam gastroenterite. Lactentes, idosos e imunocomprometidos estão sob risco aumentado de doença disseminada.
Campylobacter sppPredominantemente o C. jejuni e o C. coli. Podem mimetizar apendicite e complicações incluem a Síndrome de Guillain-Barret. 
Escherichia coli enteroinvasiva (EIEC)É semelhante à Shigella e causa síndrome clínica semelhante à shigelose.
Escherichia coli enterohemorrágica (EHEC)Produz a toxina Shiga idêntica àquela produzida pela S. dysenteriae sorotipo I, também se associa à doença grave epidêmica e causa risco aumentado de Síndrome Hemolítica Urêmica (SHU).
Entamoeba hystoliticaÉ um protozoário que causa infecção intestinal e pode ser indistinguível da Shigella e outras bactérias. Complicações raras incluem infecções extra-intestinais, como abscesso hepático.
Adenovírus tipos 40/41Causa tanto disenteria quanto diarreia aquosa

Tabela 1: principais agentes etiológicos de DDA por síndrome diarreica

Os principais agentes etiológicos causadores de DDA, organizados por tipos, conforme o MS, são:

VírusBactériasParasitas
AstrovírusCalicivírusAdenovírus entéricoNorovírusRotavírus ARotavírus BRotavírus CBacillus cereus Staphylococcus aureusCampylobacter spp.Escherichia coli enterotoxigênica (ETEC)Escherichia coli enteropatogênica (EPEC)Escherichia coli enteroinvasiva (EIEC)Escherichia coli enterohemorrágica (EHEC)Salmonella spp (não tifóide)Shigella sppYersinia enterocoliticaVibrio choleraeBalantidium coliCryptosporidium sppEntamoeba hystoliticaGiardia lambliaCystoisospora belli

Tabela 2: principais agentes etiológicos de DDA por tipo

Antibioticoterapia da diarreia aguda em Pediatria

Segundo o MS e a OMS, devemos empregar os seguintes antibióticos nos quadros de disenteria, considerando a possibilidade de Shigella:

  • Ciprofloxacino, uma fluoroquinolona, é a primeira escolha: 30mg/kg/dia dividido em 12/12 horas, durante 3 dias (adultos 500mg 12/12h 3 dias).
    Lembre-se de que não há solução oral disponível e que, tradicionalmente, a literatura contra-indica o uso da medicação em crianças menores de 8 anos e em gestantes.
  • Azitromicina, um macrolídeo, é a segunda escolha, conforme orientações da ESPGHAN: 10-12mg/kg/dia, 1x/dia no primeiro dia, seguido de 5-6mg/kg/dia e 1x/dia por mais 4 dias.
  • Ceftriaxone, uma cefalosporina de terceira geração, é a droga de escolha nos casos graves que requerem hospitalização inicialmente ou que não melhoraram após 48 horas de antibioticoterapia de primeira escolha (que também vão precisar de internação hospitalar) ou como segunda escolha: 50 a 100mg/kg/dia 1 vez ao dia por 2 a 5 dias.
    Uma alternativa, considerando a cobertura antimicrobiana, é cefotaxima 100mg/kg/dia de 6/6 horas.
  • Na suspeita de cólera, além do uso de ciprofloxacino, de azitromicina (ou eritromicina, com raros relatos de resistência a essa classe de antimicrobianos), pode ser considerado o uso de tetraciclinas (como a doxiciclina e a tetraciclina). Porém, é comum a resistência antimicrobiana a esta última classe, devendo ser usada apenas em epidemias com susceptibilidade comprovada às medicações, considerando que também não são recomendadas para crianças menores de 8 anos e para gestantes.
  • Antiparasitários são recomendados, conforme orienta o MS, para: 

– tratamento de amebíase, sendo recomendado o metronidazol;
– no fracasso do tratamento para Shigella;
– quando comprovada a infecção por Entamoeba histolytica (identificação nas fezes de trofozoítos englobando hemácias);
– na giardíase, quando a diarreia durar 14 dias ou mais, com identificação de cistos ou trofozoítos nas fezes ou no aspirado intestinal, sendo recomendado o metronidazol.
Metronidazol ou análogos devem ser utilizados na DDA comprovadamente causada por giardíase ou amebíase. 

Se liga! Atualmente, não há mais indicação do uso dos seguintes medicamentos para tratamento de disenteria: 

  • Sulfametoxazol-Trimetropim;
  • ácido nalidíxico;
  • amoxicilina;
  • cloranfenicol.

Isso porque há alta taxa de resistência pela Shigella já documentada, mas que tem boa sensibilidade a ciprofloxacino e ceftriaxona. Os estudos brasileiros também não testaram a sensibilidade da Shigella à azitromicina.

E aí, conseguiu entender mais sobre a antibioticoterapia da diarreia aguda em Pediatria? 

É isso, pessoal! Esperamos que tudo tenha ficado claro e que você tenha compreendido o conteúdo!

Ah, e se quiser conferir mais conteúdos de Medicina de Emergência, dê uma passada na Academia Medway. Por lá, disponibilizamos diversos e-books e minicursos completamente gratuitos! Pra quem quer acumular mais conhecimento ainda sobre a área, o PSMedway, nosso curso de Medicina de Emergência, pode ser uma boa opção. Lá, vamos te mostrar exatamente como é a atuação médica dentro da Sala de Emergência, então, não perca tempo! 

Por fim, temos uma dica de ouro para quem quer elevar a qualidade do seu atendimento no tratamento de doenças infecciosas: o nosso curso Papo de Antimicrobianos 3.0. Com ele, seja no hospital ou no ambulatório, você vai atingir a maestria e, de quebra, obter certificação Medway + Papo de Clínica! Não dá pra perder, né?  

Entendeu tudo sobre a antibioticoterapia da diarreia aguda em Pediatria? Então, confira outros conteúdos que publicamos aqui no blog. Eles foram feitos especialmente para você mandar bem no seu plantão e ficar por dentro dos mais variados assuntos. Pra cima!

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram

É médico e quer contribuir para o blog da Medway?

Cadastre-se
RafaellaMonterlei

Rafaella Monterlei

Nascida em Campo Grande-MS, mas praticamente uma nômade! Tem o Rio de Janeiro como sua cidade de coração, onde também começou sua relação de amor com a medicina, graduada em 2016 pela UERJ. No 4º ano da faculdade foi viver por 14 meses em Dundee, na Escócia, onde fez intercâmbio em Neurociências na Universidade de Dundee. Morou também em Botucatu, onde fez 3 anos de Residência Médica em Pediatria no HC FMB UNESP. Atualmente vivendo em São Paulo, prestes a concluir o R2 de Gastroenterologia e Hepatologia Pediátrica no ICr do HC FMUSP! Considera a oportunidade de ensinar o seu momento de maior aprendizado.