Carregando

Acidente com material perfurocortante: como é o protocolo?

Alguma vez você presenciou um profissional da saúde que se acidentou com material perfurocortante? Vários procedimentos apresentam esse risco de acidente, como sutura, inserção de acesso venoso, incisões cirúrgicas e aplicação de medicamentos injetáveis. Você sabe o que fazer quando ocorre um acidente desse tipo? No post de hoje, vamos falar um pouco sobre acidente com material perfurocortante e como é protocolo nesses casos. 

Antes de tudo, como é um acidente com material perfurocortante?

De acordo com a Portaria nº 1.748/2011, os materiais perfurocortantes “são aqueles utilizados na assistência à saúde, que têm ponta ou gume, ou que possam perfurar ou cortar”, como por exemplo, agulhas e lâminas de bisturi. Um acidente com perfurocortante provoca uma exposição percutânea (ou seja, atravessa a pele), podendo expor o acidentado a um material biológico (como o sangue), que apresenta capacidade de carregar consigo vários tipos de patógenos. Os três mais envolvidos nesse tipo de acidente são HIV, hepatite B (HBV) e hepatite C (HCV)

Anualmente, no mundo, estima-se que cerca de dois milhões de profissionais da saúde apresentam exposição ocupacional a materiais perfurocortantes. Essa quantidade de exposição acarreta em torno de de mil casos de HIV, 16 mil casos de hepatite C e 66 mil casos de hepatite B. No Brasil, não há dados oficiais sobre o número de acidentes com materiais perfurocortantes.

Certo, e qual é a chance de transmissão dessas doenças?

O risco de transmissão de algum patógeno, após um acidente com material perfurocortante, depende de vários fatores. O primeiro é o próprio patógeno. No caso do HIV, o risco estimado após acidente por material perfurocortante contaminado é em torno de 0,23%. No HCV, estima-se o risco em cerca de 1,8%. Já na HBV, depende da pessoa-fonte estar em período de replicação viral. Caso esteja, o risco é de 22-31% da pessoa exposta (acidentada) desenvolver hepatite clínica e de 37-62% para conversão sorológica de infecção. Se não estiver em fase replicante, o risco é de 1-6% para a hepatite clínica e de 23-37% para soroconversão.

Outros fatores que aumentam o risco de transmissão são o volume/tipo de material biológico e a quantidade de inoculação viral. Um maior volume está relacionado a lesões profundas, agulha de grosso calibre/com lúmen, sangue visível no perfurocortante e veia/artéria como sítio prévio no paciente-fonte. Quanto ao material biológico, o sangue é o principal veículo para transmissão do HIV, HBV e HCV, porém diversos outros materiais apresentam essa capacidade, estando eles descritos na tabela abaixo. Já a inoculação viral depende das condições clínicas da pessoa-fonte (alta carga viral causa uma maior inoculação) e do tipo de patógeno (exemplificado anteriormente) 

Materiais biológicos com riscos de transmissão



HIV
Sangue Sêmen Secreção vaginal Líquor Líquido amniótico e sinovial.Líquidos de serosas (pleural, peritoneal e pericárdico) 



HBV
Sangue Sêmen Secreção vaginalLíquorLíquido sinovialLavados nasofaríngeosSaliva
HCVSangue (predominantemente)

Como devo conduzir um paciente que sofreu um acidente com material perfurocortante?

A profilaxia pós exposição (PEP) é a primeira coisa que vem à cabeça, mas não podemos esquecer que a conduta imediata é o cuidado com a área exposta. Deve-se realizar uma lavagem exaustiva do local, com água e sabão, sendo o uso de soluções anti-sépticas degermantes uma opção adicional ao sabão. Não há evidência de que a expressão local reduza o risco de transmissão. Está contra-indicado procedimentos que aumentem a área exposta (como cortes e injeções locais) e o uso de soluções irritantes (como éter e hipoclorito de sódio).

Após, devemos avaliar o acidente quanto ao potencial de transmissão de HIV, HBV e HCV. Isso é visto através do tipo de exposição, volume/tipo de material biológico, status sorológico da fonte (se possível) e status sorológico/susceptibilidade do exposto. A profilaxia dependerá do conjunto dessas informações, além do tempo transcorrido desde a exposição.

O acidente perfurocortante já se enquadra como um tipo de exposição com potencial transmissão. O volume/tipo de material biológico deve ser avaliado em cada caso, como explicado anteriormente. Se o material biológico não tiver risco potencial de transmissão dessas doenças, realiza-se apenas os cuidados locais da ferida. O tempo transcorrido após a exposição deve sempre ser perguntado, pois é um dos determinantes para início da profilaxia, sendo de até 72 horas para iniciar a profilaxia do HIV e até 7 dias para da HBV (no caso de exposição percutânea). Para avaliação do status sorológico, é realizado teste rápido de HIV (detecta o anti-HIV), HCV (detecta o anti-HCV) e HBV (detecta o HBsAg) na pessoa exposta, além de verificar o status vacinal para HBV, necessitando da comprovação de imunidade através do anti-HBs. Se possível, a pessoa-fonte também deve realizar os mesmo testes rápidos, sem condicionar ou retardar o atendimento do acidentado à presença da fonte.

E quanto à PEP, quando e como deve ser feita?

Como dito anteriormente, isso será definido com base nos dados clínicos colhidos anteriormente. Abaixo, seguem os fluxogramas para avaliação de profilaxia e acompanhamento, já considerando um acidente com perfurocortante contaminado com material biológico de risco para o HIV, HBV e HCV. Lembrando que não há profilaxia para o HCV (apenas o acompanhamento) e que se o material biológico não for de risco, não há necessidade de PEP e/ou acompanhamento.

