Carregando

Lombalgia: saiba tudo sobre essa condição tão frequente

Após passar um tempo atendendo em hospitais, você vai ver que é extremamente comum receber pacientes reclamando de dor lombar. Essa condição, tecnicamente chamada de lombalgia, é muito frequente nas salas de emergência (representa cerca de 5% das consultas), por isso é tão importante saber mais sobre ela.

Afinal, ao examinar um paciente reclamando de dor nas costas, você sabe o que deve ser perguntado ativamente, ou seja, quais são os sinais de alarme? Quais remédios devem ser prescritos? Quais exames de imagem devem ser solicitados? A gente explica tudo isso aqui. Confira!

Quais são as causas?

Antes de recomendar o tratamento, é importante saber o que causa lombalgia. O principal motivo da lombalgia decorre da contratura da musculatura paravertebral (lombalgia mecânica). Além disso, alguns outros fatores são:

  • contratura muscular; 
  • protusão discal;
  • fraturas vertebrais;
  • metástase óssea vertebral;
  • mieloma múltiplo;
  • osteomielite;
  • espondilite anquilosante;
  • cólica nefrética;
  • pancreatite;
  • úlcera péptica perfurada;
  • aneurisma de aorta;
  • pielonefrite;
  • endometriose;
  • herpes-zóster.

Classificações

Existem três tipos de classificação para a dor na lombar. A primeira delas é a lombalgia inespecífica (90-95% dos casos), sem etiologia clara, normalmente contratura muscular e/ou discopatias.

A segunda é a lombalgia com radiculopatia ou ciática, a qual sugere compressão radicular. Por fim, a lombalgia específica é associada a certos diagnósticos, como cólica nefrética ou pielonefrite.

O que perguntar ao paciente?

Na hora de conversar com o paciente para saber o histórico dele, é preciso prestar atenção em determinadas informações. Febre ou retenção urinária, por exemplo, são sinais de alerta.

Se o paciente tiver mais de 20 ou menos de 50 anos, os indícios de perigo são infecções, neoplasias e doença vascular. Se houver histórico de neoplasia, fique atento à metástase. 

Caso ocorra perda de peso, repare se há neoplasias. Se o paciente tiver febre, note se há abscesso epidural ou osteomielite. Imunodeprimidos e usuários de drogas injetáveis requerem atenção para abscesso epidural, metástase e osteomielite.

Além disso, podem ser sinais: bacteremia (infecções), história de aneurisma de aorta (ruptura retroperitoneal), déficit neurológico motor (compressão medular), retenção urinária, incontinência fecal ou anestesia em sela (síndrome da cauda equina) e trauma (traumatismo raquimedular).

É preciso solicitar exames?

Após obter as respostas necessárias para descobrir o histórico do paciente, é muito provável estar apto para fazer o diagnóstico, sem a necessidade de nenhum tipo de exame. 

Isso porque, segundo a Sociedade Brasileira de Reumatologia, exames de imagem não costumam ser solicitados quando há sintomas de lombalgia aguda, apenas quando são observados sinais de alerta, como os citados acima.

Nesse caso, o raio x simples costuma ser o mais indicado como primeiro exame. Além dele, outros testes que podem ajudar a elucidar o quadro são: tomografia computadorizada, ressonância magnética e mielografia.

Vale destacar que os exames só devem ser pedidos em caso de suspeita específica. Isso porque um exame de imagem alterado não necessariamente explica a causa da dor. Da mesma forma, uma pessoa com dor na lombar pode não apresentar alteração no exame. 

Quais são os tratamentos?

A indicação de tratamento depende da causa da lombalgia. No entanto, aqui, para simplificar, vamos focar na lombalgia mecânica (contratura muscular), que, como já foi falado, é a mais comum.

Analgésicos

Os analgésicos não opiodes costumam ser a primeira escolha. Analgésicos simples e AINEs (anti-inflamatórios não hormonais) não apresentam diferenças na literatura. AINEs não devem ser usados por longos períodos. Opioides devem ser usados se houver refratariedade após o uso dos analgésicos simples/AINEs

Relaxantes musculares

Devem ser usados como terapia adjuvante aos analgésicos, não de forma isolada. O uso melhora a mobilidade e a dor. Outras modalidades terapêuticas são a eletroacupuntura e as técnicas ultrassonográficas, que podem ser usadas (alguns estudos demonstraram eficácia), mesmo não tendo tanta relevância no departamento de emergência. 

Já técnicas térmicas, estimulação elétrica transcutânea e colchicina não apresentam evidência na literatura que recomenda o uso rotineiro nos casos de lombalgia, então é melhor que sejam evitadas.

Repouso absoluto é uma medida recomendada?

Manter-se ativo é bom para a melhora da dor e o retorno às atividades habituais. Sempre avalie o tipo de trabalho do paciente, já que ele deve se manter ativo, mas sem fazer esforço extenuante. Dependendo do caso, o atestado para repouso absoluto é necessário, mas evite recomendar que o paciente fique “de cama”. Fechou?

Tratamento X exame de imagem

Se não houver indicação de exames de imagem (como já falamos no tópico sobre exames complementares), inicie o tratamento farmacológico. Caso não haja melhora após quatro semanas, considere solicitar TC ou RM.

Se quiser saber mais…

Se quiser conferir mais conteúdos de Medicina de Emergência, passe na Academia Medway. Por lá, disponibilizamos diversos e-books e minicursos completamente gratuitos! 

O nosso e-book ECG Sem Mistérios e o nosso minicurso Semana da Emergência são ótimas opções para você estar preparado para qualquer plantão no país.

Caso queira complementar os estudos para lidar com a Sala de Emergência, temos outra dica que pode te interessar. No nosso curso PSMedway, por meio de aulas teóricas, interativas e simulações realísticas, ensinamos como conduzir as patologias mais graves no departamento de pronto atendimento! 

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram

É médico e quer contribuir para o blog da Medway?

Cadastre-se
BrunoBlaas

Bruno Blaas

Gaúcho, de Pelotas, nascido em 1997 e graduado pela Universidade Federal de Pelotas (UFPEL). Residente de Clínica Médica na Escola Paulista de Medicina (UNIFESP). Filho de um médico e de uma professora, compartilha de ambas paixões: ser médico e ensinar.