Carregando

Quanto ganha um cirurgião de cabeça e pescoço no Brasil?

Você sabe quanto ganha um cirurgião de cabeça e pescoço no Brasil? Se você pretende se tornar esse profissional, é importante pensar sobre isso. Afinal, por esse parâmetro, será possível planejar o futuro, decidir em quais especializações apostar e organizar melhor as metas da carreira.

Além disso, avaliar questões salariais é também uma maneira de analisar como anda o mercado de trabalho no Brasil, especialmente se você deseja começar a atuar logo após finalizar a residência médica. Até porque, depois de tanto esforço e dedicação, alcançar a estabilidade financeira faz toda a diferença, não é mesmo?

Então, vamos lá! A seguir, a gente traz os principais cenários e valores para essa especialidade. Continue a leitura e descubra as possibilidades que você terá!

Quanto ganha um cirurgião de cabeça e pescoço no Brasil? Confira!
Quanto ganha um cirurgião de cabeça e pescoço no Brasil? Confira!

Afinal, quanto ganha um cirurgião de cabeça e pescoço no Brasil?

Para trazer uma média de quanto ganha um cirurgião de cabeça e pescoço no Brasil, é fundamental ter uma fonte confiável. Nesse caso, os dados coletados partiram do site Salario.com.br.

Segundo pesquisas realizadas por lá, hoje esse profissional tira, aproximadamente, R$ 5.139,64 em uma jornada de 28 horas de trabalho.

Esse valor parte do cálculo de que o salário médio para um cirurgião de cabeça e pescoço fica entre R$ 4.890,72 e o teto salarial de R$ 11.245,23, sendo que o piso salarial está em R$ 4.896,48.

O salário por hora de um profissional que trabalha em jornada de 24 horas semanais costuma ser de R$ 69,59. Quanto mais experiência o cirurgião tiver, mais esse valor pode aumentar. 

Se quiser ter uma ideia melhor sobre isso, considere o seguinte: um cirurgião de cabeça e pescoço júnior, ou seja, que tem acaba de iniciar sua carreira, ganha, em média, R$5.245,25. Enquanto isso, aquele que já tem um caminho sólido de atuação, tem um salário que pode chegar em média a R$ 7.127,60.

Vale lembrar que esses valores não incluem adicionais salariais. Por isso, pode haver variações para mais nos números, conforme o setor em que você atua ou o que o hospital oferece conforme sua experiência.

Além disso, você também pode aumentar seu salário na medida em que estuda mais e se atualiza. Portanto, procure fazer cursos, ir a eventos da área, se especializar em novos procedimentos, adotar o uso de novas tecnologias nas cirurgias e assim por diante.

Quais são os setores que mais contratam cirurgiões de cabeça e pescoço?

Saber quanto ganha um cirurgião de cabeça e pescoço no Brasil também depende de um olhar clínico aos setores que mais contratam. O que mais se destaca é o de atividades de atendimento hospitalar.

Em uma carga horária de 24 horas semanais, o piso salarial fica em R$ 7.955,50, enquanto a média chega a R$ 8.350,58, considerando o teto de R$ 12.619,64. Mas outros setores também têm uma boa parcela desse mercado.

É o caso das atividades de apoio à gestão de saúde. Na jornada de 20 horas semanais, o piso salarial da categoria é de R$ 2.007,70.

A média salarial, por sua vez, chega a R$ 2.107,40, com um teto de R$ 3.184,77. Duas excelentes oportunidades, não é mesmo?

Entretanto, vale lembrar que você ainda pode afunilar ainda mais seu foco. Afinal, tem a opção de trabalhar em redes municipais e estaduais, na rede pública ou particular, em hospitais ou grandes complexos de saúde. Tudo isso influencia bastante em seus ganhos, e você pode combinar várias atuações de acordo com a sua rotina.

Outra questão importante é que a região do país onde você trabalha também pode interferir em seu salário. Por exemplo: há uma grande carência do cirurgião de cabeça e pescoço em boa parte das regiões metropolitanas brasileiras, com exceção da grande São Paulo.

Isso porque, em outras cidades, as intervenções de pequeno e médio porte são de responsabilidade de um cirurgião geral. Sendo assim, a região Sudeste do Brasil pode parecer, de fato, mais atrativa em um primeiro momento.

Porém, pode ser interessante pensar na atuação inicial em centros menores. Eles são excelentes portas de entrada para construir uma carreira de muito sucesso.

A residência médica em Cirurgia de Cabeça e Pescoço

A residência médica em Cirurgia de Cabeça e Pescoço dura dois anos. No entanto, exige pré-requisito em Cirurgia Geral, que também tem a duração de outros dois anos.

As atividades do residente podem variar de acordo com o hospital e a instituição de ensino. Mas, normalmente, o primeiro ano inclui rotinas de enfermaria, sobreaviso em atendimentos de urgência, operações com anestesia local e de pequeno ou médio porte.

No segundo ano, o residente estará apto a realizar intervenções de médio e grande porte, em especial, nas operações de tumores e cirurgias de base de crânio. Será preciso muita preparação física e mental, porque as cirurgias podem durar até 6 horas.

Todas as operações e atendimentos são acompanhados de perto por preceptores e tutores. Antes de colocar a mão na massa, o residente passa por uma imersão intensa para trabalhar habilidades manuais e outros procedimentos importantes.

Para completar, ainda é preciso encarar algumas jornadas de plantão, à parte das 60 horas semanais de atividades. E, é claro, as atividades teóricas e científicas não ficam de fora.

Será necessário cumprir períodos em aula, reuniões para discussões de caso, participação em eventos e realização de pesquisas. É uma ótima maneira de complementar o currículo e estar em contato com profissionais renomados da área para absorver todo o possível quando se trata de experiência.

Pronto, agora você já sabe quanto ganha um cirurgião de cabeça e pescoço

Pra finalizar este texto, que tal só investir em um bom curso de R3 para turbinar sua preparação? Inscreva-se no Extensivo R3 de Clínica Médica para estudar com os melhores e ter acesso a materiais de qualidade ímpar que vão te ajudar a ter resultados incríveis nas provas!

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram
DjonMachado

Djon Machado

Catarinense e médico desde 2015, Djon é formado pela UFSC, fez residência em Clínica Médica na Unicamp e faz parte do time de Medicina Preventiva da Medway. É fissurado por didática e pela criação de novas formas de enxergar a medicina.