Carregando

Tentativa de suicídio: um pedido de socorro

Setembro é um mês tradicionalmente dedicado à prevenção ao suicídio, que você já deve conhecer como Setembro Amarelo, certo? Por isso, hoje a nossa conversa é sobre tentativa de suicídio. Precisamos falar sobre isso.

Antes de entrarmos no conteúdo em si, uma mensagem a todos: 

Você é especial e a vida também é. Momentos difíceis virão, mas assim como chegam, eles se vão. Se precisar de ajuda, peça ajuda – grite por socorro, com certeza existem pessoas ao seu redor que estão dispostas a te ajudar. Tirar a própria vida nunca será a solução e se em algum momento da sua vida vier a fazer sentido, repito, peça ajuda! Você é especial e tem muito a contribuir com o mundo.

Um pouco de epidemiologia

  • 12 a cada 100.000 pessoas cometem suicídio 
  • Prevalência de tentativa de suicídio é de 3%
  • Estima-se que para cada suicídio há 30 tentativas de suicídio 
  • 40% das tentativas de suicídio não procuram assistência médica
  • Morte por suicídio é mais prevalente em homens, enquanto que ideação suicida é mais prevalente em mulheres
  • Faixa etária que mais comete suicídio: 18-25 anos
  • Mortalidade por suicídio é cerca de 4-5x maior entre estudantes de medicina quando comparado com o restante da população 

Acho que agora ficou claro o motivo pelo qual precisamos falar sobre isso.

Quais os fatores de risco de tentativa de suicídio?

  • Tentativa prévia: principal fator de risco isoladamente (1 a cada 100 pessoas com tentativa de suicídio prévia irão cometer suicídio dentro de 1 ano)
  • Doenças psiquiátricas: depressão / ansiedade / TAB / abuso de substâncias / esquizofrenia (mais de 90% das tentativas de suicídio são cometidas por pessoas com alguma doença psiquiátrica)
  • Minorias sexuais (3x mais prevalente)
  • Doenças crônicas
  • Dor crônica
  • Abuso na infância
  • História familiar

Classificação (ideação suicida) 

  • Baixo risco: Alguns pensamentos suicidas, mas sem plano elaborado
  • Médio risco: Possui pensamentos e planos, mas não pensa em cometer o ato neste momento
  • Alto risco: Possui plano definido, meios para fazê-lo e o deseja prontamente

Tratamento

Bom, primeiramente, vale ressaltar que o mais importante é evitar e para isso temos que tratar doenças de base quando existentes e saber classificar a ideação suicida, para que assim, saibamos indicar uma internação hospitalar, por exemplo.

Mas o foco da conversa hoje é outro: o que fazer quando chega o paciente no serviço de emergência que teve uma tentativa de suicídio?

O que NÃO fazer:

  • Julgar
  • Fazer piada
  • Falar que outras pessoas têm dificuldades piores
  • Falar que o paciente “quer se aparecer”

E, se alguém da nossa equipe fizer alguma dessas coisas, é nosso dever chamar a atenção e exigir respeito ao nosso paciente. Estamos lá para ajudar, não para julgar.

O que fazer:

  • Tratamento clínico e estabilização (injúrias / intoxicações…)
  • Reduzir o risco imediato (retirar objetos com os quais o paciente pode se machucar por exemplo)
  • Planejar o tratamento (internação ou seguimento ambulatorial intensivo)
  • Transferir para instituições especializadas se necessário

Ou seja, no serviço de emergência, você não vai fazer ciência, mas o básico deve ser feito. Então, mesmo que você não vá acompanhar este paciente após, você deve assegurar o acompanhamento e tratamento. Pois, como dito anteriormente, o principal fator de risco para o suicídio, é ter tentativa de suicídio prévia.

Encerramos por aqui

Tema “pesado”, mas que devemos colocar em pauta. Sem tabu, sem preconceito e sem julgamentos. Somos profissionais da saúde e nosso dever é ajudar quem de nós precisa e uma tentativa de suicídio nada mais é do que um pedido de socorro.

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram

É médico e quer contribuir para o blog da Medway?

Cadastre-se
BrunoBlaas

Bruno Blaas

Gaúcho, de Pelotas, nascido em 1997 e graduado pela Universidade Federal de Pelotas (UFPEL). Residente de Clínica Médica na Escola Paulista de Medicina (UNIFESP). Filho de um médico e de uma professora, compartilha de ambas paixões: ser médico e ensinar.