Carregando

Aborto espontâneo: saiba como identificar e proceder

Hoje, vamos falar sobre um assunto delicado. O aborto espontâneo é um momento difícil para a paciente gestante, que exige sensibilidade extra da parte do médico, além dos procedimentos-padrão. Afinal, você não vai lidar apenas com um quadro de saúde, mas também com sentimentos de tristeza e luto.

Por isso, é importante saber ouvir a paciente sem julgamentos e comunicar o diagnóstico de maneira adequada. Essa sensibilidade é adquirida com a experiência, mas você já pode entender mais é aborto espontâneo e se preparar para os futuros atendimentos desde o início dos estudos.

O que é aborto espontâneo?

Chamado popularmente de “perda de gravidez”, o aborto espontâneo ocorre quando a gestação intrauterina torna-se inviável até 20 semanas. No entanto, é mais comum que aconteça logo no primeiro trimestre, quando o feto ainda não está bem desenvolvido.

Quando ocorre de forma natural, no início da gravidez, o aborto também pode ser chamado de “perda gestacional precoce”. Mas também pode ocorrer, com menor frequência, após a 20ª semana. Quando a interrupção acontece em gravidez avançada, já é normalmente utilizada a denominação de “natimorto”.

Embora o assunto ainda seja tabu para muitas pessoas, o aborto espontâneo é a complicação mais comum da gravidez. Acomete de 15 a 20% das gestações clinicamente evidentes e até 50% das gestações laboratorialmente evidentes, de acordo com o MSD Manual for Gynecology and Obstetrics.

O que pode causar um aborto espontâneo?

O diagnóstico correto pode ajudar a paciente a prevenir outras interrupções de gravidez ou buscar soluções viáveis para aumentar a família, se esse for o desejo. Por isso, é importante saber quais foram as causas do aborto espontâneo.

Em muitos casos, a etiologia das interrupções de gravidez é desconhecida. Porém, ainda segundo a publicação científica, estima-se que de 80 a 90% das perdas ocorrem por causas embrionárias, como malformações, alterações cromossômicas, aneuploidias e síndromes gênicas.

Também pode haver fatores maternos, como idade avançada, diabetes, hipotireoidismo ou trombofilias. O histórico de outras gestações, como morte fetal intrauterina, aborto anterior ou bebê nascido com malformações, é outro fator a ser levado em conta para analisar o problema.

Como identificar um aborto espontâneo

O primeiro passo no atendimento é verificar os sintomas de aborto espontâneo. Embora haja casos assintomáticos, com perda gestacional precoce diagnosticada na ultrassonografia, boa parte das pacientes pode sentir incômodos, dores e outras complicações.

Entre as pacientes sintomáticas, as queixas mais frequentes são de sangramentos e cólicas, mas também pode haver perda ou diminuição dos sintomas de gravidez, como enjoos e sensibilidade mamária. Já as complicações podem incluir hemorragias e infecções.

Porém, alguns dos sintomas de aborto podem ser os mesmos de outros problemas menos graves na gestação. Para ter certeza de que houve perda da gravidez, é necessário realizar rapidamente os procedimentos indicados para diagnóstico.

Como o diagnóstico funciona

Após análise de sintomas, é indicado fazer um estudo ultrassonográfico seriado. Isto é, se houve gravidez confirmada em ultrassom anterior, e o próximo exame não revele sinais de gestação ou atividade cardíaca do feto observada previamente. No entanto, o diagnóstico com uma única ultrassonografia também é comum.

Para avaliar o ultrassom, há critérios da Society of Radiologists in Ultrasound (SRU) que incluem um diâmetro médio do saco gestacional ≥ 25 mm ou um embrião com comprimento coroa-nádega (CRL) ≥ 7 mm. Outros critérios incluem diâmetro ≥ 21 mm ou CRL de ≥ 6 mm, sem atividade cardíaca para confirmação.

Se o recurso de ultrassom não estiver disponível com facilidade, também pode ser feito o teste em série de gonadotrofina coriônica humana (hCG). Uma queda significativa de hCG em 48 horas do aparecimento de sintomas pode auxiliar no diagnóstico de aborto espontâneo.

Outra alternativa é realizar um exame bimanual para estimar a idade gestacional e compará-la com a idade gestacional estimada previamente, verificando se o colo do útero está aberto e há tecido no canal cervical.

Tipos de aborto espontâneo

A partir das informações obtidas em atendimento e diagnóstico, é possível subcategorizar os diferentes casos de perda gestacional precoce (EPL), o que ajuda a determinar os procedimentos seguidos pelo médico.

A EPL assintomática apresenta-se sem sangramento, cólicas ou passagem de tecido, enquanto a EPL sintomática é caracterizada pela presença de sinais claros, como sangramento atípico e cólicas frequentes. Já a EPL completa é assim chamada por ter ocorrido a passagem completa do tecido da gravidez.

Na EPL incompleto, ou aborto retido, há retenção de tecido fetal ou placentário no útero. Para evitar infecções, hemorragias e outras complicações graves, é necessário tratamento imediato, que pode ser feito com fármacos, manejo clínico ou cirurgia, dependendo de cada caso.

Como tratar a paciente

Inicialmente, é necessário identificar possíveis situações de emergência, como hemorragia com instabilidade hemodinâmica, infecção intrauterina e sepse. Pacientes com infecção sintomática grave necessitam de tratamento cirúrgico urgente e não são candidatas a tratamento expectante ou medicamentoso.

Já o procedimento padrão inclui diversos exames, como hemograma completo, estudos de coagulação e anticorpos, hemoculturas aeróbicas e anaeróbicas, além de testes de ISTs e tipos de sangue. Determinar o status RhD identifica se é preciso administrar imunoglobulina Rh.

A paciente deve passar por terapia medicamentosa, com administração de fluidos intravenosos ou antibióticos. Em casos de retenção de tecidos no útero, muito comuns, é necessário realizar procedimentos de esvaziamento uterino, como curetagem e aspiração manual intrauterina (AMIU).

Para aprender mais, conte com a gente!

Casos de aborto espontâneo estão entre os diversos desafios que você pode enfrentar no pronto-socorro. Salvar vidas é muito gratificante. Para saber mais sobre essa área, conte com o PSMedway, nosso curso de Medicina de Emergência com aulas teóricas e simulações realísticas de procedimentos.

Se você ainda não começou a atender no hospital dos seus sonhos, confira os nossos cursos preparatórios para os principais programas de residência médica do país. Estamos aqui para te ajudar em todos os passos da sua carreira!

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram

É médico e quer contribuir para o blog da Medway?

Cadastre-se
AnuarSaleh

Anuar Saleh

Nascido em 1993, em Maringá, se formou em Medicina pela UEM (Universidade Estadual de Maringá) e hoje é residente em Medicina de Emergência pelo Hospital Israelita Albert Einstein e também editor e professor do PSMedway.