Carregando

Especialidades cirúrgicas: qual escolher?

Todo mundo quer saber qual caminho escolher após a graduação, né? Muitas vezes, fica mais fácil pensar primeiro em especialidades cirúrgicas e clínicas pra depois buscar uma definição mais apurada, já pensou nisso? Se não pensou, nós sim: levantamos essa lebre aqui e você pode tentar achar seu caminho fazendo um teste vocacional para a residência médica. Dá uma olhada! Isso pode te ajudar! 

Mas se você é daqueles que curtem procedimentos cirúrgicos e uma boa dose de adrenalina no seu dia a dia, o rumo da residência médica nas especialidades cirúrgicas já está traçado. E quem planeja virar cirurgião quer saber logo quais são as especialidades que possibilitam botar a mão na massa, não é mesmo?

E também quer se informar sobre quais são as principais cirurgias que competem a cada especialidade. Por isso, hoje vamos te contar um pouquinho sobre algumas especialidades cirúrgicas e explicar sobre as residências que mais envolvem cirurgia, tanto as de acesso direto quanto as que possuem pré requisitos, pra te ajudar nessa árdua tarefa de escolher o que cursar na residência médica.

Uma coisa importante que a gente precisa te dizer é que em várias especialidades há contato com cirurgias. Por exemplo, em Oftalmologia na USP, os residentes começam a pegar mão já durante a residência Você pode conferir como é a residência médica em Oftalmologia na USP e as percepções dos estudantes nessa entrevista bacana

Mas hoje, aqui no nosso papo, a gente vai destacar somente as especialidades que vão conferir ao médico o título de cirurgião, ou seja, que vão torná-lo um verdadeiro especialista em cirurgia. Combinado?

Há muitas especialidades cirúrgicas entre as quais o residente pode escolher

Especialidades cirúrgicas de acesso direto

Pra seguir o sonho da residência médica com segurança, é bom saber direitinho como funciona isso, pois existem muitas possibilidades. São chamadas de especialidades de acesso direto aquelas em que o médico pode se inscrever sem ter nenhuma especialidade prévia, ou seja, terminou a graduação em Medicina, já pode prestar as provas de seleção pra residência médica. 

E qualquer médico pode se candidatar aos concursos para essas especialidades, independentemente do tempo de formação ou da experiência anterior. Há algumas dessas especialidades que são chamadas de áreas básicas, como a Cirurgia Geral, a Clínica Médica, a Ginecologia e Obstetrícia e a Pediatria. Mas por que elas têm esse nome? Porque logo após concluí-las, o médico pode realizar uma segunda residência como uma subespecialização.

Mas não para por aí não! Além dessas áreas básicas, a gente ainda pode especificar mais! Como o tema de hoje são as especialidades cirúrgicas, de cara a gente já pode destacar as que têm cirurgia no nome: Cirurgia Cardiovascular e Neurocirurgia. Mas existem também as especialidades consideradas clínico-cirúrgicas, que nem sempre são tão óbvias, mas têm uma quantidade relevante de cirurgias envolvidas na prática do dia a dia, como a Ginecologia e Obstetrícia, a Otorrinolaringologia, a Oftalmologia e a Ortopedia.

Mas hoje vamos nos aprofundar só naquelas em que o foco são as cirurgias, beleza? Então bora conhecer um pouco mais sobre as especialidades cirúrgicas!

Cirurgia Cardiovascular

Antes de continuar a leitura, se você tem o sonho de passar na residência médica e atuar na instituição dos sonhos, temos a solução perfeita pra você! O nosso Intensivo São Paulo oferece acesso a 40 aulas direcionadas por instituição e guias estatísticos de alta qualidade, o que com certeza vai aprimorar seus conhecimentos e aumentar as suas chances de aprovação. 

Com um banco de questões com mais de 30 mil questões comentadas, você poderá colocar os seus conhecimentos em prática e ver quais são seus pontos fortes e fracos para saber exatamente como agir no dia da prova. Clique AQUI e faça já sua inscrição no Intensivo São Paulo.

Podemos dar destaque à Cirurgia Cardiovascular. Na Unifesp, por exemplo, o programa de residência médica para essa especialidade cirúrgica tem duração de 5 anos, com atividades teóricas, práticas e acadêmicas. Ao longo dos diversos estágios obrigatórios, você acompanhará cirurgias, ajudará na avaliação de casos diversos e aprenderá, na prática, como cuidar dos pacientes.

