As instituições mais buscadas para fazer residência em Oftalmologia em SP

Todo mundo sabe que a visão tem um impacto gigante nas nossas vidas, e por isso, bons médicos oftalmologistas são essenciais. Então se é seu desejo se destacar nessa área, uma boa especialização é fundamental pra sua carreira médica, e uma ótima residência em Oftalmologia é o caminho para isso. Que tal trilhar essa jornada em São Paulo?

Esse artigo foi feito especialmente para você que pensa em um futuro como médico oftalmologista, mas ainda não sabe onde se especializar. Vamos falar sobre as 6 instituições mais buscadas, segundo o Google, para fazer residência em Oftalmologia em São Paulo.

Esperamos que, ouvindo um pouco sobre cada uma, fique mais fácil tomar essa decisão que vai fazer toda a diferença no seu futuro. Vamo lá?

Unifesp

A EPM (Escola Paulista de Medicina), da Unifesp, é a mais tradicional escola de medicina de São Paulo. E toda essa tradição se reflete na qualidade do ensino: a residência em Oftalmologia lá, com três anos de duração, tem uma rotina de estudos e atividades no Hospital São Paulo, o maior hospital universitário do Brasil. Lá você convive com tecnologias médicas de ponta e é cobrado constantemente, sob supervisão do corpo docente, para ser um médico de destaque! No nosso Guia Definitivo da Unifesp, você fica sabendo mais sobre o complexo da Unifesp e sobre vários outros temas importantes pra quem quer ser residente lá – vale a pena dar uma olhada!

Fachada do Hospital São Paulo, onde você vai trabalhar durante a residência em Oftalmologia da Unifesp
Fachada do Hospital São Paulo (Créditos: Unifesp/Reprodução)

Além disso, a residência em Oftalmologia da Unifesp oferece, ainda, um quarto ano opcional àqueles que desejam ampliar sua especialização em Transplante de Córnea.

Quer saber mais sobre a rotina? Então confere a entrevista que fizemos com a Julia H., a Júlia C. e o Lucas, que fazem residência em Oftalmologia na Unifesp. Elas contaram tudo pra gente sobre como os principais estágios, o foco na parte teórica e acadêmica e vários outros aspectos que você precisa levar em consideração antes de se decidir.

Mas como nem tudo são flores, a gente precisa te lembrar que não é fácil chegar lá! No processo seletivo 2019/2020, foram oferecidas 10 vagas, com uma relação candidato/vaga de 21.

Está pronto pra enfrentar essa concorrência toda? A gente te ajuda com isso! Já falamos aqui no blog tudo o que você precisa saber sobre a prova da Unifesp, e também montamos um Guia Estatístico com os 6 focos que mais caíram na prova de residência da Unifesp nos últimos 5 anos. Dá uma olhada!

Mais um lembrete de amigo sobre a prova da Unifesp: historicamente, na segunda fase, além de uma prova prática de habilidades (que não sabemos se vai ser mantida no acesso direto para 2021), os candidatos também fazem uma prova multimídia! Mas calma, a gente já passou por isso e contou todos os segredos desse tipo de prova no nosso Minicurso de Prova Multimídia – são 3 aulas 100% online e 100% gratuitas!

USP

Assim como a da Unifesp, a residência em Oftalmologia da USP é exigente, tem duração de três anos e é de acesso direto. O foco é a assistência clínica e cirúrgica aos pacientes em todas as áreas da Oftalmologia.

As atividades da residência em Oftalmologia na USP acontecem, principalmente, no Hospital das Clínicas da FMUSP; mais especificamente, no Departamento de Oftalmologia, que conta com três centros cirúrgicos. Além disso, os residentes também têm atividades nos ambulatórios geral e de especialidades.

Vista aérea do Hospital das Clínicas da FMUSP
Vista aérea do Hospital das Clínicas da FMUSP (Créditos: USP/Reprodução)

Se quiser saber em primeira mão tudo sobre o dia a dia da residência em Oftalmologia da USP, dá uma olhada nessa outra entrevista que fizemos com um R2 e um R3 do programa! No nosso Guia Definitivo da USP-SP também falamos tudo sobre o Complexo Hospitalar da FMUSP, a preparação para a residência médica e a vida de quem já é residente, então vale a pena a leitura se seu desejo é fazer residência em Oftalmologia lá!

Em termos de concorrência, a USP também não difere muito da Unifesp. No processo seletivo mais recente, de 2020, foram oferecidas 14 vagas, com cerca de 19 candidatos concorrendo a cada uma.

Nesse caso, nós também podemos te ajudar a se preparar: assim como fizemos com a Unifesp, também preparamos um Guia Estatístico da USP, e você pode ter uma visão completa de como é a prova aqui no nosso blog, em um artigo que conta tudo que você precisa saber a prova da USP.

IAMSPE

Em termos de concorrência, a residência em Oftalmologia do IAMSPE lidera: do total de 8 vagas, o último processo seletivo apresentou uma relação candidato/vaga de 35, a maior da nossa lista.

Vista aérea do IAMSPE
Vista aérea do IAMSPE (Créditos: IAMSPE/Reprodução)

O treinamento em serviço da residência em Oftalmologia do IAMSPE é centralizado em um único hospital – e nem por isso deixa a desejar. Pacientes em tratamento recebem atendimento no Hospital do Servidor Público Estadual (HSPE), onde também são oferecidos diagnóstico, tratamento e cirurgias de doenças de alta complexidade como glaucoma, desvio de retina, catarata, retinopatias, vitrectomias e outras doenças do nervo óptico.

