Carregando

Tratamento medicamentoso para Covid-19: o que vale a pena até agora?

Salve, salve meus queridos! Há quase 2 anos, estamos enfrentando a pandemia causada pelo vírus SARS-CoV-2. Muitos foram os tratamentos propostos, mas poucos demonstraram real efetividade contra esse vírus! Assim sendo, o post de hoje revisará o tratamento medicamentoso que tem eficácia contra a COVID-19. Por isso, siga comigo para ficarmos mais atualizados sobre essa pandemia! 

Observação: não vamos revisar o diagnóstico ou os modos de ventilação mecânica para pacientes com Covid-19, visto que terá um post para esses assuntos ?. 

Definindo a severidade da doença

Antes de falarmos do tratamento medicamentoso pra COVID-19, precisamos relembrar a classificação da severidade da doença, visto que a depender da classificação, a conduta terapêutica muda.

  • Assintomáticos: são aqueles pacientes que têm teste positivo para SARS-CoV-2 (exemplo: Swab nasal), mas que não expressam nenhum sintoma decorrente da infecção. 
  • Doença leve: são aqueles pacientes com algum teste positivo para SARS-CoV-2 e que apresentam sintomas leves, como febre, tosse e alterações do paladar e olfato, porém sem referir dispneia.
  • Doença moderada: são aqueles pacientes infectados com SARS-CoV-2, que apresentam acometimento no trato respiratório inferior, mas apresentam saturação periférica de oxigênio (SaO2) maior ou igual a 94% em ar ambiente.
  • Doença severa: representado pelos pacientes com infecção por SARS-CoV-2, que apresentam SaO2 < 94%, frequência respiratória > 30 incursões por minuto e/ou infiltrado pulmonar com acometimento > 50% do parênquima. 
  • Doença crítica: classificação designada para os pacientes que apresentam insuficiência respiratória, choque hemodinâmico e/ou disfunção de múltiplos órgãos. 

Tratamento medicamentoso pra COVID-19: tratamentos específicos

Corticoide

O uso de corticoides é recomendado a todos os pacientes que estejam recebendo oxigênio suplementar, seja em baixo fluxo (exemplo: cateter nasal de oxigênio) ou mesmo em suporte ventilatório com ventilação mecânica ou ECMO.

O corticoide mais estudado nessa população foi a dexametasona na dose de 6 mg uma vez por dia (via oral ou intravenosa) durante 10 dias OU até o paciente receber alta hospitalar. Se a dexametasona não estiver disponível no seu serviço, pode-se optar pelas doses equivalentes de outros corticoides, como, por exemplo: 

  • Hidrocortisona 150 mg/dia;
  • Metilprednisolona 32 mg/dia; 
  • Prednisona 40 mg/dia;

Mas lembre-se de que o uso dos corticoides demonstraram redução da mortalidade naqueles pacientes que estavam usando oxigênio suplementar! Para aqueles que não estavam, o uso desses medicamentos aumentou a mortalidade. Vale ressaltar também que devemos monitorar a glicemia capilar desses pacientes que estão internados, visto que hiperglicemia é um efeito colateral dos glicocorticoides

Baricitinib 

O baricitinib é um inibidor seletivo reversível das enzimas JAK1 e JAK2, que atuam basicamente na sinalização intracelular para a ativação da resposta inflamatória. Assim, esse remédio atua na redução da resposta inflamatória por reduzir essa sinalização intracelular. É um medicamento muito utilizado no tratamento de artrite reumatoide refratária ao tratamento convencional

No contexto do SARS-CoV-2, o uso do baricitinib é uma opção terapêutica para aqueles pacientes que estão utilizando dispositivos de alto fluxo de oxigênio (exemplo: cateter nasal de alto-fluxo) ou para aqueles que estão usando oxigênio suplementar em dispositivos de baixo fluxo, mas que vem necessitando do aumento de suporte ventilatório apesar do uso de dexametasona. 

