Carregando

Apendicectomia videolaparoscópica: o que você precisa saber

Mais um texto sobre Cirurgia aqui na Medway e, finalmente, vamos relembrar como tratar, por videocirurgia, uma das principais causas de abdome agudo: a apendicite aguda. Essa doença é, de modo usual, atendida primeiramente pelo médico do PS, que precisa suspeitar, confirmar o diagnóstico e fazer o passo inicial do tratamento. Só assim, então, ele poderá chamar o colega cirurgião, que domina a técnica da apendicectomia videolaparoscópica.

Técnica cirúrgica laparoscópica

Primeiros passos da apendicectomia videolaparoscópica

O posicionamento deve ser feito da seguinte maneira: 

  • paciente posição supina com o braço esquerdo rente ao corpo; 
  • torre de vídeo do lado direito do paciente; 
  • cirurgião e auxiliar do lado esquerdo do paciente.

No que toca a posição dos trocárteres, existe uma variedade de combinações possíveis para as punções, mas todas seguem o princípio de triangulação, sendo o apêndice cecal o ápice do triângulo. Apesar de vários casos descritos utilizando single-port (portal único), a literatura sugere a técnica de 3 portais pela superioridade no tempo operatório, incidência de infecção de ferida operatória e quantidade de anestésico necessário.

Confira os primeiros passos da apendicectomia!
Posicionamento da torre de vídeo, cirurgião, auxiliar e instrumentador.
Fonte: https://www.scielo.br/j/abcd/a/g7HcXWTXZB5BcPRs7YbMKcR/?lang=en#ModalFigf01

Deve haver a preensão do apêndice ileocecal com a pinça de apreensão introduzida pela fossa ilíaca direita.

Com o gancho, no trocarte da fossa ilíaca esquerda, isola-se o apêndice de seu meso a partir de sua extremidade rente ao apêndice para cauterizar ramos terminais da artéria apendicular, progressivamente, até a base, e o ceco próximo ao apêndice é liberado dos apêndices epiplóicos que se localizem na vizinhança. 

Como alternativa ao gancho, é possível utilizar clips laparoscópicos, pinças de energia como o bisturi ultrassônico ou Ligasure (pinça bipolar laparoscópica). As desvantagens dessas opções alternativas, por sua vez, são: 

  • a necessidade de abordar a artéria apendicular e não os ramos terminais (maior risco de sangramento);
  • remanescente maior do mesoapêndice junto à peça cirúrgica (aumenta o volume a ser retirado, necessitando de endobag).
Agora, fique com os próximos passos da apendicectomia!
Início da dissecção anterógrada com eletrocautério.
Fonte: https://www.scielo.br/j/abcd/a/g7HcXWTXZB5BcPRs7YbMKcR/?lang=en#ModalFigf01

Próximos passos

Deve ocorrer sutura da base do apêndice com fio de algodão 2-0 agulhado de 20 cm de extensão, transfixando a serosa em dois pontos para melhor fixação da ligadura, sendo facultativa outra sutura mais distal para secção do apêndice entre as suturas, sem risco de extravasamento de seu conteúdo. 

No passo cirúrgico descrito acima, como alternativa às suturas, é possível utilizar um grampeador videolaparoscópico, que reduz o tempo cirúrgico, mas aumenta o custo do procedimento. Não há diferença no tempo de internação, complicações ou eventos adversos independente da técnica utilizada para ligadura do apêndice.

Adicionalmente, a secção do fio de sutura e o restante do fio agulhado permanecem na cavidade abdominal para futura realização da bolsa de invaginação do coto apendicular. 

Coloca-se em prática a preensão do apêndice próximo à base, através da pinça de apreensão introduzida, com redutor, no trocarte de 10 mm da fossa ilíaca esquerda, ou entre as duas suturas, quando a segunda sutura foi realizada.

Realiza-se a secção do apêndice com uso do gancho introduzido pela fossa ilíaca direita, entre a sutura da base e a da pinça de apreensão (ou entre as duas suturas realizadas), evitando-se extravasamento do conteúdo do apêndice. 

