Carregando

Bloqueio de ramo direito: tudo que você deve saber

Qualquer obstrução ou retardo do fluxo de eletricidade ao longo das vias normais de condução elétrica é chamado bloqueio de condução. Há três tipos de bloqueio de condução, definidos pela localização anatômica: bloqueio do nó sinoatrial, bloqueio atrioventricular e bloqueio de ramo direito e esquerdo.

Um bloqueio de condução pode ocorrer em qualquer parte do sistema de condução do coração. Sendo assim, continue a leitura para compreender as principais informações sobre o que é bloqueio de ramo direito e como identificar essa condição no eletrocardiograma.

Tipos de bloqueio de condução

Tipos de bloqueio de condução (bloqueio de ramo direito)
Figura 1: Tipos de bloqueio de condução

O coração possui um sistema especial para gerar impulsos elétricos responsáveis por contrações rítmicas do miocárdio e conduzir esses impulsos rapidamente por todo o coração. O caminho fisiológico de ativação ventricular ocorre da seguinte maneira:

  • a onda de despolarização segue do nó atrioventricular e do feixe de His pelos ramos ventriculares;
  • os ramos direito e esquerdo fornecem a corrente aos ventrículos direito e esquerdo, respectivamente.

Assim, quando a despolarização ventricular normal ocorre, o complexo QRS é estreito, e o eixo elétrico se posiciona entre 0º e 90º. Tudo isso se altera no bloqueio dos ramos. A sequência de ativação ventricular muda na presença do bloqueio de ramo direito.  

Como resultado da obstrução na via de condução do ramo direito, a despolarização ventricular direita é retardada de maneira que não começa até que o ventrículo esquerdo estar quase completamente despolarizado.

Quais são as principais causas de bloqueio de ramo direito?

Mesmo sendo muito comum em corações normais, o bloqueio de ramo direito pode estar relacionado a patologias como: doença de Chagas, cardiomiopatia hipertrófica, infarto agudo do miocárdio, fibrose, cor pulmonar e embolia pulmonar.

O bloqueio de ramo direito no ECG

Figura 2: Local do BRD

A leitura do bloqueio de ramo no ECG é diagnosticada olhando a largura e a configuração dos complexos QRS. Em condições normais, é estreito e tem duração de até 120 ms (três quadradinhos). 

Como o sistema de condução estará comprometido, é obrigatório que o complexo QRS esteja alargado, ou seja, terá duração maior que 120 ms. Além disso, é possível encontrar outros achados eletrocardiográficos no BRD:

Sinal da orelha de coelho em V1
Figura 3: Sinal da orelha de coelho em V1

 BRD típico (bloqueio de ramo direito)
Figura 4: BRD típico

  • onda R secundária (R´) larga: padrão pode ser rsr´, rsR´ou rSR´, em derivações V1 e V2 (orelhas de coelho); 
  • onda S profunda, ampla e empastada nas derivações precordiais esquerdas – V5 e V6: padrão de qRS;
  • deflexão intrinsecóide retardada: o início do complexo QRS até o pico da onda R’ tem duração > 50 ms nas derivações precordiais direitas – V1 e V2.

Como a ativação ventricular esquerda é normal, anormalidades do ventrículo esquerdo ainda podem ser reconhecidas, como isquemia ou infarto agudo e crônico do miocárdio, hipertrofia ventricular esquerda e pericardite. 

A sequência de ativação ventricular direita é anormal, logo, anormalidades do ventrículo direito não podem ser reconhecidas, como a hipertrofia ventricular direita. Casos de bloqueio alternante de ramos direito e esquerdo podem indicar doença difusa e avançada do sistema de condução, com chance de evolução para bloqueio atrioventricular total.

O bloqueio de ramo direito também pode ser causado por doenças do sistema de condução, como o bloqueio de ramo esquerdo. Porém, diferentemente do bloqueio de ramo esquerdo, é um fenômeno bastante comum em corações normais. Sendo assim, é de extrema importância saber diferenciá-los no eletrocardiograma.

A importância do ECG na identificação de irregularidades

Para detectar alterações cardíacas e verificar se o coração apresenta alguma falha na condução elétrica, o eletrocardiograma é um procedimento simples, usado para confirmação de uma série de diagnósticos e algumas suspeitas. Além disso, é um dos exames mais utilizados nas diversas práticas e funções da Medicina de Emergência.

As mudanças mais comuns identificadas no funcionamento do coração por meio do ECG são: bloqueio de ramo direito e esquerdo, arritmias cardíacas, hipertrofia ventricular esquerda (HVE) e outras condições. É possível obter todo o aprendizado das técnicas de leitura do exame por meio de cursos.

O curso de eletrocardiograma é recomendado para quem também tem o sonho de ingressar em programas de residência médica. Além de proporcionar um aprendizado completo, é útil para a bagagem profissional dos residentes de qualquer especialidade. Conheça algumas opções para aprender tudo sobre ECG.

Curso de eletrocardiograma

Para proporcionar um ensino prático e eficaz, um curso de eletrocardiograma deve conter uma metodologia prática e abordar os principais assuntos que envolvem o exame. Por isso, nosso curso gratuito oferece um total de 23 aulas com diversos conteúdos para auxiliar na interpretação do ECG, além de todo o aprendizado prático necessário.

Dessa forma, é disponibilizado um passo a passo para você compreender e  identificar os principais padrões de um eletrocardiograma. Após o curso, é emitido um certificado. Assim, você estará pronto para fazer a leitura dos exames com total segurança e propriedade no assunto.

Aprenda mais sobre outras condições cardíacas

Agora que você aprendeu tudo a respeito do bloqueio de ramo direito e como fazer a leitura dessa alteração no eletrocardiograma, aproveite para se aprofundar em outras condições, como a sobrecarga atrial esquerda. Assim, seu aprendizado ficará em dia, e você estará pronto para brilhar nos plantões de emergência!

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram

É médico e quer contribuir para o blog da Medway?

Cadastre-se