Carregando

Cursinhos preparatórios para concursos de residência: uma boa opção?

Frequentemente, ouvimos de parentes ou de colegas histórias sobre pessoas que passam anos se preparando para concursos. E mesmo que você não esteja buscando trabalhar em um cargo público ou em uma autarquia, por exemplo, vale lembrar: a residência médica é um concurso como vários outros. Sendo assim, cursinhos preparatórios para concursos de residência também existem — e podem ser um grande diferencial na sua trajetória.

É claro que o objetivo de um concurso público é diferente do de uma residência e, quando fazemos a comparação, não estamos falando sobre o fim, mas sobre os meios. Ou seja, estamos falando sobre a forma de aprovação em si. Para ingressar em uma residência, é necessário fazer uma (ou mais) provas e concorrer com diversos outros candidatos. E é sobre isso que vamos falar aqui hoje. Então, fica ligado e bora lá!

O concurso para a residência médica

Nós sabemos que para conseguir entrar em uma residência médica, o estudante precisa cumprir diversas etapas. Isso envolve não apenas provas e avaliações, mas também fatores burocráticos. Você precisará fazer uma inscrição, seguir as informações do edital, acompanhar atualizações do processo seletivo e seu desempenho em cada uma das fases. Normalmente, haverá uma sequência mais ou menos parecida. Dê uma olhada a seguir!

Edital

A primeira etapa para um concurso de residência é o edital. A partir dele, você terá todas as informações necessárias: requisitos, inscrição, pagamento (e redução de taxa), datas, vagas e tudo mais. Naturalmente, você vai precisar ficar de olho para ver esse documento assim que ele for lançado. Mas relaxa, a gente te dá uma mãozinha! Aqui no blog da Medway nós informamos e dissecamos os editais das principais instituições de São Paulo assim que eles são lançados. Não deixa de seguir a gente por aqui para ficar sempre ligado!

Inscrição

Você já deu uma bela lida no edital e viu que o próximo passo é a inscrição. Ansioso, certo? Bom, mas existem alguns detalhes a se considerar. Primeiro, não vai esquecer da data de inscrição, certo? Normalmente ela não ocorre imediatamente após a publicação do edital, então, bota um alarme para te lembrar no dia D!

Mas também tem mais coisa pra levar em conta, como a taxa de inscrição. Veja só: todos os concursos para residência médica vão cobrar algum valor. Ele pode variar em algumas centenas de reais. Para você ter como base, as inscrições para as três universidades estaduais de São Paulo em 2021 custaram R$460, R$590 e R$620, respectivamente na Unicamp, na Unesp e na USP.

Mas vale lembrar que há redução de taxa para os alunos que cumprem determinados requisitos. Em São Paulo, a Lei Estadual 12.782 garante que estudantes — matriculados no ensino fundamental, médio, curso pré-vestibular ou superior — que recebem mensalmente menos de 2 salários mínimos ou estejam desempregados podem ser isentos de até 100% do valor. A isenção mínima é de 50% do total e quando não estiver descrita no edital é obrigatoriamente de 75%.

Etapas e provas

Terminadas as burocracias, vem o que realmente importa: as provas de residência. Aqui, vale começar adiantando que cada instituição terá suas próprias particularidades no concurso. Isso quer dizer que não há um padrão — cada edital descreve um modelo, mesmo que alguns possam ser bem similares.

Para você ter uma ideia, vamos tomar como exemplo o que ocorreu nos processos seletivos de 2021 em algumas das universidades de São Paulo.

  • Unifesp: 1ª fase – uma prova objetiva de múltipla escolha realizada em um dia | 2ª fase – uma prova prática informatizada, análise curricular e entrevista, todos no mesmo dia.
  • USP: 1ª fase – prova objetiva de múltipla escolha realizada em um dia | 2ª fase – análise e arguição de currículo distribuídos em 4 dias.
  • Unicamp: 1ª fase – uma prova objetiva de múltipla escolha e uma prova dissertativa, realizadas no mesmo dia em horários diferentes | 2ª fase – análise curricular distribuída em 4 dias.
  • Unesp: 1ª fase – uma prova objetiva realizada em um dia | 2ª fase – análise curricular distribuída por 5 dias.

Ah, mas vale lembrar! A pandemia mudou um pouco o formato das provas. No último ano, algumas delas preferiram excluir a prova prática ou, como no caso da Unifesp, transformá-la em um exame informatizado.

Outra ressalva importante — que você certamente encontrará no edital do concurso — é o peso de cada fase. Isso pode variar de acordo com cada instituição. Algumas podem dar um peso bem baixo para a entrevista, enquanto outras talvez deem um valor relativo maior para essa etapa. Então, fique de olho!

E a concorrência?

Para as mais diversas áreas e objetivos, os concursos são famosos por terem uma concorrência extremamente alta. E na Medicina não é diferente. Se você já precisou lidar com um número alto de candidatos por vaga para ingressar na graduação, se prepare, porque para a residência pode ser ainda pior.

Para você ter uma ideia, em algumas instituições a relação candidato/vaga pode passar tranquilamente de 30 e chegar até 50! É o caso, por exemplo, da residência em Neurocirurgia da USP, que no concurso de 2021 marcou 50,25. Na Unifesp, a fração para o mesmo curso foi até maior, chegando a 54.

