Carregando

Aneurisma sacular

Fala, galera, tudo em paz? Já temos alguns textos discutindo alguns assuntos de neurocirurgia aqui pelo blog, e o de hoje segue a mesma linha. Já vimos que Hemorragia Subaracnoide (HSA) pode ser grave. Uma de suas causas – a principal não traumática – é a ocorrência de aneurisma sacular, assunto que vamos discutir hoje!

O que é aneurisma sacular?

O aneurisma sacular surgem de fraquezas da parede dos vasos nas principais bifurcações das artérias, e isso não é diferente quando estamos falando das artérias da base do cérebro, pronunciando-se como protusões locais. Essas saliências são geralmente de forma esférica, mas também podem ser assimétricas.

Por que eles são perigosos?

Ao contrário das artérias cerebrais normais, o aneurisma sacular não tem tecido elástico ou muscular em suas paredes. As camadas médias e a lâmina elástica interna desaparecem no colo do aneurisma. Embora pequenos fragmentos de elástica possam se estender por curtas distâncias no começo do aneurisma, o risco de ruptura por essas alterações da parede são elevados

Distribuição dos aneurismas cerebrais saculares
Tradução:

Distribuição dos aneurismas cerebrais saculares

Cerebral anterior: 30,7%
Carótida Interna: 37%
Oftálmica 4,8%
Bifurcação
Coroide anterior
Cavernosa
Cerebral média
Cerebral posterior
Basilar cerebelar (trocar SCA por cerebelar mesmo) Bifurcação/tronco
Vertebral cerebelar posterior/junção

Onde eles ocorrem?

Aproximadamente 85-90% dos aneurismas saculares ocorrem na circulação anterior, com os locais mais comuns sendo a artéria comunicante anterior, a artéria carótida interna na origem da artéria comunicante posterior e a artéria cerebral média em sua primeira divisão principal. 

Os aneurismas da circulação posterior compreendem 10-15% dos aneurismas saculares, com as localizações mais comuns sendo o ápice basilar, a junção vertebrobasilar e a origem da artéria cerebelar inferior posterior. No entanto, os aneurismas podem ocorrer em qualquer circulação e em qualquer lugar em uma artéria cerebral principal

Como podemos classificá-lo?

Normalmente, podemos classificar os aneurismas como:

  • pequenos (≤ 12 mm); 
  • grandes (12-25 mm); 
  • gigantes (> 25 mm). 

Sabem qual o problema disso, galera? Essa classificação não importa muito para saber se pode ou não sangrar, porque aneurismas de qualquer tamanho podem se romper. 

O tamanho em que os aneurismas geralmente começam a se romper é de 3 mm de diâmetro, e eles podem causar outros sintomas além da ruptura quando atingem um tamanho de aproximadamente 7 mm. E a maioria se rompe entre 6 a 10mm.

Quando pensamos em recorrência, 1 em cada 5 pacientes que tenha tido um aneurisma vai ter mais de um, e isso é extremamente comum em mulheres. Em pacientes com múltiplos aneurismas, aproximadamente 50% têm aneurismas que ocorrem em lados opostos, 20% têm aneurismas que ocorrem no mesmo lado e 30% têm um aneurisma na linha média. Por isso, em qualquer paciente com suspeita de Hemorragia Subaracnoide, precisamos solicitar uma angiografia de vasos cerebrais.

Quando pacientes com HSA apresentam múltiplos aneurismas, vários fatores ajudam a determinar qual lesão sangrou, incluindo a área de maior concentração de sangue na tomografia computadorizada (TC), a área de vasoespasmo na angiografia, a irregularidade do contorno do aneurisma e o tamanho do próprio aneurisma. Sempre que possível, múltiplos aneurismas devem ser tratados em uma única cirurgia, minimizando o risco de hemorragia futura.

Então é isso, pessoal! Conhecido o substrato patológico do aneurisma sacular, temos que entender a doença e aprender a cuidar bem do paciente, seja em cenário de pronto-socorro, seja em cenário especializado. Por isso, temos diversos cursos que te ajudam a seguir esse caminho e melhorar o desempenho médico!

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram

É médico e quer contribuir para o blog da Medway?

Cadastre-se
DanielHaber Feijo

Daniel Haber Feijo

Nascido em São Paulo, criado em Belém do Pará. Formado médico pela Universidade do Estado do Pará e Cirurgião Geral pela Escola Paulista de Medicina/Universidade Federal de São Paulo (EPM-UNIFESP). Atualmente, profissional da área médica na assistência e no ensino. Segue apaixonado por administração, economia e finanças. A gente só tem aquilo que a gente aceita ter!