Carregando

Arboviroses: como fazer diagnóstico diferencial entre dengue, zika e chikungunya

Fala galerinha, tudo certo? Deixa eu te fazer uma pergunta: você já se viu em dúvida em relação a qual das arboviroses você está diante? Se sim, saiba que essa é uma das dúvidas mais recorrentes em consultório e pronto atendimento.

Fazer esse diagnóstico diferencial não é mesmo tão tranquilo! Pensando nisso, nesse post vamos explicar passo a passo como fazer diagnóstico diferencial entre as arboviroses: dengue, zika e chikungunya.

Bora lá?

As arboviroses 

A característica que une as arboviroses é a transmissão por vetores artrópodes (mosquitos e carrapatos). No caso de dengue, zika e chikungunya, acontece pelo mosquito Aedes aegypti. Esse mosquito tem alta capacidade adaptativa e atua de forma domiciliar, causando grande impacto na população urbana. O crescimento da população e a urbanização sem planejamento, associada ao desmatamento e alterações climáticas, contribuíram para a emergência acentuada das arboviroses. 

De forma geral, os arbovírus causam doenças febris exantemáticas, podendo também causar doenças no sistema nervoso central, doenças no sistema cardiovascular, e acometimento do sistema osteomuscular, com artralgia ou artrite. Dengue, Zika e Chikungunya são muito parecidos, e temos que ter em mente de que não é possível uma distinção segura apenas com base no quadro clínico. Além disso, não há tratamento específico, devendo a abordagem ser sindrômica

De qualquer forma, a doença com maior prevalência é a Dengue, bem como aquela com maior potencial de mortalidade. Por isso, o tratamento é feito com adoção de medidas para tratamento clínico da Dengue. Mas há alguns detalhes que podem nos ajudar a fazer o diferencial para o nosso paciente em alguns casos específicos e realizar abordagens diferenciadas.  

E não vamos esquecer também que diante de um quadro de arbovirose, outras síndromes exantemáticas febris devem ser suscitadas: rubéola, sarampo, escarlatina, eritema infeccioso, exantema súbito, infecção aguda pelo HIV, Mayaro. Além das doenças não infecciosas: farmacodermias, doença de Kawasaki, doença de Henoch-Schonlein. 

Agora sim, vamos falar sobre cada uma das arboviroses.

A dengue 

Para considerarmos um caso suspeito de dengue, a pessoa deve apresentar febre, usualmente entre 2 e 7 dias, e duas ou mais das seguintes manifestações: 

  • náusea/vômitos; 
  • exantema; 
  • mialgia/artralgia; 
  • cefaleia/dor retro-orbital; 
  • petéquias/prova do laço positiva; 
  • leucopenia.

Para as crianças, apenas um quadro febril agudo é suficiente para a suspeita, na ausência de sinais e sintomas indicativos de outra doença. 

Na dengue, a febre é frequentemente alta, e o exantema aparece em até 50% das vezes. Isso quer dizer que o exantema não é obrigatório para o diagnóstico de dengue e, quando, aparece ocorre de forma tardia, do 5º ao 7º dia. 

Trombocitopenia, cefaleia e mialgia acontecem em 70 a 100% dos casos, o que nos leva a considerarmos como fortes indicativos de dengue, se aparecerem juntos. 

Outro dado muito importante, é a baixa frequência de conjuntivite e artralgia (<10%).  Linfonodomegalias, edema articular e sintomas neurológicos são raros. 

Zika 

Para ser Zika, necessariamente deve haver exantema pruriginoso. O exantema aparece de forma súbita, não precedido por outros sintomas, ou no máximo após um dia de sintoma. Dessa forma, a suspeita de Zika é levantada, quando o exantema está associado a pelo menos um dos seguintes sintomas: 

  • Febre 
  • Conjuntivite 
  • Artralgia 
  • Edema articular 

Percebe como aqui muda? A Dengue pode vir ou não acompanhada de exantema, mas a Zika não. Portanto, um quadro suspeito de Dengue, sem exantema, praticamente exclui a suspeita de Zika (lembrando que na medicina e no amor, nem sempre e nem nunca)! 

Além disso, a febre na Zika não possui tanta importância, aparecendo por poucos dias e geralmente baixa. A conjuntivite é um sinal que chama atenção, se destacando em frequência quando comparado com outras arboviroses, em 70 a 100% dos casos. 

E um outro dado muito importante: a trombocitopenia não ocorre! Isso quer dizer, que se estamos diante de um quadro exantemático, com febre, conjuntivite, e trombocitopenia, não é Zika! 