Para facilitar a sua visualização e formar melhor o cenário para você, nós separamos algumas das especialidades com maior quantidade de vagas previstas em cada uma das instituições que utilizamos como exemplo anteriormente (Unicamp, USP, Unesp e Unifesp). Dá só uma olhada:

USPUnicampUnifespUnesp
Área Cirúrgica Básica21,8829,802114,45
Anestesiologia17,2924,203120,2
Clínica Médica23,5724,031510,1
Pediatria11,1816,07125,93

E aí, achou muita coisa? Essas são só algumas das concorrências por especialidade no último ano. Se você quiser ter acesso às informações de todas elas, não se preocupe, a gente já trouxe tudo isso aqui no blog. Veja toda a relação de candidato/vaga da USP, Unicamp, Unifesp e Unesp que trouxemos pra você!

Os cursinhos preparatórios para concursos de residência

Se você chegou até aqui, certamente está muito interessado em ingressar em alguma residência e já entendeu que o concurso vai ser inevitável para isso. Mais até que isso; já percebeu que a concorrência vai ser dura. É por isso mesmo que, cada vez mais, os cursos preparatórios para essas provas se tornam uma solução para diversos médicos.

Então o negócio é se preparar e ter uma boa estrutura para te ajudar nisso. Fica aqui com a gente que nós vamos te explicar como funcionam os cursinhos preparatórios para concursos de residência. Bora lá!

Cursinhos preparatórios para concursos de residência: R1

Quando você deseja ingressar no primeiro ano de uma residência médica, diz-se que você está prestando uma prova para R1. Ou seja, você deseja se tornar um calouro de algum programa de especialização. Nesses casos, estamos falando das especialidades de acesso direto — aquelas que não possuem pré-requisitos.

Um cursinho preparatório para esse tipo de prova irá focar justamente no que cai nela: as 5 grandes áreas da Medicina. Nele, o aluno irá ver e revisar conteúdos de Clínica Médica, Cirurgia Geral, Pediatria, Ginecologia e Obstetrícia e Preventiva.

Mas nem todos são iguais, e é importante ficar de olho aberto a isso. Cada cursinho possui suas próprias particularidades. Desde a plataforma de estudos até o projeto pedagógico, tudo pode ser diferente. Aqui na Medway, por exemplo, nós temos foco nas instituições de São Paulo — por essa segmentação, ele acaba sendo uma boa opção para quem tem esses serviços como objetivo.

Cursinho preparatório para concursos de residência: R3

Aqui as coisas já são um pouco diferentes. Quando falamos de um cursinho preparatório para R3, nos referimos às especialidades com pré-requisito, aquelas que, para ingressar, é necessário ter passado por uma especialização de acesso direto anteriormente. As provas para essa modalidade, portanto, tem relação mais específica com cada uma das áreas.

Para ficar claro: um médico que deseja fazer a sua subespecialização em Cardiologia deve ter concluído o R1 em Clínica Médica. Portanto, quando você buscar por um cursinho preparatório para concursos de residência com pré-requisitos, a melhor ideia é um curso de R3 de Clínica Médica, visto que essa é a área que mais será cobrada na prova.

Cursinho preparatório para concursos de residência: prova prática

Aqui vai algo que muitos podem considerar como detalhe, mas está longe de ser: a preparação para a prova prática. Essa é, sem dúvidas, uma etapa decisiva e pode representar um grande salto ou uma drástica queda na posição do aluno em relação à primeira fase do exame.

Nesses casos, você terá contato com outro tipo de conteúdo. Aqui, será mais comum que os cursos ofereçam estações simuladas, vídeo aulas de discussão de casos, bíblias de checklists, interpretação de imagens radiológicas ou não, e por aí vai. Muitas vezes, é aqui que o bicho pega, já que a avaliação prática pode gerar muita tensão. Por isso mesmo, o cursinho preparatório acaba sendo um grande diferencial.

Já começou a pesquisar cursinhos preparatórios para concursos de residência?

E aí, com essas informações já ficou mais fácil escolher a melhor opção de cursinho preparatório para você? Certamente tudo ficou um pouco mais palpável, não é mesmo? Mas se você não quer parar de se informar por aqui, a gente te dá uma sugestão: conheça a Academia Medway!

Lá, você pode conferir conteúdos que vão te dar uma mãozinha na preparação, como o e-book dos 15 bloqueios que te impedem de ser aprovado na residência. Ah, e é claro, se já acha que quer começar o seu cursinho preparatório para concursos de residência, dá uma olhada nos que oferecemos aqui na Medway. Para a prova teórica de R1, conte com o Intensivo, o Extensivo. Agora, para a prova prática também tem opção. Você pode começar o CRMedway!

Bora lá?!

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram
AlexandreRemor

Alexandre Remor

Nascido em 1991, em Florianópolis, formado pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) em 2015 e com Residência em Clínica Médica pelo Hospital das Clínicas da FMUSP (HC-FMUSP) e Residência em Administração em Saúde no Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE). Fanático por novos aprendizados, empreendedorismo e administração.