Carregando

As instituições mais buscadas para fazer residência em Medicina de Família e Comunidade em SP

Quando o assunto é saúde pública, o médico especialista em Medicina de Família e Comunidade tem um papel essencial: atender, continuamente, homens e mulheres de todas as idades. Como? As áreas de atuação dentro dessa especialidade são muito amplas: além de trabalhar com resolução de problemas, a residência em Medicina de Família e Comunidade também tem um foco muito grande no trabalho de prevenção e reabilitação.

Já falamos um pouco sobre a atuação do médico da família e a importância da Estratégia de Saúde da Família (ESF) aqui no blog – vale a pena dar uma olhada, pois conhecer essa estrutura também é importante para mandar bem nas provas de residência médica.

Considerando a importância desse trabalho, claro que uma boa especialização é essencial né? Por isso, hoje vamos falar um pouco sobre as instituições mais buscadas quando o assunto é fazer residência em Medicina de Família e Comunidade em São Paulo. Quem sabe isso não te ajuda a decidir?

Antes de tudo, o que esperar da residência em Medicina de Família e Comunidade

O objetivo de uma residência em Medicina de Família e Comunidade é capacitar médicos a atuar na atenção primária à saúde. Isso inclui, entre diversas outras coisas, o desenvolvimento do contato inicial dos pacientes com o sistema de saúde, uma abordagem centrada na pessoa — junto à sua família e comunidade —, gerir problemas de saúde de indivíduos e comunidades e por aí vai.

Os médicos de família e comunidade compõem um grupo profissional importante para a estratégia de saúde pública no Brasil, especialmente por meio da Estratégia de Saúde da Família. A base na atenção primária ajuda a reduzir não apenas o agravamento de doenças e a ocupação dos serviços de saúde, mas também os custos gerados em tratamentos de fases avançadas dos problemas.

USP

Uma das instituições mais renomadas do país, a residência em Medicina de Família e Comunidade da USP é de acesso direto e tem duração de dois anos, nos quais o desenvolvimento da habilidade de comunicação é uma das principais prioridades do programa. O objetivo é preparar os melhores especialistas em consultas.

As atividades da residência acontecem, principalmente, no Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina da USP, mas alguns estágios da residência também rolam no Hospital Universitário (HU). É uma trajetória bem rica em termos de experiência. Entre os estágios maiores, os residentes têm Clínica no HU, Ginecologia e Obstetrícia, Pediatria, Saúde Mental. Já entre os estágios menores, algumas áreas vivenciadas são a Dermatologia, ECG, Infectologia, Gestão e Pequenas Cirurgias.

Residência em medicina de família e comunidade
Vista aérea do HC da FMUSP (Créditos: USP/Reprodução)

Claro que não dá pra contar em detalhes como é o dia a dia dessa especialização em um parágrafo só, então se você quiser conhecer mais a fundo o cotidiano da residência em Medicina de Família e Comunidade da USP, dá uma conferida na entrevista que a gente fez com o Henrique, R2 do programa!

Nos últimos anos, temos visto uma tendência no aumento de vagas pra essa especialização, de forma geral. A USP, em específico, no processo seletivo com entrada em 2020 ofertou 10 vagas. A relação candidato/vaga foi razoável, com 7 inscritos disputando cada uma.

Se quiser uma ajuda pra chegar na prova preparado, relaxa que a gente te dá uma mão! Dá uma lida no nosso novo Guia Estatístico, com os cinco temas e assuntos que mais caem em cada grande área na prova da USP, com base em uma análise das provas dos últimos anos! Caso queira uma visão completa de como é a prova, então dá uma olhada no nosso post em que contamos tudo que você precisa saber sobre a prova da USP.

E pra não perder o embalo, temos que mencionar o nosso Guia Definitivo da USP-SP! Nele falamos tudo sobre o complexo hospitalar da FMUSP, a preparação para a residência médica e a vida de quem já é residente, então vale a pena a leitura se seu desejo é fazer residência em Medicina de Família e Comunidade por lá!

Ah, se você quer saber ainda mais sobre o assunto do texto, é bom dar uma olhada no podcast Finalmente Residente. Nele, recebemos convidados que falam sobre suas vivências nas mais variadas residências e instituições do país! O mais interessante nisso tudo é que você pode ouvir a voz da experiência e conhecer os principais aspectos dessa etapa por meio de quem vive (ou viveu) com afinco a vida de residente. O Lucas Padilha, por exemplo, contou um pouco pra gente sobre a residência em Medicina de Família e Comunidade na USP. Ele é fera, então, corre lá pra conferir!

