Como é a residência em Radiologia na USP

Se você escolheu Radiologia para se especializar na sua residência médica, provavelmente já sabe que essa é uma das áreas mais amplas da medicina, certo? Realizar diagnósticos precisos e identificar problemas ainda em estágio inicial são apenas algumas das possibilidades que essa especialidade, que tem duração de 3 anos e acesso direto, vai te proporcionar. E que tal realizar esse sonho no Hospital das Clínicas? Hoje vamos falar tudo sobre como é a residência em Radiologia na USP!

Uma das principais vantagens de ser residente de Radiologia no HC é a grande variedade de casos que você vai encontrar, afinal, é do maior complexo hospitalar da América Latina que estamos falando. São mais de 1 milhão de consultas ambulatoriais por ano, 232 mil atendimentos de urgências e emergências e mais de 50 mil cirurgias por ano! Esses são apenas alguns dos números do complexo hospitalar da FMUSP – tem muito mais no nosso Guia Definitivo da USP-SP!

Mas além da variedade de casos, você certamente está buscando outros aspectos e tem suas próprias expectativas da vida de residente. Será que a residência em Radiologia na USP em São Paulo é o que você espera? Para responder essa pergunta, conversamos com dois residentes do programa, o Paulo, que é R2, e o Thiago, R3. Vamos ver o que eles disseram sobre como é fazer residência médica em Radiologia no HC? Bora!

João Vitor: Vou começar com uma pergunta que a gente sabe que é bastante pessoal, mas todo mundo pergunta: na opinião geral, qual o melhor estágio da residência em Radiologia na USP?

Paulo: Para mim, é o estágio de gastro.

Thiago: Acredito que o de Pronto-Socorro. Além de ter uma maior variedade de casos diferentes e complexos de todo o HC, a equipe assistente é muito boa!

João Vitor: Tem algum médico assistente que você considere sensacional e exemplo para sua formação? Por quê?

Thiago: O dr. Manoel Rocha, por ser interessado em ensinar os residentes e ter conhecimento acima da média.

Paulo: Para mim, também é o dr. Manoel Rocha que consideraria um exemplo para minha formação.

João Vitor: Conta um pouco pra mim onde vocês rodam ao longo de toda a residência em Radiologia na USP.

A atuação no HC dá à residência em Radiologia na USP grandes oportunidades de aprendizado
A atuação no HC dá à residência em Radiologia na USP grandes oportunidades de aprendizado

Paulo: Nós rodamos em todas as especialidades radiológicas durante os três anos de residência: USG, Contrastados, Axiais (como gastro, tórax, genito, musculoesquelético, neurológico, cabeça e pescoço e pediatria) e Mama.

Thiago: Na residência em Radiologia na USP, somos divididos em subespecialidades radiológicas e em estágios de acordo com os institutos do HC, que são: Musculoesquelético, Pediátrico, Mama, PS, Gastrointestinal, Genitourinário, Neurológico e Oncológico. Somos nós os responsáveis pelos exames ambulatoriais e emergências dessas subáreas. 

João Vitor: Existem estágios eletivos na sua residência? É possível (e comum) fazer um estágio fora do país?

Paulo: Não há estágios eletivos na residência em Radiologia na USP.

Me conta: sua residência, de uma forma geral, respeita as 60 horas semanais? Qual é a carga máxima de plantão que você dá na sua residência? Conta pra gente se existe algum período de descanso pré ou pós-plantão.

Thiago: A residência em Radiologia na USP respeita sim as 60 horas semanais. Temos plantões noturnos e diurnos no R3, com carga horária de 12 horas cada um. São, em média, um ou dois plantões por semana. Caso o plantão seja noturno, obrigatoriamente, temos descanso de 12 horas pós-plantão.

João Vitor: Me conta rapidinho: de 0 (nada) a 10 (demais), o quanto sua residência foca em parte teórica? Quais são as atividades teóricas que vocês têm?

Paulo: 5.