A prova do IAMSPE, no entanto, apresenta uma diferença importante: conta com um processo seletivo dividido em 3 etapas (teórica, prática e entrevista), mas a prova “prática” é, na verdade, uma prova de multimídia. Mais uma razão pra assistir o nosso Minicurso de Prova Multimídia, hein? E se quiser saber mais sobre todas as etapas da prova do IAMSPE, recomendamos o nosso artigo em que contamos tudo o que você precisa saber – direto ao ponto!

Unicamp

A Unicamp é outra opção muito procurada por quem sonha com a residência em Oftalmologia. A relação candidato/vaga tá aí pra provar: 24 candidatos pra cada uma das 10 vagas oferecidas no processo seletivo 2020.

Hospital de Clínicas. um dos locais onde quem passar na residência em Oftalmologia da Unicamp pode adquirir experiência
Fachada do Hospital de Clínicas da Unicamp (Créditos: Caius Lucilius/HC Unicamp)

Motivos não faltam: além da ótima qualidade de ensino, o complexo hospitalar da Unicamp é muito rico em experiências. Dentro dele, os residentes têm a oportunidade de adquirir, ao longo dos três anos da residência em Oftalmologia, experiência no Hospital de Clínicas da universidade, dentro do Departamento de Oftalmologia e Otorrinolaringologia, e no Centro Oftalmológico do Hospital Estadual Sumaré (HES).

A prova mantém a estrutura de 3 fases, com a 1ª fase sendo uma prova dividida em dois períodos, a 2ª uma prova prática e a 3ª uma análise de currículo, também chamada de entrevista. Mas fique atento, pois pode ser que algumas fases sejam modificadas para o processo seletivo 2021 em função da pandemia de Covid-19!

Em todo caso, não se esqueça de dar uma olhada no nosso texto com tudo que você precisa saber sobre a prova da Unicamp. E também tem Guia Estatístico da Unicamp contando os seis focos que mais caíram na prova nos últimos cinco anos!

Unesp

Entre as instituições públicas, é claro que não podemos esquecer da Unesp. Entre as instituições mais procuradas para a residência em Oftalmologia, a Unesp tem uma concorrência similar às da USP e Unifesp, tendo apresentado cerca de 20 candidatos para cada uma das 6 vagas oferecidas no processo seletivo 2019-2020.

Hospital Estadual Botucatu, um dos mais importantes componentes do complexo hospitalar da Unesp
O Hospital Estadual Botucatu (HEBo), da Unesp (Créditos: Unesp/Reprodução)

Para quem for aprovado, a cidade de Botucatu vai se tornar sua nova casa, pois é lá que fica o complexo hospitalar da universidade.

Quem faz residência em Oftalmologia lá geralmente fica bem familiarizado com alguns componentes desse complexo, principalmente o Hospital Estadual Botucatu (HEB) e o Hospital das Clínicas (HC), onde fica o Departamento de Oftalmologia, Otorrinolaringologia e Cirurgia da Cabeça e Pescoço (OFT/ORL/CCP). A Oftalmologia da Unesp também conta com uma unidade de triagem, onde atende a 40 fichas por dia e oferece suporte à demanda específica dos prontos-socorros adulto e infantil.

SUS-SP

Por fim: a residência em Oftalmologia do SUS-SP!

Apesar de ter ficado mais pro fim da lista, não se deixe enganar: o processo seletivo do SUS-SP é o maior do Brasil e, tratando da residência em Oftalmologia, o mais concorrido entre os seis que mencionamos: a instituição ofereceu, no processo seletivo 2019, 14 vagas, com uma considerável relação candidato/vaga de 47.

Outro ponto de destaque é a prova do SUS-SP, que é diferente da de outras instituições por contar com apenas uma fase: um teste de múltipla escolha, com 100 questões. 

Também é importante notar que os aprovados no processo seletivo podem escolher o hospital em que vão realizar a residência. São cerca de 50 instituições, e algumas são bem concorridas, então é bom fazer a escolha com cuidado!

Fique de olho aqui no blog, pois em breve vamos trazer mais detalhes sobre essa prova!

É isso!

Sabemos que não é fácil decidir onde fazer sua residência em Oftalmologia em São Paulo com tantas instituições de prestígio e variáveis em jogo. Mas esperamos que, falando um pouco das mais procuradas, a gente tenha conseguido te ajudar com todo esse processo.

Aproveite para descobrir também quanto ganha o oftalmologista e quais são as subespecialidades oftalmológicas! E não deixa de acompanhar o nosso blog, pois já começamos a publicar vários artigos sobre os diferentes programas de residência médica e as provas de residência das principais instituições de São Paulo.

Aliás, vale lembrar: várias das instituições de SP, como a Unifesp e o IAMSPE, que citamos aqui, têm um componente especial no processo seletivo, que é a prova multimídia. Você está preparado para isso? Tudo bem se não estiver! Inscreva-se no nosso Minicurso de Prova Multimídia, em que vamos contar o segredo por trás desse tipo de avaliação.

Ficou alguma dúvida? Fala pra gente! Deixe aqui nos comentários que a gente responde! 

Bons estudos!

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram
AlexandreRemor

Alexandre Remor

Nascido em 1991, em Florianópolis, formado pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) em 2015 e com Residência em Clínica Médica pelo Hospital das Clínicas da FMUSP (HC-FMUSP) e Residência em Administração em Saúde no Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE). Fanático por novos aprendizados, empreendedorismo e administração.