Unicamp

Pra quem sonha com a residência em Medicina de Família, a Unicamp é outra instituição muito cogitada. E não é por menos! Fazendo a especialização por lá, os residentes têm a oportunidade de receber um ensino de ótima qualidade e ainda vivenciar o cotidiano do Hospital de Clínicas da universidade, onde são realizadas mais de 32 mil consultas por mês.

Fachada do Hospital de Clínicas da Unicamp (Créditos: Caius Lucilius/HC Unicamp)
Fachada do Hospital de Clínicas da Unicamp (Créditos: Caius Lucilius/HC Unicamp)

Além disso, o edital da Unicamp prevê uma bonificação para os que concluíram a residência em Medicina de Família e Comunidade, na forma de um bônus de 10% na nota da 1ª fase àqueles que optarem por prestar uma segunda residência na Unicamp.

Bom, a prova da Unicamp você já deve conhecer, e se ainda não está por dentro do que rola, sugiro dar uma olhadinha nesse artigo em que contamos tudo, direto ao ponto, sobre como é a prova da instituição, da prova teórica, passando pela prova prática, até a entrevista e a divulgação dos resultados!

No ano passado, a relação candidato vaga para a residência em Medicina de Família e Comunidade foi de 9, sendo que foram ofertadas 4 vagas. Portanto, pode esperar um número próximo desse pro processo seletivo deste ano também – mas não deixa isso te desanimar! Também temos o Guia Estatístico da Unicamp pra você conhecer melhor os focos que caem na prova.

Unifesp

Mais uma instituição localizada na capital, assim como a USP, vamos falar agora da Escola Paulista de Medicina (EPM), da Unifesp! A residência em Medicina de Família e Comunidade da Paulista tem uma rotina exigente, repleta de estudos e atividades no Hospital São Paulo, o maior hospital universitário do Brasil.

Fachada do Hospital São Paulo, local onde vai atuar quem ingressar na residência em Medicina de Família e Comunidade
Fachada do Hospital São Paulo (Créditos: Unifesp/Reprodução)

Assim como a Unicamp, a Unifesp também ofereceu 4 vagas no processo seletivo com entrada em 2020. A concorrência foi um pouco menor, com 5 candidatos a cada uma dessas vagas. Além disso, a Unifesp também fornece a bonificação de 10% na nota da 1ª fase pra quem se formar em Medicina de Família e Comunidade!

Já falamos aqui no blog tudo o que você precisa saber sobre a prova da Unifesp, e também montamos um outro Guia Estatístico pra você. Dá uma olhada! Se você já tá treinado pra prova, então vale a pena dar uma lida no nosso Guia Definitivo da Unifesp, que aí, além de tudo, você fica sabendo mais sobre o complexo da Unifesp e sobre vários outros temas importantes pra quem quer ser residente lá!

Só mais uma observação sobre a prova da Unifesp: tradicionalmente, na segunda fase, os candidatos fazem uma prova multimídia, além da prova prática de habilidades (que não sabemos se será mantida no acesso direto para 2021)! Mas calma, já passamos por isso e contamos todos os segredos desse tipo de exame no nosso Minicurso de Prova Multimídia – são 3 aulas 100% online e 100% gratuitas!

SUS-SP

Reconhecido como o mais amplo processo seletivo de residência médica do Brasil, o SUS-SP é, de longe, o mais concorrido entre os seis deste artigo: no processo seletivo 2019, foram oferecidas apenas 2 vagas para a residência em Medicina de Família e Comunidade, com 33 candidatos concorrendo a cada uma delas.

Novamente, isso não é surpresa. Como mencionamos, o especialista em Medicina de Família desempenha um papel essencial no campo da saúde pública e, pra muitos, o SUS é uma oportunidade de se aproximar dessa realidade. Outro ponto de destaque é que os aprovados no processo seletivo podem escolher o hospital em que vão realizar a residência. São cerca de 50 instituições, e algumas são bem concorridas, então é bom fazer a escolha com cuidado!

