Carregando

As instituições mais buscadas para fazer residência em Endocrinologia em SP

Quer fazer residência em Endocrinologia em SP? Então você está no lugar certo! O tema de hoje é justamente apresentar as instituições mais buscadas deste estado para quem quer iniciar a jornada na especialidade, se aprofundar no funcionamento das glândulas endócrinas, suas patologias e funções.

Além de ser super concorrida, é claro! Por isso, é muito importante se informar a respeito do que cada uma tem de melhor para entender o que a experiência pode te oferecer. Além de entender um pouco mais sobre a concorrência, e as principais vantagens dos complexos hospitalares associados a eles.

Vale lembrar que a duração dessa especialidade é de dois anos, e exige pré-requisito de outros dois anos em Clínica Médica

Saiba quais são as instituições mais buscadas para fazer residência em Endocrinologia em SP
Saiba quais são as instituições mais buscadas para fazer residência em Endocrinologia em SP

Quais são as instituições mais buscadas para fazer residência em Endocrinologia em SP? 

Agora, chegou o momento de conferir quais são as instituições mais requisitadas para se especializar em Endocrinologia no estado de São Paulo. Vamos lá! 

USP

Já imaginou fazer residência em Endocrinologia na USP? A universidade abrange o maior complexo hospitalar da América Latina, que realiza mais de 1 milhão de consultas e 232 mil atendimentos de urgência por ano.

Para além da magnitude desses números e da infraestrutura, o departamento da área ainda se dedica a desenvolver uma vivência completa aos residentes. O programa conta com atividades práticas em ambulatório, enfermaria e laboratório.

E ainda promove orientações para desenvolvimento de pesquisa científica. Além da carga horária voltada para conteúdo teórico, que inclui discussões de casos, reuniões, aulas, apresentação de seminários e estudo de artigos científicos.

Todas as atividades são supervisionadas por docentes da faculdade de Medicina da USP, tutores, assistentes, preceptores e outros colaboradores do Hospital das Clínicas da FMUSP. Anualmente, são abertas 10 vagas para a Endocrinologia.

Mas é aquele esquema: para passar, tem que estudar, e muito, porque a concorrência não é mole. No último edital, foram 9,9 candidatos por vaga, então prepare-se bem para sair na frente da galera.

A prova é considerada como uma das mais difíceis quando o assunto é residência médica, independentemente da especialidade que você queira. As questões são objetivas no enunciado, o que ajuda bastante. Mas o nível de dificuldade pode intimidar: contudo, nada que a estratégia de estudar por questões não possa ajudar a resolver, lembre-se disso!

Outro detalhe interessante é que a USP tem uma das melhores residências em Clínica Médica do país, pré-requisito para chegar na Endocrinologia. A gente já contou um pouco mais sobre isso, não deixe de conferir e já descobrir como ela funciona!

Residência em Endocrinologia na Unicamp

A Unicamp também tem uma presença expressiva nessa lista. Seu programa de residência em Endocrinologia, porém, segue a mesma linha da USP: disputado demais! O último processo seletivo ofereceu 4 vagas, e totalizou 15,5 candidatos por vaga. Isso é muita gente, portanto, não rola perder o foco.

O processo seletivo pode lembrar um pouco a USP no que se trata das exigências cobradas e dos assuntos preferidos da banca. Repassar as provas de outros anos é uma forma de ficar por dentro desses detalhes e tirar as questões de letra quando chegar sua vez.

As atividades do programa acontecem principalmente no Hospital das Clínicas da instituição. Um dos mais requisitados do estado e do país. Mas algumas ações específicas também acontecem no Hospital Estadual Sumaré (HES) e no Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher (CAISM).

O que é ótimo, para trazer uma nova perspectiva sobre casos, diagnósticos e perfis de pacientes. O atendimento ambulatorial é o que recebe mais cobertura na instituição.

Entretanto, a atuação na enfermaria também é forte. Em relação à pesquisa, a Unicamp conta com muito incentivo por parte dos professores. As linhas de estudo são bem variadas e é possível publicar e apresentar suas produções.

Para completar, as atividades que se relacionam a biologia molecular e a rotina laboratorial de hormônios. Ufa! Um programa mega completo, não é verdade?

Mas vale ressaltar que a rotina do endocrinologista, depois de formado, é igualmente intensa. Se quiser saber mais um pouco sobre ela, veja o que já falamos a respeito do assunto por aqui.

Unifesp

Você pode ir além da capital lista para fazer a sua residência em Endocrinologia, sabia? Caso você prefira uma cidade que não seja tão movimentada quanto São Paulo, pode optar pela Unifesp, que tem seu complexo hospitalar alocado em Botucatu.

E, mesmo assim, atende milhões de pessoas por ano. O Hospital das Clínicas é seu componente mais famoso, e onde as atividades da residência são realizadas com maior frequência. Entretanto, os residentes também trabalham no Hospital Estadual Botucatu (HEBo), no Serviço de Atenção e Referência em Álcool e Drogas (SARAD) e em dois prontos-socorros.

