Carregando

Dando conta dos pacientes graves na emergência

Todo aluno de Medicina passa, ali no quinto e no sexto ano da faculdade, pelo internato. É nesse momento que ele deve aprender a conduzir pacientes de baixa e alta complexidade no pronto-socorro. Aliás, “deve aprender”, não. Deveria. Cá entre nós, não é segredo que a maior parte dos médicos recém-formados não se sente seguro o suficiente pra começar a dar plantões. Pensa aí na sua experiência. A gente mal pega mão nos procedimentos e, quando vê, já tá se virando com os pacientes graves na emergência. Depois, chegamos na residência nos sentindo despreparados. Mas por que isso acontece?

Imagem ilustrativa de paciente grave na sala de emergência.
Quer saber mais sobre por que a insegurança lidando com pacientes graves ocorre e como se preparar? Continue com a gente!

Motivos pelos quais a faculdade de Medicina não te prepara totalmente para as emergências

Tanto os médicos que acabaram de se formar quando os recém-ingressos nas residências médicas sofrem de uma baita insegurança e medo de errar na hora de colocar a mão na massa. A verdade é que muita gente não se sente preparada o suficiente e existem alguns motivos possíveis para isso. Vou te contar quais são.

  • Tempo insuficiente: pensa em quanto tempo você teve nos estágios em PS e quanto tempo você acha que precisaria ter pra manjar das conduções. A conta bate?
  • Autorresponsabilidade: a faculdade é puxada, eu sei. Mas muita gente se apoia nisso pra achar que não precisa buscar se aprimorar, fora a galera que empurra a formação com a barriga. Bicho, quem vai lidar com a vida dos pacientes depois?
  • Falta de supervisão: Na correria do PS, não é incomum os estudantes se sentirem meio soltos. Se você não tem supervisão, precisa correr atrás de ser útil pra equipe e mostrar vontade de aprender. Você não é a prioridade dos plantonistas. 

Essas são apenas algumas das razões pelas quais você não atinge seu potencial no aprendizado prático ao longo da graduação. Deu pra ver que existem fatores internos e externos, né? Ou seja, alguns você pode controlar e os outros não. No fim das contas, o resultado é um só: insegurança.

A insegurança do médico residente no atendimento aos pacientes graves na emergência 

Eis que você chega na residência médica e tem que encarar a realidade. Residência é sinônimo de treinamento em serviço. Você vai aprender, vai ter uma pequena carga teórica, mas a maior parte da vivência vai ser nos atendimentos. Além disso, talvez você faça plantões pra complementar a bolsa da residência. Aí não tem pra onde fugir: quando aparecerem os pacientes graves, você vai ter que se virar. Inclusive, pelo receio de não darem conta do B.O., é muito comum que médicos deem plantões em dupla no começo da carreira. 

O Vladimir Gomes, R1 do Hospital Israelita Albert Einstein, é um dos médicos que passou pelo medo de pegar pacientes graves na residência médica. Mesmo tendo feito muitos estágios em porta durante a graduação, o que gerava alguma vantagem em relação aos seus colegas de residência. Ele contou pra gente que sentia que seu atendimento ainda não era de excelência na emergência. Se liga no depoimento dele: 

“Eu tinha toda aquela decoreba de residência, de prova, mas não sabia como aplicar aquilo na prática com toda a pressão”.

É, como o próprio Vladimir falou, a emergência é realmente uma panela de pressão em que as coisas não acontecem como na teoria. A velocidade, a complexidade e a variedade dos casos exigem um bom preparo para ações ágeis e assertivas

Uma das maiores inseguranças dos médicos em relação aos casos graves é deixar passar algum diagnóstico e depois sofrer um processo por erro médico. Muita gente também se assusta no início para atender infarto agudo do miocárdio e politrauma, além de não saber lidar com crianças e gestantes. 

Alguns procedimentos também travam uma galera, como fazer ventilação mecânica e intubação orotraqueal. Isso sem falar na análise clínica, como o medo de errar na anamnese, nas doses de medicações, nas condutas. Pra ajudar (#sóquenão), a realidade das emergências Brasil afora não é a da abundância de recursos disponíveis. 

Fato é que uma parte considerável dos médicos atuantes nas linhas de frente dos prontos-socorros são justamente os que ainda têm pouca experiência, recebendo casos de baixa a alta complexidade. Diante disso, o que fazer?

Capacitação: o segredo para mandar bem no atendimento aos pacientes graves na emergência

Não tem alternativa, pra dar alta pra um paciente no PS com a consciência tranquila, manejar os casos tranquilamente ou até mesmo se virar bem em ambientes com poucos recursos, você vai ter que se preparar adequadamente. Reciclagem e atualização são conceitos-chave aqui. 

Então vamos lá para algumas dicas de materiais e cursos aqui da Medway que podem te ajudar!

E-books gratuitos de Medicina de Emergência 

Na Academia Medway, você encontra e-books específicos que vão contribuir muito para sua prática e pode baixá-los gratuitamente! Vou encurtar o caminho pra você deixando alguns links aqui, mas não se esquece de navegar na Academia também pra ver tudo que oferecemos por lá. Se liga nesses conteúdos e clique para fazer o download:

PSMedway: curso de Medicina de Emergência 

Buscar um bom curso de Medicina de Emergência é fundamental nesse ponto de início de carreira. Você, médico, que escolheu sua profissão para salvar vidas, não pode se sentir paralisado no momento de cumprir sua missão, com medo de cometer um erro que custe sua carreira. O momento prático da residência médica é a sua hora de BRILHAR, aprender e se empoderar! Por isso, vale a pena refletir sobre uma formação complementar. 

Nesse sentido, te apresento o PSMedway, nosso curso de Medicina de Emergência aqui da Medway. Nele, oferecemos simulações de emergências e casos comuns pra tornar tudo o mais real possível, damos aulas teóricas completas sobre o que você mais precisa saber para ter uma boa atuação e, no final, disponibilizamos um certificado comprovando que você está apto a atuar em qualquer plantão.

E aí, curtiu essa proposta? Então, fique sabendo que agora você pode aproveitar 7 dias grátis do conteúdo do curso. É isso mesmo: é uma semana totalmente gratuita pra aprimorar seus conhecimentos e arrasar no plantão! Demais, certo? Inscreva-se já e não perca essa oportunidade! 

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram

É médico e quer contribuir para o blog da Medway?

Cadastre-se
JoãoVitor

João Vitor

Capixaba, nascido em 90. Graduado pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) e com formação em Clínica Médica pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HC-FMUSP) e Administração em Saúde pelo Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE). Apaixonado por aprender e ensinar.