Carregando

Abdome agudo vascular: tudo que você precisa saber

E aí, galera? Tudo certo? Hoje iremos falar sobre abdome agudo vascular, mas antes de nos aprofundarmos nesse tópico, precisamos compreender os diferentes diagnósticos diferenciais de dor abdominal. E não fiquem preocupados caso não se lembrem de nada sobre esse tema, pois trouxemos conceitos fundamentais abaixo e recomendamos a leitura do artigo “Principais diagnósticos diferenciais de pancreatite aguda”, disponível em nosso blog.

Mas, calma um pouquinho! Antes de darmos prosseguimento a esse papo, eu tenho um convite para te fazer. Que tal aproveitar uma dica de ouro que preparamos para você? Que é o nosso e-book “ABC da radiologia”, com ele, você vai aprender:

  • os 4 Qs; 
  • radiografia de abdome;
  • ABCDE do raio-x de abdome; 
  • raio-x de tórax. 

E o melhor de tudo: o e-book é totalmente GRATUITO! Isso mesmo: você aprimora os seus conhecimentos sem pagar nada por isso. Baixe agora mesmo e aproveite todos os benefícios!

Agora, quer entender mais sobre abdome agudo vascular? Então, bora continuar a leitura!

O que é a síndrome do abdome agudo?

Abdome agudo é uma síndrome caracterizada por dor abdominal repentina, geralmente intensa, associada ou não a outros sintomas e que necessita de diagnóstico e conduta terapêutica imediata, podendo ser cirúrgica. A maior dificuldade da abordagem do paciente com dor abdominal é a grande variedade de possíveis diagnósticos, alguns deles podendo estar sobrepostos. Além disso, nem sempre uma determinada patologia se manifesta de acordo com o usual. 

Abaixo resumimos para vocês os tipos de abdome agudo de acordo com a causa desencadeante, bem como os prováveis diagnósticos de acordo com a região acometida, antes de entrarmos especificamente no abdome agudo vascular.

Informações geraisMecanismo/EtiologiasCondutas Iniciais
HemorrágicoMais comum entre a 5ª e 6ª década de vidaDor aumenta progressivamenteSangramento espontâneoJovens ? rotura de aneurismas das artérias viscerais;mulheres ? causas ginecológicas e obstétricasidosos ? ruptura de tumores, veias varicosas e aneurismas de aorta abdominal.
Anemia e hipotensão ? reposição volêmica
ObstrutivoÉ o segundo mais comumPresença de barreira mecânica ou funcionalhérnia estrangulada, aderências, doença de Crohn, neoplasia intestinal, diverticulites, fecaloma, impactação por bolo de arcaris, íleo paralítico, oclusão vascular
Vômitos e obstipação ? dieta zero
PerfurativoTerceira causa de abdome agudo, geralmente tem início súbito e difuso e está associado com choque e septicemiaProcessos inflamatórios, infecciosos, neoplásicos; ingestão de corpo estranho; traumaDor intensa e hipertimpanismo ? cirurgia
Infeccioso/InflamatórioÉ o mais comumProcessos inflamatórios/infecciososapendicite aguda, colecistite aguda, pancreatite aguda e diverticuliteFebre e peritonite ? antibiótico
Vascular/IsquêmicoRaro, porém com alta mortalidadeDor abdominal intensa, desproporcional as alterações do exame físicoisquemia mesentérica aguda e crônica; colite isquêmicaDor intensa e difusa ? cirurgia
No quadro: tipos de abdome agudo e possíveis causas.
ETIOLOGIA DE ACORDO COM A LOCALIZAÇÃO
DOR DIFUSAQUADRANTE SUPERIOR DIREITOQUADRANTE SUPERIOR ESQUERDOQUADRANTE INFERIOR DIREITOQUADRANTE INFERIOR ESQUERDO
PeritoniteCólica biliarSíndromes dispépticasApendiciteDiverticulites
PancreatiteColecistitePancreatiteDivertículo de MeckelPatologias ovarianas
Obstrução intestinalColangiteRefluxo gastroesofágicoDiverticulite cecalHérnia estrangulada
Isquemia MesentéricaAbscesso hepáticoEsplenomegalia ou abscesso esplênicoAneurisma de aortaGestação ectópica
GastroenteriteSíndrome dispépticaIsquemia miocárdicaGestação ectópicaDoença pélvica inflamatória
Aneurisma ou dissecção de aortaCongestão hepáticaMiocardites e pericarditesCistos ovarianos ou torção de ovárioCálculos ureterais
Doença inflamatória intestinalPeri-hepatitesPneumoniaEndometrioseAbscesso de psoas
Intestino irritávelTrombose hepáticaCálculos ureteraisPielonefrite
Crise álgica por anemia falciformeApendicite retrocecalAbscesso de psoas
Intolerância a lactoseEmbolia pulmonarAdenite mesentérica
Insuficiência adrenalPneumoniaHérnia estrangulada
Porfiria intermitente agudaPancreatitePielonefrite
Refluxo gastroesofágico
No quadro: etiologia e possíveis diagnósticos de acordo com a região acometida.

Agora sim, galera, vamos falar especificamente do abdome agudo vascular!

O que é o abdome agudo vascular?

