Cirurgia oftalmológica: práticas da residência em Oftalmologia

Esse texto é pra você que já faz a residência médica ou sonha em cursar Oftalmologia e está de olhos abertos, mirando ansiosamente o futuro da especialidade: a área de cirurgia oftalmológica! Pra você seguir com segurança por esse caminho e tirar suas dúvidas de uma vez por todas, vem com gente!

Mas antes de falarmos de cirurgia oftalmológica, saiba mais sobre a residência em Oftalmologia 

Pra começo de conversa, é bom saber que a Oftalmologia é uma especialidade médica super competitiva e com mercado de trabalho bem amplo. É a nona especialidade mais disputada e escolhida entre os candidatos aos programas de residência médica. Isso sem contar que a forte demanda de profissionais na área, principalmente nos grandes centros urbanos, faz com que cada vez mais médicos optem por esse caminho.

O ar promissor da especialidade tem fundamento, já que a residência em Oftalmologia é oferecida por dezenas de instituições públicas e particulares. E o melhor: é uma especialidade de acesso direto, ou seja, não exige que nenhuma outra residência seja feita anteriormente. Nos três anos de duração do programa, 60 horas semanais de treinamento em serviço e reuniões com a preceptoria são exigências tanto do Ministério da Educação (MEC) quanto do CBO (Conselho Brasileiro de Oftalmologia). Além disso, segundo as Características dos Cursos de Especialização e Programa Mínimo elaborado pelo Conselho, durante os 3 anos o residente deverá passar por 3.000 atendimentos clínicos e 150 atendimentos cirúrgicos.

Ao final do curso, o médico especialista vai poder atuar com consultas oftalmológicas que incluem avaliação de lentes e óculos, medida de pressão intraocular e exame de fundo de olho, além das cirurgias oftalmológicas, como cirurgia de catarata, de glaucoma, de retina, cirurgia refrativa, cirurgia do anel corneano, bem como transplantes de córnea e cirurgias plásticas que podem reduzir as deformidades e as anormalidades da área ocular, em especial das pálpebras, sistema lacrimal, na órbita e nas áreas da face anexa aos olhos.

Aproveitando que você está aqui, dá uma olhadinha em quanto ganha o oftalmologista!

Como é a prática de cirurgia oftalmológica na residência? 

E já que você está aqui na trilha do conhecimento sobre essa especialidade e viu que são muitas as possibilidades de atendimentos cirúrgicos depois de formado, olha só que bacana: ao escolher a Oftalmologia, você já pega mão em cirurgia, sabia? Tem muita prática desde o R1! A cirurgia oftalmológica é um dos procedimentos mais realizados nos estágios da residência médica em oftalmo. Confira abaixo como isso funciona em duas das mais importantes instituições do país!

USP-SP

Na USP-SP (Universidade de São Paulo), por exemplo, os residentes do primeiro ano atuam na maior parte do tempo fazendo o gerenciamento e a organização da logística das cirurgias e podem operar ao final de alguns dias. Já os R2s auxiliam nas cirurgias e também podem operar cirurgias próprias depois de um tempo. Os R3s já botam a mão na massa e participam fazendo cirurgia oftalmológica nos dias agendados e, nos demais dias, todos os residentes estão nos ambulatórios das especialidades.

Hospital das Clínicas da FMUSP, onde são realizadas várias modalidades de cirurgia oftalmológica
Vista aérea do HC-FMUSP

Daí tem de tudo: retina, glaucoma, neuroftalmologia, estrabismo, córnea, uveítes, plástica ocular, orbitopatias, visão subnormal, catarata e lente de contato. Além disso, os residentes do primeiro e do segundo ano também atuam no Pronto-Socorro de Oftalmologia, mas são os R2s os responsáveis pelos plantões noturnos. Aproveita para dar uma olhada em como é a residência em oftalmologia lá na USP!

Unifesp

Na Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) não muda muita coisa não! Mas a cirurgia oftalmológica que é a menina dos olhos dos residentes do segundo ano é o bloco de cirurgia de catarata, uma vez que lá se aprende a fazer essa que é uma das cirurgias mais realizadas no país.

