Carregando

Conheça tudo sobre o programa de residência da UFPB

Iniciar uma residência não é uma tarefa fácil. Além de definir uma especialidade, escolher uma boa instituição também faz toda a diferença! Por isso, hoje, vamos contar tudo sobre o programa de residência da UFPB (Universidade Federal da Paraíba), uma das melhores instituições da América Latina. 

Se você está pronto para dar uma guinada na sua carreira, está na hora de conhecer mais sobre essa opção de excelência para sua especialização. Bora descobrir tudo sobre a história da universidade, como é a residência médica da UFPB e o processo seletivo? 

Sobre a Universidade Federal da Paraíba

Fundada em 1955, a Universidade Federal da Paraíba (UFPB) tornou-se uma instituição federal no ano de 1960, quando foi incorporada a outras universidades do Estado. A partir daí, cresceu em uma estrutura multicampi, com sedes espalhadas por sete campi, muito diferente das demais federais brasileiras até aquele momento. 

Atualmente, a UFPB é composta pelos campi de João Pessoa, Areia, Bananeiras e Litoral Norte (Rio Tinto e Mamanguape). Nos últimos cinco anos, a instituição dobrou de tamanho e já é uma das universidades do Nordeste com maior número de vagas ofertadas em processo seletivo.

O curso de Medicina foi um dos primeiros a ser implantado na universidade, em 1960, e continua no mesmo campus, na cidade de João Pessoa. Hoje, a residência da UFPB possui 17 programas de especialização, sendo eles 5 de pré-requisito e 12 de acesso direto. 

O que esperar da residência da UFPB

Baseada em uma metodologia de atendimento humanizado e multiprofissional, a residência da UFPB conta com mais de dez centros de treinamento com estágio opcional e obrigatório para os residentes: 

  • Unidades Básicas de Saúde e os Centros de Atenção Psicossocial;
  • Centros de Atenção Integral à Saúde;
  • Complexo de Doenças Infectocontagiosas Clementino Fraga;
  • Complexo Hospitalar Governador Tarcísio de Miranda Burity (Ortotrauma de Mangabeira);
  • Centro de Práticas Integrativas e Instituto Cândida Vargas;
  • Hospital Santa Isabel;
  • Hospital General Edson Ramalho;
  • Complexo de Pediatria Hospital Arlinda Marques
  • Hospital Estadual de Emergência; 
  • Trauma Senador Humberto Lucena, para treinamento em urgências e emergências.

O grande destaque da residência da UFPB para as especialidades de Dermatologia e Obstetrícia fica por conta do Hospital Universitário Lauro Wanderley. Esse é o principal campo de treinamento da universidade, contabilizando mensalmente mais de 15 mil consultas, 614 internações, 485 cirurgias e até 65 mil exames. 

O programa de residência médica da Universidade Federal da Paraíba possui o total de 17 especialidades, com um dos números mais concorridos de todo Nordeste. Abaixo, confira todas as modalidades ofertadas, divididas por acesso direto e pré-requisito: 

Acesso direto

As especialidades com acesso direto são aquelas em que o profissional pode ingressar logo após terminar a faculdade de Medicina. Ou seja, não é exigida nenhuma formação extra nem experiência prévia para partir para a residência. Na UFPB, são ofertadas 12 modalidades diretas:

  • Anestesiologia;
  • Cirurgia Geral;
  • Clínica Médica;
  • Dermatologia;
  • Gastroenterologia;
  • Infectologia;
  • Medicina de Família e Comunidade;
  • Obstetrícia e Ginecologia;
  • Oftalmologia;
  • Pediatria;
  • Pré-requisito em Área Cirúrgica;
  • Psiquiatria.

Pré-requisito

Já as especialidades com necessidade de pré-requisito exigem uma formação nas áreas-base da Medicina. Portanto, antes de ingressar na residência, é preciso ter algum tempo de experiência em Clínica Médica, Cirurgia Geral ou Pediatria, por exemplo. Na UFPB, são ofertados cinco cursos nessa modalidade:

  • Endocrinologia e Metabologia;
  • Endoscopia Ginecológica;
  • Mastologia;
  • Medicina Intensiva;
  • Reumatologia. 

Além do programa de residência médica, existe a residência multiprofissional da UFPB. Coordenados pela COREMU/UFPB, os programas são destinados a: Enfermaria, Assistência Social, Farmácia, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Nutrição, Odontologia, Psicologia, Terapia Ocupacional e Medicina Veterinária. 

O processo seletivo da UFPB

O processo seletivo da residência da UFPB acontece em fase única. As provas para os programas de acesso direto consistem em 50 questões objetivas. Os temas abordados são divididos entre as grandes áreas da Medicina, sendo: Cirurgia Geral, Clínica Médica, Medicina de Família e Comunidade, Pediatria e Obstetrícia e Ginecologia.

Já as provas para programas com pré-requisito apresentam 30 questões de múltipla-escolha sobre os assuntos da especialidade escolhida. A prova objetiva possui peso de 90% na nota do candidato e tem caráter eliminatório. Os outros 10% ficam a cargo do coeficiente de rendimento escolar (CRE). 

Sendo assim, a nota final do processo seletivo é calculada levando em consideração o número de acertos, o peso por cada questão (1,8 para acesso direto e 3,0 para pré-requisito) e o CRE do candidato. Em último caso, quando há empate, são aplicados os demais critérios:

  • maior nota final;
  • candidato mais idoso;
  • maior nota da prova de conhecimentos gerais ou da prova específica;
  • egresso da UFPB; 
  • maior pontuação do CRE ou equivalente.

Sua residência está mais perto do que você imagina!

Curtiu saber mais sobre a residência da UFPB? Agora que você já sabe tudo sobre o programa, já pode seguir na preparação para garantir a sua vaga em uma das instituições mais completas e concorridas do Nordeste. 

Baixe o nosso app para estudar em qualquer lugar, como e quando quiser. São mais de 3.000 questões comentadas, milhares de provas antigas e simulados exclusivos para você não deixar nenhuma matéria passar em branco. O melhor é que tudo isso está disponível de graça! Baixe agora e confira muito mais. 

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram
Ana KarolineBittencourt Alves

Ana Karoline Bittencourt Alves

Catarinense nascida em 1995, criada em Imbituba e apaixonada por uma praia. Formada pela Universidade Federal de Santa Catarina em 2018, com residência em Clínica Médica pela Universidade de São Paulo (USP-SP 2019-2021) e professora de Clínica na Medway. "Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua produção ou a sua construção. Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender" - Paulo Freire.