E se isso já não era suficiente, o SUS-SP também oferece a bonificação de 10% na nota da prova pra quem concluiu a residência em Medicina de Família e Comunidade. Pra muitos, isso tem um peso ainda maior considerando a instituição, pois a prova do SUS-SP é diferente da de outras instituições: conta com apenas uma fase, um teste de múltipla escolha com 100 questões. 

Unesp

É claro que não podíamos deixar de fora a residência em Medicina de Família e Comunidade da Unesp que, como muita gente já sabe, tem seu complexo hospitalar localizado na cidade de Botucatu. Lá, a instituição garante assistência a cerca de 2 milhões de pessoas!

Hospital Estadual Botucatu, um dos mais importantes componentes do complexo hospitalar da Unesp.
O Hospital Estadual Botucatu (HEBo), componente do complexo hospitalar da Unesp (Créditos: Unesp/Reprodução)

O Hospital das Clínicas de Botucatu é o componente mais conhecido desse complexo, mas apenas uma parte dele. Além do HC, há também o Hospital Estadual Botucatu (HEBo), além do Serviço de Atenção e Referência em Álcool e Drogas (SARAD) e de dois prontos-socorros, um adulto e um infantil.

Em termos de concorrência, a Unesp acabou sendo um caso peculiar no processo seletivo 2019-2020. Ofereceu somente uma vaga – e até aí tudo bem –, mas, segundo o edital, teve somente um candidato, gerando uma peculiar relação candidato/vaga de 1!

Apesar disso, é claro que não podemos garantir que algo assim se repita esse ano, então fica atento e não deixe de se preparar! Vale lembrar, ainda, que a Unesp fornece a mesma bonificação que já mencionamos nas partes sobre a Unicamp, Unifesp e o SUS-SP.

Albert Einstein

O Hospital Israelita Albert Einstein e sua residência em Medicina e Família e Comunidade fecham nossa lista.

Para quem optar por se especializar por lá, vai ser importante se familiarizar com as Unidades Básicas de Saúde (UBS), onde está concentrada a maior parte das atividades da residência em Medicina de Família. As atividades são organizadas de maneira que o residente desempenhe todas as funções do médico de família no dia a dia, englobando consultas clínicas agendadas e sem agendamento prévio, visitas domiciliares e procedimentos ambulatoriais.

Na grade de atividades, os residentes possuem sessões clínicas pra discussão das principais condições agudas e crônicas na atenção primária à saúde, além de período de atividade teórica semanal. Vale ressaltar, ainda, os estágios realizados ao longo da especialização nas áreas complementares à Medicina de Família, como Serviço de Emergência adulto e infantil, Serviço de Saúde Mental adulto e infantil, Ambulatório de Pré-Natal de Alto Risco e Serviço de Emergência em Ginecologia e Obstetrícia.

Entre os seus diferenciais, a instituição também inclui a ênfase no aprimoramento das competências de comunicação, tanto no cuidado ao paciente e sua família, como no trabalho em equipe.

Apesar de não publicar dados sobre a relação candidato/vaga de suas residências, é bom lembrar que estamos falando das instituições mais procuradas por vocês! Portanto, pode ter certeza que teve bastante gente desejando uma das 4 vagas ofertadas pela instituição no processo seletivo 2019-2020 – até porque, assim como as outras instituições, o Hospital Israelita Albert Einstein também oferece a bonificação de 10% na nota da primeira fase a quem concluiu o programa!

Curtiu o papo sobre residência me Medicina da Família e Comunidade?

A gente tá ligado que, com tantas instituições de prestígio e variáveis em jogo, não é fácil decidir onde fazer sua residência em Medicina de Família e Comunidade em São Paulo. Mas esperamos que, falando um pouco das mais procuradas, a gente consiga te ajudar com todo esse processo.

Não deixe de acompanhar o nosso blog, pois já começamos a publicar vários artigos sobre os diferentes programas de residência médica e as provas de residência das principais instituições de São Paulo.

Ficou alguma dúvida? Fala pra gente! Deixe aqui nos comentários que a gente responde! 

Bons estudos!

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram
JoãoVitor

João Vitor

Capixaba, nascido em 90. Graduado pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) e com formação em Clínica Médica pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HC-FMUSP) e Administração em Saúde pelo Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE). Apaixonado por aprender e ensinar.