Hospital São Paulo, da Unifesp, onde também são realizadas várias modalidades de cirurgia oftalmológica
Fachada do Hospital São Paulo

Fora que, a partir do segundo ano, os residentes têm a oportunidade de fazer os estágios fora do Brasil, pois a instituição faz intercâmbio anual com Stanford, Harvard, Bascon-Palmer e Chicago. Uma excelente oportunidade de crescimento e aprendizado! Confere a nossa conversa com alguns alunos da Unifesp para ter uma ideia do dia a dia da residência em oftalmo por lá

Unicamp

Na Unicamp as coisas não são tão diferentes. Contudo, por lá o contato com a cirurgia começa já no primeiro ano. No R1 os residentes já vão ter contato com operação de pterígio, enucleação e evisceração. No R2 os estágios são similares, contudo, são introduzidas as tão aguardadas cirurgias de catarata. Ao chegar no R3, vem o aprimoramento e refinamento das técnicas, além da introdução de procedimentos novos.

Tudo isso você pode conferir com bem mais detalhes no nosso papo com os estudantes de Oftalmologia da Unicamp. Confere lá!

Agora sim, vamos às cirurgias oftalmológicas

O que faz mesmo brilhar o olho de quem busca a residência médica em oftalmologia é a ideia de fazer uma cirurgia oftalmológica! Então, vamos lá! Sabia que a oftalmologia é uma especialidade que envolve muita tecnologia? Isso porque os avanços tecnológicos na área acontecem de maneira muita rápida e constante! São dezenas de exames complementares existentes, realizados por aparelhos avançados pra auxiliar no diagnóstico das doenças oculares.

E com as cirurgias a coisa não é diferente! Muitas delas dependem de equipamentos modernos que aumentam a segurança e melhoram os resultados dos procedimentos. Isso vai demandar do médico muita dedicação e uma rotina de estudos constantes pra dar conta de acompanhar toda essa modernidade, que não para! Listamos algumas cirurgias oftalmológicas recorrentes, se liga!

Refrativa

Uma das modalidades mais conhecidas e realizadas entre as cirurgias oftalmológicas é a cirurgia refrativa. Todas as pessoas que usam óculos de grau, ou seja, que sofrem de vícios de refração, como miopia, hipermetropia e astigmatismo, podem fazer essa cirurgia. As principais técnicas cirúrgicas que são empregadas nesses casos são a LASIK e PRK – ambas consistem em aplicação a laser; e também existe uma técnica mista bastante recente chamada SMILE. A recuperação da pessoa operada costuma ser rápida. Costuma-se dizer que a cirurgia não é indicada para graus mais altos de miopia e astigmatismo, por exemplo. Contudo, essa avaliação sempre dependerá da avaliação médica, seja para qualquer variação de grau.

Catarata

Outra das cirurgias oculares mais comuns é a de catarata. Normalmente, ela é feita utilizando a técnica de facoemulsificação e o paciente fica sob anestesia local e sedação leve. É um procedimento delicado, que envolve uma aparelhagem extremamente moderna e um cirurgião bem treinado, mas que pode ser realizada tanto em hospitais públicos quanto clínicas particulares especializadas. 

Glaucoma

Agora, a cirurgia de glaucoma é a mais realizada no mundo! A trabeculectomia convencional é eficaz em até 90% dos casos, pois cria uma via alternativa de drenagem, que leva o humor aquoso para o espaço subconjuntival. Por outro lado, é uma cirurgia que apresenta vários riscos e complicações, além de algumas vezes não ser definitiva, o que não é bom pro paciente. Além disso, em algumas situações o processo de cicatrização faz com que, ao longo dos anos, a pressão geralmente volte a subir e não é incomum que o paciente precise novamente de colírios ou de outro procedimento.

Blefaroplastia 

Outra cirurgia oftalmológica comumente realizada é a blefaroplastia ou cirurgia plástica das pálpebras. Nem sempre o procedimento é puramente estético já que a funcionalidade da pálpebra pode ficar comprometida em pacientes idosos. O procedimento é rápido e realizado sob anestesia local e sedação. Ela é indicada para retirar o excesso de pele, chamado de dermatocálase, e bolsas de gordura palpebrais, restaurando os contornos naturais e melhorando a aparência do rosto. O pós-operatório normal é tranquilo e indolor, exigindo apenas um repouso relativo, compressas geladas e cuidados com a lubrificação ocular.