O processo seletivo na especialidade oferece, todos os anos, 5 vagas. E, bom, a concorrência não se difere muito da USP e da Unicamp, viu? Fica, geralmente, em torno de 12 candidatos por vaga, ou até mais.

O programa também segue a linha das demais universidades. Se direciona bastante para a avaliação médica, como hipoglicemias, contagem de carboidratos, procedimentos voltados para diabetes e doenças da tireoide. Você, mais uma vez, estará sob a supervisão de excelentes profissionais, muitos deles com experiência fora do país.

Ao longo da residência, você também terá a oportunidade de atuar em muitas ações e atendimentos multidisciplinares. O apoio é requisitado por áreas como Nutrição, Cirurgia Bariátrica e Psicologia.

Sendo assim, poderá absorver muito conteúdo diferenciado, o que será ótimo para a sua construção profissional. Dedique-se bastante para passar e conquistar um lugar na instituição para aproveitar tudo isso e muito mais.

SUS-SP

E agora, é hora de falar sobre o SUS-SP, que também é muito requisitado quando o assunto é Endocrinologia. Primeiro, lembre-se de que esse é o maior processo seletivo de residência médica no nosso país. Sendo assim, costuma apresentar mais vagas.

Para a especialidade, porém, esse fato fugiu à regra. O último edital teve apenas 3 vagas. Só por aí dá para imaginar que a concorrência simplesmente esteve acima da médica, não é mesmo?

Mas sem desespero! Há alguns pontos muito favoráveis nesse cenário. Por exemplo, o processo conta com uma espécie de leilão de vagas. Quem se classifica com a maior nota tem o direito de escolher primeiro a instituição na qual deseja fazer a residência.

E são várias instituições associadas ao SUS-SP, o que dá boas chances de você escolher aquela que mais tem a ver com seus objetivos acadêmicos e profissionais. Outra coisa legal é que a prova do SUS-SP acontece depois da maioria das provas das grandes universidades.

O resultado vem depois também, então muita gente a essa altura já se matriculou em outros lugares. Isso faz a lista rodar bastante e aumenta ainda mais suas chances de estudar na instituição que você quer.

Por último, mas não menos importante, o SUS-SP não aplica provas práticas. O que não quer dizer que é tudo mais fácil, pelo contrário: participar desse leilão depende inteiramente de uma nota excelente, então estude muito e mande ver!

Residência em Endocrinologia no IAMSPE

Você se formará como um endocrinologista renomado se passar pelo IAMSPE. Todo ano, a instituição disponibiliza 5 vagas para a especialidade, em um processo seletivo com bastante demanda.

O principal hospital dentro do IAMSPE é o Hospital do Servidor Público Estadual (HSPE). Basicamente todo o treinamento dos residentes acontece por lá. No entanto, isso não é nenhuma desvantagem.

Muito pelo contrário, esse é um hospital moderno, com infraestrutura exemplar, equipamentos atualizados e uma equipe muito bem-preparada. Não é à toa que milhares de pacientes passam por lá todo ano: calcula-se 1,3 milhões de pacientes vindos de várias partes do país.

Para se ter uma ideia, são mais de 30 mil exames mensais registrados nesse complexo hospitalar. Além disso, a instituição é referência em tratamentos de casos de alta complexidade, incluindo a Endocrinologia.

Portanto, o programa exige uma dedicação bastante intensa, mesmo que em seu primeiro as atividades contemplem procedimentos e intervenções mais básicas. É no ano seguinte que o bicho pega, mas você terá o respaldo de professores especialistas referenciados na área.

A Endocrinologia é uma área de avanços constantes. A instituição acompanha essa evolução muito de perto, e preza pelo repasse desses conhecimentos no dia a dia do residente, para que ele saia totalmente preparado para o dia a dia.

Sua formação terá muita qualidade, não tenha dúvidas disso. Mas se rolar um questionamento sobre se essa especialidade é mesmo para você, reveja mais sobre o assunto para tomar a decisão certa.

E aí, onde fazer residência em Endocrinologia em SP?

São muitas instituições incríveis para fazer residência em Endocrinologia em SP, não é mesmo? A gente sabe que fica um pouco difícil de escolher, porque todas têm suas vantagens e características que se destacam em relação às outras.

E, na verdade, a intenção não é compará-las ou fazer um ranking. Mas sim contribuir para que você conheça mais a fundo esses pontos e abocanhe a vaga naquela que faz seu coração bater mais forte.

Talvez você tenha passado pelo pré-requisito em Clínica Médica e agora esteja pensando na Endocrinologia. Talvez não, e está simplesmente planejando seu futuro com antecedência. Seja qual for a sua realidade, uma coisa é certa: não dá para mergulhar na residência médica sem preparação.

Por isso, aproveite que você está aqui e siga a gente no Facebook e no Instagram. Por lá, a gente posta mais um monte de dicas que vão te ajudar nessa jornada rumo ao sucesso. Pra cima!

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram
DjonMachado

Djon Machado

Catarinense e médico desde 2015, Djon é formado pela UFSC, fez residência em Clínica Médica na Unicamp e faz parte do time de Medicina Preventiva da Medway. É fissurado por didática e pela criação de novas formas de enxergar a medicina.