Chikungunya 

Caso suspeito é considerado aquele com febre de início súbito com artrite ou artralgia de início agudo, não explicado por outras condições, com epidemiologia favorável. 

O grande diferencial da chikungunya é a artrite! Se apresenta como artrite de múltiplas articulações, bilateral e simétrica, mas pode haver assimetria, principalmente em relação à intensidade. A artrite e a artralgia se apresentam em fases bem definidas: aguda, subaguda e crônica (quando mais de 3 meses). A fase crônica pode acontecer em até 50% dos pacientes. 

A poliartralgia está presente de 70 a 100% dos casos. E olhe só: zika e dengue podem se apresentar com artralgia e edema articular. Porém, a inflamação da articulação, com hiperemia, calor local e rubor, ocorre apenas na chikungunya. Isso faz muita diferença no tratamento. 

Em um quadro clínico de arbovirose associado a artrite, podemos utilizar um anti-inflamatório na fase crônica, auxiliando na recuperação e preservação das articulações. O AINES não pode ser utilizado na fase aguda. Além disso, tratamento não farmacológico com crioterapia e fisioterapia auxiliam na recuperação.

Mas, cuidado: é mais provável uma doença comum com uma apresentação atípica, do que uma doença menos comum com uma apresentação típica! Por isso, não se pode excluir de cara a possibilidade de dengue, devendo ser instituído o tratamento para esta, até melhora do quadro clínico. 

A chikungunya apresenta febre de início tardio e alta (>38º), e exantema em até 50% dos casos, assim como na dengue. 

Alterações plaquetárias menos comuns, assim como as discrasias hemorrágicas, em menos de 10% dos casos. 

Outro aspecto que ajuda a diferenciar é a linfonodomegalia, presente na Zika, mas pouco comum na Dengue. 

Um resumão

Agora vamos trazer no quadro a seguir, um resumo de forma simplificada, objetiva e para guardar na cabeça: 

DengueSempre considerar o diagnóstico e tratar clinicamente como se fosse, nunca excluir frente outras manifestações atípicas e favoráveis a Zika e Chikungunya.
ZikaMuito prurido, conjuntivite, febre baixa ou ausente, exantema precoce
ChikungunyaArtrite, artrite e artrite! 

Para finalizar, não se esqueça dos diagnósticos diferenciais: sintomas respiratórios na vigência de sintomas semelhantes à dengue, deve sempre levantar a suspeita de síndrome gripal e, mais recentemente, a COVID. Durante a pandemia, não foram tão incomuns os quadros de dengue e COVID concomitantes. Se houver suspeita, trate os dois e realize o diagnóstico diferencial com as sorologias. 

Falando em sorologias, o diagnóstico definitivo das arboviroses se dá com exames laboratoriais, uma vez que a clínica não é 100% para Dengue, Zika ou Chikungunya. O diagnóstico mais comum e seguro é pela pesquisa do RNA viral, isolamento viral ou pesquisa de IgG/IgM. 

E aí? Agora ficou mais fácil tratar as arboviroses? Se você tiver mais curiosidade sobre o tratamento de formas graves, dê uma olhada no Guia de Vigilância em Saúde, que traz de forma bem completa cada uma das principais condições infecciosas no Brasil. 

Mais uma coisa: quer ver conteúdos 100% gratuitos de medicina de emergência? Confira a Academia Medway! Por lá, disponibilizamos diversos e-books e minicursos. Enquanto isso, que tal dar uma olhada no nosso Guia de Prescrições? Com ele, você vai estar muito mais preparado para atuar em qualquer sala de emergência do Brasil!

Pra quem quer acumular mais conhecimento ainda sobre a área, o PSMedway, nosso curso de Medicina de Emergência, pode ser uma boa opção. Lá, vamos te mostrar exatamente como é a atuação médica dentro da Sala de Emergência, então não perde tempo!

Pra cima, galera!

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram

É médico e quer contribuir para o blog da Medway?

Cadastre-se
PollyannaCristine Dias Ferreira

Pollyanna Cristine Dias Ferreira

Mineira, nascida em Uberlândia em 1994, Formada pela Universidade Federal de Uberlândia em 2017, com residência em Medicina de Família e Comunidade pela Universidade de São Paulo - Ribeirão Preto (USP-RP) com conclusão em 2019. Atualmente, atuando em USBF na cidade de Uberlândia. Por uma prática médica responsável e de qualidade.