Figura 1: Fluxograma para indicação de PEP e acompanhamento do HIV (no caso de acidente com perfurocortante contaminado com material biológico de risco). Fonte: Adaptado de ministério da saúde (2021) e TelessaúdeRS-UFRGS (2021)
1PEP e acompanhamento poderá ser indicada se a pessoa-fonte tiver história de exposição de risco nos últimos 30 dias, devido a janela imunológica

O esquema preferencial da profilaxia para o HIV é feito com antirretrovirais (ARV), sendo eles o Tenofovir (TDF)/Lamivudina (3TC) e Dolutegravir (DTG), na dose de 01 comprimido coformulado de TDF/3TC 300mg/300mg, uma vez ao dia, associado a 01 comprimido DTG 50mg, também uma vez ao dia. A duração total da profilaxia é de 28 dias. As contraindicações, esquemas alternativos e situações especiais podem ser consultadas nesta página do Ministério da Saúde. Quanto ao acompanhamento, é importante explicar sobre efeitos colaterais, medidas de prevenção à infecção do HIV, além do monitoramento de sinais e sintomas de quadro agudo. Os exames laboratoriais são os descritos no fluxograma acima.

Figura 2: Fluxograma para indicação de PEP e acompanhamento do HBV (no caso de acidente com perfurocortante contaminado com material biológico de risco). Fonte: Adaptado de ministério da saúde (2021) e TelessaúdeRS-UFRGS (2021)
1Depende da situação vacinal. Não vacinado: iniciar vacinação, completando esquema com 3 doses; Vacinação incompleta: completar esquema (3 doses). Vacinação completa, sem resposta adequada: depende da indicação de IGHAB. Se indicado, realizar apenas a primeira dose da segunda série vacinal, se não indicado a IGHAB, iniciar segunda série de vacinação (mais 3 doses). Vacinação completa, com duas séries de três doses da vacina, sem resposta adequada: não realizar nova vacinação. Caso fonte reagente ou desconhecida, fazer duas doses de IGHAB, se indicado, com intervalo de um mês entre as doses.
2IGHAB em casos que o paciente-fonte tiver sorologia desconhecida, mas alto risco de hepatite B crônica como nos seguintes casos: usuários de drogas injetáveis; pacientes em programas de diálise; contatos domiciliares e sexuais de portadores de HBsAg; pessoas que fazem sexo com pessoas do mesmo sexo; heterossexuais com vários parceiros e relações sexuais desprotegidas; história prévia de doenças sexualmente transmissíveis; pacientes provenientes de áreas geográficas de alta endemicidade para hepatite B; indivíduos privados de liberdade e de instituições de atendimento a pacientes com deficiência mental.

A profilaxia do HBV pode envolver a vacina contra a hepatite B e a Imunoglobulina Hiperimune contra Hepatite B (IGHAB). Se indicada, a vacina deve ser administrada, de preferência, no momento do primeiro atendimento ou nas primeiras 24 horas da exposição. Já a IGHAB, nos casos de acidente com perfurocortante, pode ser realizada até 7 dias da exposição, de preferência nas primeiras 48 horas. É realizada uma dose única de 0,06mL/kg, IM, em extremidade diferente da que recebeu a vacina para hepatite B. Caso a dose da ultrapasse 5mL, dividir a aplicação em duas áreas corporais diferentes. O acompanhamento laboratorial está descrito no fluxograma.

Figura 3: Fluxograma para acompanhamento do HCV (no caso de acidente com perfurocortante contaminado com material biológico de risco) Fonte: Adaptado de ministério da saúde (2021) e TelessaúdeRS-UFRGS (2021)

Quanto à hepatite C, não há profilaxia. Deve-se realizar o acompanhamento, para que, caso venha a ocorrer o desenvolvimento da doença, seja feito um diagnóstico oportuno. O tratamento antiviral é muito eficaz e, quando realizado no início da doença, evita complicações mais graves. 

E aí, aprendeu como é o protocolo de um acidente com material perfurocortante?

Resumindo, é preciso avaliar se o material biológico é um potencial transmissores dessas doenças. Caso seja, será necessário verificar o status sorológico do paciente exposto e, se possível, o paciente-fonte, definindo se é o caso ou não de iniciar a profilaxia. O acompanhamento dependerá dessa etapa anterior. Agora, se o material biológico não for de risco, não se faz a PEP/acompanhamento.

Mas é isso! Agora que você está mais informado sobre o protocolo de acidente com material perfurocortante, confira mais conteúdos de Medicina de Emergência, dá uma passada na Academia Medway. Por lá disponibilizamos diversos e-books e minicursos completamente gratuitos! Por exemplo, o nosso e-book ECG Sem Mistérios ou o nosso minicurso Semana da Emergência são ótimas  opções pra você estar preparado para qualquer plantão no país.

Caso você queira estar completamente preparado para lidar com a Sala de Emergência, temos uma outra dica que pode te interessar. No nosso curso PSMedway, através de aulas teóricas, interativas e simulações realísticas, ensinamos como conduzir as patologias mais graves dentro do departamento de emergência!

E de quebra ao final do curso você recebe um certificado de conclusão, aprovando que você está apto para qualquer situação de urgência no plantão! Não é demais? Então não perde tempo e se inscreva já!

Pra cima!

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram

É médico e quer contribuir para o blog da Medway?

Cadastre-se
RafaelCarvalho Almada Melo

Rafael Carvalho Almada Melo

Nascido em Teresina em 1991, formado pela Universidade de Brasília (UnB) em 2018, com residência em Medicina de Família e Comunidade pela Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis, concluída em 2021. Por um cuidado humano e baseado em evidências.