Thiago: 8. Temos reuniões do Departamento todas as quartas-feiras, aulas dos Preceptores e, esporadicamente, aulas dos Assistentes.

João Vitor: Aproveitando o embalo: de 0 (nada) a 10 (demais), o quanto sua residência foca em parte acadêmica?

Paulo: 7.

Thiago: 7.

João Vitor: E quais são os pontos fortes da residência em Radiologia na USP? Dá uma aprofundada pra gente.

Paulo: Entre os principais pontos fortes, eu citaria a reputação da instituição e o nível de empregabilidade que oferece. Também destaco a presença de assistentes capacitados e coletas inteligentes, além do grande volume de exames.

Thiago: Acredito que a base teórica é um dos pontos fortes. Além disso, também destacaria a possibilidade de fazer networking e a abertura de portas no mercado. Também é um ponto forte importante o acesso a casos diferentes e variados e o contato com chefes e referências da área.

João Vitor: E tem algum ponto que você acha que poderia melhorar?

Paulo: Sim, eu acho que devia haver melhor suporte teórico.

Thiago: Sim, acho que devia haver menos atividades burocráticas.

João Vitor: Falta pouco agora! Me diz: dá pra conciliar a residência em Radiologia na USP com plantões externos? A maioria faz isso?

Paulo: Dá para conciliar sim, e a maioria faz isso.

João Vitor: A sua residência disponibiliza quais “comodidades” para os residentes?

Thiago: Sobre alimentação, existem restaurantes do hospital, sendo que um é totalmente de graça e, em outros, os residentes têm descontos por serem da instituição. Também há moradia, que é distribuída seguindo critério socioeconômico. No geral, a maioria das pessoas que têm interesse consegue.

João Vitor: No caso de vocês, que não são de São Paulo, têm a intenção de voltar à sua cidade de origem? Conhecem alguém que voltou? Acham que é possível se inserir bem no mercado?

Paulo: Sim, pretendo voltar. Conheço pessoas que voltaram e, sem dúvidas, é possível se inserir bem no mercado.

Thiago: Sim, tenho a intenção de voltar. Conheço outras pessoas que voltaram e acho que é, sim, possível se inserir bem. Fica um pouco mais difícil não tendo feito residência médica na região de destino, mas com um currículo melhorado e com técnicas novas, espero conseguir me adaptar.

João Vitor: Tem mais alguma coisa que você queira falar sobre a sua residência que a gente não perguntou?

Paulo: Apenas que é a residência em Radiologia na USP é ótima em geral, provavelmente a melhor do país.

Gostou de saber mais sobre a residência em Radiologia na USP?

Já está decidido sobre quais são as provas de residência médica que vai prestar esse ano? Esperamos que esse artigo tenha te ajudado a saber mais sobre como é o programa de residência médica em Radiologia na USP, especialmente se essa for uma das provas que você vai prestar no fim do ano.

Aproveitando, se você já tem certeza de que vai prestar a prova de residência da USP, é bom já saber tudo sobre como ela é, não é mesmo? Nós já explicamos tudo aqui no blog sobre as diferentes etapas da prova da USP-SP. Para ficar ainda mais afiado, dá uma olhada também no nosso novo Guia Estatístico com os cinco focos que mais caíram na prova nos últimos anos.

Ah, e se você quer saber ainda mais sobre o assunto, é bom dar uma olhada no podcast Finalmente Residente. Nele, recebemos convidados que falam sobre suas vivências nas mais variadas residências e instituições do país! O mais interessante nisso tudo é que você pode ouvir a voz da experiência e conhecer os principais aspectos dessa etapa por meio de quem vive (ou viveu) com afinco a vida de residente. O Felipe Lorenzo, por exemplo, contou um pouco pra gente sobre a residência em Radiologia. Ele é fera, então, corre lá pra conferir!

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram
JoãoVitor

João Vitor

Capixaba, nascido em 90. Graduado pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) e com formação em Clínica Médica pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HC-FMUSP) e Administração em Saúde pelo Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE). Apaixonado por aprender e ensinar.