Estrabismo

A gente não pode deixar de falar da cirurgia de estrabismo que serve pra alinhar os olhos e não apenas melhora a estética e a autoestima do paciente, como em alguns casos, principalmente nos lactentes, pode ser fundamental para manter a visão do paciente. Tanto adultos quanto crianças podem ser submetidos a esse procedimento. O planejamento dessa cirurgia é feito de acordo com o tipo de estrabismo e o tamanho do desvio ocular, e existem diversas técnicas cirúrgicas, a maioria usando fios de sutura absorvíveis que não precisam ser retirados após a cirurgia.

Quais são as principais características dos diferentes tipos de cirurgia oftalmológica? 

Se a gente for comparar os tipos de cirurgias realizadas na oftalmologia com outras áreas da medicina, ela possui algumas vantagens. Por vezes, o impacto na recuperação e na qualidade de vida do paciente oftalmológico é muito maior e ainda há o benefício para o paciente de que as intervenções cirúrgicas nos olhos podem, muitas vezes, ser realizadas a laser. Claro que isso vai exigir muita atenção, delicadeza e precisão do cirurgião, no entanto promove uma recuperação muito mais rápida e quase indolor! 

Sem falar que as taxas de sucesso das cirurgias oculares são bastante altas e o avanço da medicina pode garantir excelentes resultados na correção ou estabilização das doenças que acometem os olhos. Os procedimentos tendem a ser cada vez menos invasivos, mais rápidos e com resultados mais satisfatórios, como é o caso da cirurgia de catarata. Se antes era realizada uma incisão ampla para remover o cristalino danificado, hoje em dia é possível removê-lo com mínimas incisões, em torno de 2 a 3 mm de profundidade, sem qualquer dor ou desconforto pro paciente.

No caso das cirurgias refrativas, com o uso de tecnologia de ponta, já é possível utilizar a moderna técnica a laser SMILE, que corrige em poucos minutos os graus de miopia e astigmatismo e ainda mantém a córnea do olho intacta! Com isso a recuperação é ainda mais rápida no pós-operatório.

E se você quer se embrenhar no universo das cirurgias oftalmológicas, prepare-se para atender pacientes de todas as idades, desde crianças até idosos! Uma possibilidade do especialista nessa área é se dedicar exclusivamente aos problemas de visão de uma determinada faixa etária. Desde o nascimento, as investigações oculares começam e não param mais. Primeiro há o teste do olhinho, depois as crianças em idade escolar frequentemente procuram por esse especialista. Os adolescentes também buscam atendimento por conta do uso excessivo de celulares, computadores e jogos eletrônicos. E os idosos, que por causa da idade avançada requerem cuidados especiais com a visão, na maioria dos casos são prevalentes em cirurgias corretivas. 

Gostou de saber um pouco mais sobre cirurgia oftalmológica?

Agora que você já sabe um pouquinho mais sobre as cirurgias oftalmológicas e decidiu que esse é o caminho que você vai seguir, é preciso dar o primeiro passo! Afinal, antes de tudo você precisa se tornar o Oftalmologista! Para isso, fazer uma boa residência médica é fundamental — e você pode contar com a gente! Dá uma olhada na Academia Medway e comece a estudar do jeito certo com nossos materiais gratuitos: guias estatísticos, e-books, aulas grátis e muito mais! Pra começar só depende de você! Vem com a gente, vamos estudar juntos!

Pra entrar com o pé direito em 2021 mandando bem em todas as provas de residência médica em SP com desempenho acima de 80%, corre aqui e baixa o e-book com 20 questões de cirurgia comentadas da Unifesp! Bora pra cima! 

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram
JoãoVitor

João Vitor

Capixaba, nascido em 90. Graduado pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) e com formação em Clínica Médica pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HC-FMUSP) e Administração em Saúde pelo Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE). Apaixonado por aprender e ensinar.