Confira mais algumas fotos acerca do assunto tratado!
Apêndice cecal com ligadura na base para secção.
Fonte: https://www.scielo.br/j/abcd/a/g7HcXWTXZB5BcPRs7YbMKcR/?lang=en#ModalFigf01

Dando continuidade ao procedimento da apendicectomia videolaparoscópica

Há a retirada do apêndice apreendido, tracionando a pinça de apreensão, imediatamente, após a secção para dentro do trocarte (Figura 4), sendo que, na maioria das vezes, o diâmetro do apêndice permite sua retirada tracionando-se a pinça e o redutor; sem o meso, mesmo bastante inflamado, dentro do trocarte de 10 mm.

Em seguida, o apêndice é tracionado e colocado dentro do trocarte de 10 mm.

Fique com os passos finais da apendicectomia!
Secção do apêndice cecal e retirada a peça pelo trocárter.
Fonte: https://www.scielo.br/j/abcd/a/g7HcXWTXZB5BcPRs7YbMKcR/?lang=en#ModalFigf01

Para finalizar

O trocarte de 10 mm é retirado da parede abdominal com o apêndice no seu interior e, após a sua saída, ele é novamente introduzido na parede abdominal, evitando-se, dessa maneira, o uso de sacos de extração que, além de aumentarem o custo do procedimento, exigem manobras para introdução do apêndice em seu interior, que podem demandar tempo e risco de contaminação da cavidade abdominal.

É efetuada a sutura em bolsa no ceco em torno do coto apendicular para seu sepultamento. Esse tempo cirúrgico também é divergente entre os cirurgiões. Estudos demonstram que a simples ligadura ou sepultamento do coto não demonstram diferenças nos resultados.

Sobre apendicectomia videolaparoscópica, é isso!

Surgiu alguma dúvida sobre apendicectomia videolaparoscópica ou quer fazer algum comentário? Deixe aqui embaixo, será um prazer responder vocês!

Confira mais conteúdos de Medicina de Emergência, dá uma passada lá na Academia Medway. Por lá disponibilizamos diversos e-books e minicursos completamente gratuitos! Por exemplo, o nosso e-book ECG Sem Mistérios ou o nosso minicurso Semana da Emergência são ótimas opções pra você estar preparado para qualquer plantão no país.

Caso você queira estar completamente preparado para lidar com a Sala de Emergência, temos uma outra dica que pode te interessar. No nosso curso PSMedway, através de aulas teóricas, interativas e simulações realísticas, ensinamos como conduzir as patologias mais graves dentro do departamento de emergência.

Até a próxima!

Referências

  1. https://emedicine.medscape.com/article/1582203-technique
  2. https://www.uptodate.com/contents/management-of-acute-appendicitis-in-adults?search=apendicectomia&source=search_result&selectedTitle=1~80&usage_type=default&display_rank=1#H579178234
  3. https://www.scielo.br/j/abcd/a/snCywngdgmvxtyWCDXBy9TD/?lang=pt
  4. https://wjes.biomedcentral.com/track/pdf/10.1186/s13017-020-00306-3.pdf
  5. https://www.scielo.br/j/abcd/a/g7HcXWTXZB5BcPRs7YbMKcR/?lang=pt#
  6. https://link.springer.com/chapter/10.1007/978-3-030-41350-7_23
  7. Laparotomia – Maria de Fátima G S Tazima1 , Yvone A Morais V de Andrade Vicente1, Takachi Moriya2. Simpósio: FUNDAMENTOS EM CLÍNICA CIRÚRGICA – 3ª Parte Capítulo III. Medicina (Ribeirão Preto) 2011;44(1): 33-8. https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/47320
  8. http://www.southsudanmedicaljournal.com/archive/may-2016/open-appendicectomy.how-i-do-it.html
  9. http://www.ufrgs.br/blocodeensinofavet/ensino/tecnica-cirurgica/suturas-continuas
  10. https://surgmedia.com/common-suture-patterns-interrupted-continuous/
  11. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6065566/pdf/ceg-11-281.pdf
  12. Atlas of Gastrointestinal Surgery, Vol. 1 (Cameron, Atlas of Gastrointestinal Surgery) 2nd Edition
  13. Schwartz’s Principles of Surgery, 10th edition

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram

É médico e quer contribuir para o blog da Medway?

Cadastre-se