A residente Juliana, R5, contou um monte de coisas legais pra gente e você pode conferir a entrevista com ela aqui no artigo sobre como é a residência médica em Cirurgia Cardiovascular na Unifesp. Lá, são disponibilizadas poucas vagas por ano – apenas duas – o que torna o processo seletivo bastante concorrido. Também já entrevistamos residentes da Cirurgia Cardiovascular da USP, dá uma olhada aqui

Cirurgia Geral 

A residência em Cirurgia Geral é, além de referência em qualidade, uma das mais disputadas no Brasil, sabe por que? Ela contempla a formação do profissional em Cirurgia Geral e Emergência e Trauma. Além disso, uma mudança bastante significativa que vinha sendo discutida pelo CBC (Colégio Brasileiro de Cirurgiões) acabou entrando em vigor em 2019 e dividiu a Cirurgia Geral em duas áreas: Área Cirúrgica Básica, com dois anos de duração, e Cirurgia Geral, com período de três anos para conclusão. 

Essa divisão se fez necessária pois a Área Cirúrgica Básica é pré-requisito para outras especialidades cirúrgicas, ou seja, o médico interessado deve ser submetido ao processo seletivo da especialidade desejada após os dois anos de cumprimento da carga horária obrigatória do curso. Já o programa de Cirurgia Geral é uma residência médica que confere o título de especialista e aí o médico cirurgião também vai poder realizar atendimentos ambulatoriais, plantões nas emergências de prontos-socorros e cirurgias eletivas. Isso porque o seu campo de atuação é bastante amplo e abrange as áreas de Cirurgia Abdominal, Cirurgia Videolaparoscópica e Cirurgia do Trauma. Se ele desejar, também pode seguir para uma outra especialidade cirúrgica.

Na USP de Ribeirão Preto, o estágio que faz mais sucesso entre os residentes de Cirurgia Geral, é na Unidade de Urgência e Emergência do HCRP, porque é lá que eles têm a oportunidade de lidar diretamente com todo tipo de trauma, desde os leves até os mais complexos, e pega muita mão de cirurgia. Nesta entrevista, conversamos com o Jean, residente do segundo ano de Cirurgia Geral na USP-RP, que contou pra gente que residência é bem completa quanto às subespecialidades: no R1 eles passam por Unidade de Emergência, Fígado, Cirurgia Torácica, Proctologia, Gastrocirurgia, Cirurgia plástica e Unidade de Queimados. Já no R2, voltam de novo pela Unidade de Emergência, e também passam por Cirurgia de Cabeça e Pescoço, CTI, Vascular, Cirurgia Plástica, Cirurgia Torácica, Cirurgia Pediátrica, Urologia e Proctologia. Quer saber mais? Olha o que ele disse aqui sobre como é a residência médica em Cirurgia Geral na USP-RP e confira! 

Ficou curioso pra saber mais sobre isso? Então, não deixa de ler os artigos que fizemos sobre essa disputadíssima área na USP, na Unifesp e na ISCMSP e tire todas as suas dúvidas!

Neurocirurgia

A Neurocirurgia vai exigir de você muita dedicação e paciência, porque apesar de ser uma especialidade de acesso direto, para concluí-la são necessários mais 5 anos de estudos! É uma das residências com maior duração! E, para quem deseja adquirir ainda mais conhecimento e desenvolver novas habilidades, com mais um 1 ano é possível cursar alguma subespecialidade da Neurocirurgia e atuar nas subáreas de cirurgia de coluna, neurocirurgia pediátrica e vascular, por exemplo. Mas não pense que por ser longa, a concorrência diminui. Dá uma olhada em como é a residência em Neurocirurgia na USP e na Unifesp e saiba mais sobre as vagas, os estágios, as atividades acadêmicas e as comodidades que cada instituição oferece aos residentes. 

Especialidades cirúrgicas com pré-requisito

Aqui é pra testar o sonho, a dedicação e a força de vontade: coisas que não faltam pra quem tem como objetivo a residência médica em especialidades cirúrgicas. Isso porque algumas delas exigem que uma outra especialidade já tenha sido concluída, o chamado pré-requisito.

Nas especialidades cirúrgicas, a Área Cirúrgica Básica tem duração de dois anos e é pré-requisito para as outras áreas. Vamos conhecer um pouco delas?

Cirurgia do Aparelho Digestivo

A Cirurgia do Aparelho Digestivo vai cuidar do sistema digestivo – esôfago, estômago, vesícula biliar, pâncreas, fígado e toda a extensão dos intestinos. Também vai realizar os procedimentos cirúrgicos importantes como hérnias, retirada da vesícula ou tumores malignos.

Cirurgia de Cabeça e Pescoço

A Cirurgia de Cabeça e Pescoço é responsável pelo diagnóstico, seguimento e tratamento dos pacientes adultos e também pediátricos que são portadores de tumores benignos e malignos na região da cabeça e pescoço. É importante dizer que hoje, no Brasil, a prevalência do câncer de boca em homens e de tireoide em mulheres, tem aumentado e coloca o cirurgião de cabeça e pescoço numa atuação relevante, tanto no diagnóstico precoce quanto no tratamento especializado. 

