Carregando

Fratura de Chance: biomecânica e achados de imagem

Também chamada de “fratura do cinto de segurança”, a Fratura de Chance leva o nome em homenagem ao radiologista irlandês George Quentin Chance, que a descreveu pela primeira vez em 1948 em um relato de três casos de acidente automobilístico relacionado ao cinto de segurança de 2 pontos. Quer entender mais sobre o assunto? Então, vamos lá!

Fratura de Chance: biomecânica e estabilidade da coluna vertebral

Para entender o mecanismo envolvido na fratura de Chance, é importante relembrarmos alguns conceitos, e as primeiras coisas que vamos abordar são 3 regiões biomecânicas na coluna toracolombar.

  • Torácica superior (T1 a T8) é rígida, em decorrência das costelas que compõem a caixa torácica e proporciona estabilidade.
  • Zona de transição (T9 a L2) é a mais suscetível a lesões, visto que é o ponto de maior mobilidade. É aqui que ocorrem as fraturas de Chance.
  • Inferior (L3 ao sacro) é flexível, porém mais suscetível a lesões por carga axial, tendo em vista que sustenta o peso das 3 colunas.

A estabilidade da coluna, por sua vez, depende da integridade das 3 colunas, que envolve estruturas ósseas e ligamentares, seguindo modelo das 3 colunas de Denis:

  • Coluna anterior;
  • Coluna intermediária/média;
  • Coluna posterior. 

A estabilidade da coluna depende da integridade de, ao menos, 2 colunas. Veja a imagem a seguir:

Divisão da coluna vertebral em três colunas de Denis. 
Fonte: Radiologyassistant.nl
Divisão da coluna vertebral em três colunas de Denis. 
Fonte: radiologyassistant.nl 

O que é a Fratura de Chance?

São fraturas do tipo flexão-distração, instáveis (ou seja, envolvem as 3 colunas de Denis), horizontais, altamente associadas a lesão de órgãos abdominais.

Qual é a fisiopatologia envolvida?

O mecanismo da Fratura de Chance está relacionado à hiperflexão do tronco, com região subabdominal “presa”, situação que ocorre no acidente automobilístico com uso de cinto de 2 pontos.

Sem a alça para o ombro, o corpo dobrará sobre o abdômen, o que levará à lesão de compressão das colunas anterior e média e distração da coluna posterior.

Os achados de imagem

A característica de imagem mais marcante da fratura de Chance é sua morfologia horizontal, estendendo-se através das estruturas ósseas e ligamentares das 3 colunas de Denis. Para ficar mais palpável, vamos a um exemplo.

Fica a dica!

  • Sempre fique atento à história do trauma. É comum haver uma “pista” no enunciado da questão.
  • Fraturas de Chance são de alto risco para lesões em órgãos abdominais, e esta informação pode te ajudar.
  • Atente-se à morfologia da fratura.

Curtiu saber mais sobre a Fratura de Chance?

Agora você sabe mais sobre a Fratura de Chance! Então, confira outros conteúdos que publicamos aqui, no blog. Eles foram feitos especialmente para você mandar bem no seu plantão e ficar por dentro dos mais variados assuntos.

Além disso, se deseja conferir mais conteúdos de Medicina de Emergência, conheça a Academia Medway. Por lá, são disponibilizados diversos e-books e minicursos completamente gratuitos para auxiliar no seu aprendizado. 

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram

É médico e quer contribuir para o blog da Medway?

Cadastre-se
BárbaraTrapp

Bárbara Trapp