É reservado para aqueles dentro de 96 horas de internação hospitalar ou após 24-48h de admissão em unidade de terapia intensiva. Vale ressaltar que os pacientes candidatos a baricitinib devem ser imunocompetentes. A dose de baricitinib é de 4 mg via oral ou por sonda nasoentérica uma vez por dia durante 14 dias. Para aqueles pacientes com função renal abaixo de 15 mL/min, o uso desse medicamento não é recomendado

Tocilizumab

O tocilizumab atua no bloqueio dos receptores do IL-6, reduzindo a progressão da cascata inflamatória. Esse medicamento é reservado aos pacientes que já estão utilizando corticoide e não estão apresentando melhora clínica e laboratorial (redução dos marcadores inflamatórios) dentro de 96h da internação hospitalar ou após 24 a 48h da admissão em unidade de terapia intensiva. 

Esse medicamento também é reservado para os pacientes imunocompetentes e que não apresentam neutrófilos < 1000 cels/mm3, plaquetas < 50.000 e ALT > 10x o limite superior de normalidade. A vantagem do tocilizumab é a posologia: 8 mg/kg via intravenosa em dose única. E uma ressalva importante: NÃO podemos utilizar tocilizumab e baricitinib juntos! 

Remdesivir

É um análogo de nucleotídeos que possui atividade in vitro contra o SARS-CoV-2, porém na prática não é muito bem isso.

Há muitas divergências sobre o uso desse medicamento em pacientes gravemente enfermos ou mesmo em pacientes que não necessitam de oxigênio suplementar, mas que têm alto risco para progressão grave de doença

Então, o que se recomenda atualmente de tratamento medicamentoso pra COVID-19?

Em pacientes utilizando dispositivos de baixo fluxo de oxigênio, é recomendado o uso de corticoide e remdesivir, se este último estiver disponível. A dose é de 200 mg IV no primeiro dia, seguidos de 100 mg uma vez por dia por mais 4 dias. 

Em pacientes que não necessitem de oxigênio suplementar, MAS possuem alto risco clínico e laboratorial para doença severa, é recomendado o uso de remdesivir. 

E quais são os pacientes de alto risco?

Critérios laboratoriais: 

  • D-dímero > 1000 mg/mL;
  • PCR > 100 mg/L;
  • DHL > 245 U/L;
  • Troponina > 2x o limite superior de normalidade;
  • Ferritina > 500 mcg/L;
  • CPK > 2x o limite superior de normalidade;
  • Linfócitos absolutos < 800 células/microlitro. 

Comorbidades preexistentes (pelo menos 1): 

  • neoplasia maligna;
  • doença cerebrovascular e cardiovascular;
  • doença renal crônica;
  • doença Pulmonar Obstrutiva Crônica/pneumopatias intersticiais;
  • diabetes mellitus tipo 1 ou 2;
  • infecção por HIV;
  • obesidade (IMC > 30 Kg/m²);
  • tabagismo;
  • anemia falciforme/Talassemias;
  • transplante de órgão sólido;
  • uso de imunossupressores.

Curtiu saber mais sobre tratamento medicamentoso pra COVID-19?

É isso, meus queridos! Espero que com o post de hoje, vocês fiquem mais experientes em tratamento medicamentoso pra COVID-19! Caso vocês ainda não dominem o plantão de pronto-socorro 100%, fica aqui uma sugestão: temos um material que pode te ajudar com isso, que é o nosso Guia de Prescrições. Com ele, você vai estar muito mais preparado para atuar em qualquer sala de emergência do Brasil.

Antes de ir, se você quiser aprender muito mais sobre diversos outros temas, o PSMedway, nosso curso de Medicina de Emergência, irá te preparar para a atuação médica dentro da Sala de Emergência. Abraços e até a próxima!

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram

É médico e quer contribuir para o blog da Medway?

Cadastre-se
GabrielMartinez

Gabriel Martinez