Cirurgia Plástica

A Cirurgia Plástica não está atrelada apenas à ideia de reparação estética não! Ela vai cuidar também da reconstituição de alguma parte do corpo, por meio da retirada ou transferência de tecidos entre diferentes regiões para poder reconstruir anatomia e função de algum local acometido por deformidades, sejam elas congênitas ou adquiridas.

Cirurgia Vascular

A Cirurgia Vascular é uma área da cirurgia em que são tratados os vasos sanguíneos, todo o sistema linfático, artérias e veias, e tudo mais que envolva o sistema circulatório e as suas doenças, como aneurismas de aorta e aterosclerose.

Urologia

A Urologia vai cuidar das doenças do trato urinário de homens e de mulheres, e do sistema reprodutor dos pacientes do sexo masculino.

Cirurgia Torácica

A Cirurgia Torácica vai trabalhar em colaboração com outros médicos, como pneumologistas, radiologistas intervencionistas, para poder tratar de doenças da região do tórax e do sistema respiratório, como a parede torácica, a traquéia, os brônquios, os pulmões e as pleuras. 

Cirurgia Oncológica

A Cirurgia Oncológica é uma das especialidades essenciais no tratamento para o câncer e pode ser realizada sozinha ou em conjunto com outros métodos, como a quimioterapia e a radioterapia e com a atuação de outros profissionais da saúde.

Cirurgia Pediátrica

A Cirurgia Pediátrica vai fazer todo o tratamento clínico-cirúrgico de crianças e adolescentes com doenças congênitas ou não. É uma área bem extensa: pode atuar em vários sistemas orgânicos como o digestório, respiratório, genitourinário e vascular,, por exemplo.

Cirurgia Coloproctológica

A Cirurgia Coloproctológica é uma especialidade bem ampla e que vai incluir aí o diagnóstico, todo o tratamento clínico e cirúrgico das afecções benignas e malignas do intestino delgado, dos cólons, reto e disfunções do assoalho pélvico de homens e mulheres. 

Mas quanto ganha um cirurgião?

Mas, depois de toda essa avalanche de informação e das muitas possibilidades de especialização, você também quer saber a rotina de trabalho e quanto ganha um cirurgião, né?

Dados colhidos recentemente e de acordo com pesquisa do site Salario.com.br junto a dados oficiais do Novo CAGED, eSocial e Empregador Web indicam que a faixa salarial do cirurgião geral fica entre R$ 6.396,45 e o teto salarial pode chegar a R$ 17.260,37. Isso levando em conta apenas os profissionais em regime CLT de todo o Brasil. 

É claro que os valores podem mudar de acordo com a região do Brasil, o local de trabalho e até a experiência do médico. Quer saber quanto ganham os médicos de cada especialidade cirúrgica? Dá uma olhada nesse artigo que fizemos sobre o salário das diferentes especialidades cirúrgicas. E olha, além da prática cirúrgica, o médico ainda pode atuar em outras áreas, como a educação por exemplo, e dar aulas em cursos de formação, preparatórios para residência, cursos de pós-graduação, trabalhar em institutos de pesquisa, prestar concursos públicos e atuar ativamente no serviço público e até investir na carreira militar.

E se você pensa em ir pra fora do país, as especialidades cirúrgicas têm muita visibilidade nos Estados Unidos! Por lá, além dos reajustes salariais serem bem mais frequentes, a tendência a valorização dos médicos cirurgiões também é maior! Quer saber quanto dá pra faturar em dólares? Vem aqui e descobrir quanto ganha um médico nos EUA! 

Gostou de saber mais sobre especialidades cirúrgicas?

E se agora você acha que a especialidade cirúrgica é mesmo a sua praia, já está na hora de se preparar para os processos seletivos de residência médica! E pra isso, a gente tá junto! Se você vai começar a se preparar para encarar a prova de residência médica, sugiro dar uma olhada no nosso e-book gratuito Os 15 bloqueios que te impedem de ser aprovado na residência para já começar com o pé direito, já vencendo os bloqueios mentais que atrapalham seus estudos e te impedem de ser aprovado na residência médica dos seus sonhos!

Além disso, inscreva-se no Extensivo São Paulo, nosso curso com videoaulas ao vivo e gravadas com os temas que você realmente precisa saber para ingressar nas principais instituições do país. Também oferecemos um app com milhares de questões comentadas e acesso ao curso Intensivo São Paulo a partir do meio do ano. Vem com a gente! Bora pra cima!

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram
AlexandreRemor

Alexandre Remor

Nascido em 1991, em Florianópolis, formado pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) em 2015 e com Residência em Clínica Médica pelo Hospital das Clínicas da FMUSP (HC-FMUSP) e Residência em Administração em Saúde no Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE). Fanático por novos aprendizados, empreendedorismo e administração.