O abdome agudo vascular ocorre quando há sofrimento de uma víscera por interrupção súbita do aporte sanguíneo para esse órgão. Mas vocês sabem por que ele acontece? Geralmente esse evento é secundário a um mecanismo oclusivo (embolia, trombose) ou não oclusivo (diminuição do débito cardíaco), que provoca a redução acentuada do fluxo sanguíneo mesentérico. O fluxo resultante, ao não conseguir suprir as demandas metabólicas, leva a graus variados de lesão

Se você puxar um pouco pela memória, irá lembrar que o tronco celíaco e as artérias mesentérica superior (AMS) e mesentérica inferior (AMI) são as principais artérias envolvidas na irrigação do trato gastrointestinal, por isso, são os vasos envolvidos nesse processo e estão diretamente relacionadas com a extensão e gravidade do episódio, a exemplo da AMS e seus ramos, que leva a maiores áreas de isquemia intestinal. 

Outros fatores intimamente relacionados são a duração, a intensidade do fenômeno isquêmico e a presença de circulação colateral, esta última capaz de compensar a diminuição do fluxo na área comprometida.

Área comprometida pelo abdome agudo vascular. Fonte: Livro Medicina Interna Harrison 20ª edição.

Alguns fatores de risco do abdome agudo vascular estão intimamente relacionados a este processo, como a idade avançada, a doença vascular, a fibrilação arterial, as doenças valvares, as cardiopatias e a hipercoagulação.

Sintomas de abdome agudo vascular inflamatório

Embora essa síndrome possua uma apresentação variável, dependente da localização, do comprometimento do órgão e do acometimento vascular, tem algo que chama bastante atenção e pode guiar você: dor abdominal intensa, desproporcional às alterações do exame físico.

Pacientes com sinais claros de irritação peritoneal devem ser encaminhados diretamente à laparotomia, tanto para diagnóstico quanto para tratamento. 

Adianta pedir exame?

Exames laboratoriais geralmente não apresentam achados específicos de abdome agudo vascular, mas devem ser solicitados, são eles: hemograma, amilase e lipase, gasometria arterial, dosagem de eletrólitos e marcadores de necrose miocárdica. Atenção: em mulheres em idade fértil, não esquecer de solicitar o Beta-HCG para descartar gravidez.

O exame padrão ouro é a angiografia, que consegue identificar o vaso acometido e, muitas vezes, tratar a obstrução vascular. A tomografia computadorizada, no entanto, é o exame mais utilizado, tendo em vista a maior facilidade de acesso e menor invasividade. Nela, conseguimos visualizar os principais troncos arteriais e venosos mesentéricos, e seus achados mais comuns são a identificação direta do trombo arterial ou venoso, distensão gasosa de alças, perda do realce intestinal, pneumatose intestinal.

A radiografia de abdome pode revelar distensão de alças intestinais e níveis líquidos (achado mais comum), enquanto a USG tem contexto reduzido na isquemia, devido a distensão abdominal diminuir a visibilidade. 

Tratamento do abdome agudo vascular

Vamos nos basear em 3 pilares para analisar o tratamento de abdome agudo vascular:

  • Cirúrgico: embolectomia, revascularização, com ou sem ressecção intestinal
  • Angiográfico: vasodilatadores ou trombólise
  • Anticoagulação de longo prazo (casos de embolia arterial ou trombose venosa) ou terapia antiagregante (casos de isquemia não oclusiva)
ISQUEMIA MESENTÉRICA AGUDA
Relativamente raro
Mortalidade alta
Tratamento deve ser precoce
Em casos de dor abdominal “desproporcional” aos exames
Embolia mesentérica (superior) – Dor súbita epigástrica, desproporcional ao exame físico, febre e hematoquesia
Trombose aguda – Dor súbita epigástrica importante e súbita, história pregressa de angina abdominal, perda de peso
Isquemia não oclusiva (baixo fluxo) – Dor insidiosa, mais difusa com piora e melhora, “pouco progressiva”
Trombose venosa mesentérica – Inespecífica, náusea, vômito, diarreia, cólicas, sem localização definida
Inespecíficos ? HAS, tabagismo, doença vascular periférica, coronariopatiasEspecíficos ? História recente de evento cardíaco, história prévia de embolismo, aterosclerose, distúrbios de coagulação e uso de anticoncepcional (estrógeno)
Tratamento
SituaçãoElemento essencial ao diagnóstico precoceTratamento da lesão específica




Embolia mesentérica (superior)
Angio-TC
Laparotomia imediata
Laparotomia
Embolectomia
Bypass vascular
Avaliar a viabilidade e remover o intestino inviável
Trombose agudaEcodoppler
Angiografia
Abordagem endovascular: trombólise, angioplastia e colocação de stent
Endarterectomia/trombectomia ou by-pass vascular
Avaliar a viabilidade e remover o intestino inviável
Fonte: Adaptado de Harrison, Medicina Interna – 20ª Ed

E é isso!

Já sabe o que fazer quando chegar um paciente com dor abdominal no seu plantão? Esperamos que esse texto tenha te ajudado a entender melhor a identificar um abdome agudo vascular.

E só mais uma dica: que tal dar uma olhada no nosso Guia de Prescrições? Com esse nosso e-book 100% gratuito, você vai estar muito mais preparado para atuar em qualquer sala de emergência do Brasil!

Pra quem quer acumular mais conhecimento ainda sobre a área, o PSMedway, nosso curso de Medicina de Emergência, pode ser uma boa opção. Lá, vamos te mostrar exatamente como é a atuação médica dentro da Sala de Emergência, então não perca tempo!

Valeu, até a próxima!

*Colaborou: Gabriela Lobato Virgolino, aluna da faculdade UEPA

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram

É médico e quer contribuir para o blog da Medway?

Cadastre-se
AnuarSaleh

Anuar Saleh

Nascido em 1993, em Maringá, se formou em Medicina pela UEM (Universidade Estadual de Maringá) e hoje é residente em Medicina de Emergência pelo Hospital Israelita Albert Einstein e também editor e professor do PSMedway.