Carregando

Índice de Pearl: quantificando a eficácia de um anticoncepcional

O Índice de Pearl é um tema muito importante para a Medicina. Isso porque, por meio dele, quantificamos a eficácia de um anticoncepcional, medicamento que faz muita diferença na vida das mulheres. 

Como os anticoncepcionais são procurados por diversas pacientes, é essencial entender os tipos e as demais orientações antes de indicá-los. Para dar andamento neste assunto já abordado outras vezes em nosso blog, continue a leitura!

Uso de métodos contraceptivos

O consultório de Ginecologia pode ser visto por muitas pacientes como um confessionário. Ele deve ser um ambiente de liberdade para o diálogo, sem quaisquer preconceitos e julgamentos, permitindo a máxima compreensão e abertura da paciente. 

Apesar de momentos desconfortáveis, como a coleta do exame preventivo, há situações extremamente esclarecedoras, que fazem a diferença na vida das mulheres.

Sem dúvidas, um dos momentos mais especiais é a discussão e a decisão sobre o melhor método contraceptivo para a paciente. Atualmente, o amplo arsenal de opções obriga o médico a orientar sobre os riscos, os benefícios e as particularidades de cada uma delas.

Contudo, não são apenas a comodidade e os efeitos não contraceptivos que devem ser levados em conta. A eficácia de cada um dos métodos é de extrema importância ao escolher o contraceptivo

Então, surge uma dúvida: como comparar a eficácia de cada um dos métodos anticoncepcionais? Nesse contexto, surge o famoso Índice de Pearl, que demonstra o risco de falha de um método contraceptivo.

Avaliação estatística da fertilidade

Em 1933, o The Lancet publicou um artigo de Raymond Pearl, professor de Biologia da Universidade Johns Hopkins. Ele discutia métodos estatísticos de avaliar a fertilidade em diferentes populações de animais, em especial, humanos. 

Inicialmente, propôs-se uma equação que levava em conta a quantidade de nascimentos vivos ocorridos em uma população pela quantidade de pessoas casadas ou coabitando a mesma residência por ano. 

Ou seja, a equação avaliava a quantidade de nascidos pela quantidade de pessoas expostas a engravidar. Dessa forma, propunha-se avaliar o índice de fertilidade de um grupo social.

Já que essa análise era populacional, não levava em conta alguns óbvios vieses. Por exemplo, em gestações gemelares, esse índice estaria sobreavaliado. Também não levava em conta as particularidades de cada casal, os possíveis problemas de infertilidade ou simplesmente a ausência de atividade sexual regular. 

Contudo, apesar de não considerar esses vieses, ainda sim, essa parecia uma boa forma de avaliar a fertilidade de uma população em um determinado período.

Aplicação ao estudo dos contraceptivos

Com a evolução dos métodos contraceptivos, a relação passou a ser aplicada para avaliar a eficácia de cada uma das opções disponíveis. Afinal, se uma mulher usa algum anticoncepcional, avaliar a taxa de fertilidade mostra-se bastante eficiente para dizer o quão bem determinado método funciona. 

Assim, surgiu o famoso Índice de Pearl, um cálculo que leva em conta o número de gestações que ocorrem entre usuárias de determinado método em um ano. O valor é fornecido na unidade de falhas do método por 100 mulheres anualmente. A seguir, veja como esse cálculo pode ser realizado:

Como calcular o Índice de Pearl

Como calcular o Índice de Pearl

Interpretando o Índice de Pearl

A partir disso, é hora de interpretar o significado do Índice de Pearl. Para isso, vamos a um exemplo de um método contraceptivo fictício que tem Índice de Pearl de 12. 

Com isso, é possível deduzir que esse método tem uma chance de falhar em 12 mulheres entre 100 usuárias por ano. Em outras palavras: de 100 mulheres que utilizam o método, após um ano, 12 estarão grávidas. Porém, será que esse risco é muito elevado, e o anticoncepcional é eficaz? Para isso, vamos à comparação. 

Risco de uma gestação sem métodos anticoncepcionais

Considerando esse índice, é possível avaliar o risco de um casal engravidar sem o uso de métodos contraceptivos em um ano. Sem dúvidas, esse valor é bastante importante para comparações, pois ele exemplifica quantas gestações podem ser evitadas com cada um dos métodos. 

Estudos de infertilidade realizados em diferentes populações determinaram alguns resultados semelhantes. Após um ano de atividade sexual frequente, sem utilizar nenhum tipo de método anticoncepcional, a gravidez ocorre em cerca de 85-90% das situações. 

Se analisarmos esse resultado a partir da ótica de Pearl, o índice de fertilidade de uma população sem nenhum anticoncepcional é de 85, ou seja, após um ano, 85 mulheres entre 100 estarão grávidas. Sendo assim, se um método tem um índice de Pearl de 12, significa que ele foi eficaz em evitar em torno de 73 gestações naquele ano.

Índice de Pearl: uso ideal X uso real

Uma vez explicado como o Índice de Pearl é calculado, vamos aplicá-lo na prática. Cada um dos métodos contraceptivos disponíveis foi testado em estudos populacionais que determinam quantas mulheres engravidam durante o uso por ano.

Contudo, ao longo dos anos, percebeu-se que o risco de falhas era diferente quando os métodos eram utilizados durante o uso chamado “ideal” e o uso “real”. O que é essa diferença? Vamos explicar com mais um exemplo.

Imagine que uma mulher usa uma pílula anticoncepcional que possui um risco de falha muito baixo, uma vez que, como os hormônios estão estáveis, mantém um bloqueio ovulatório eficiente ao impedir os picos de LH. 

Agora, imagine essa mulher no dia a dia. Há imprevistos que fazem com que, eventualmente, o uso do comprimido não seja perfeito. Uma reunião extra, uma festa ou uma viagem levam a esquecimentos da tomada da pílula. Com isso, pode haver liberação do bloqueio hipofisário e, de forma indesejada, uma ovulação.

Essa é a diferença de eficácia entre o “uso ideal” e o “uso real”. No dia a dia, é difícil que o uso seja ideal. Por isso, a eficácia real é a que mais importa, pois ela determina a chance de um método falhar quando ele for aplicado na prática.

Contornando o problema do “uso real”

Para evitar que fatores externos levem a alterações da eficácia de um método anticoncepcional, é possível utilizar opções que minimizem ou extinguam as diferenças existentes entre o uso ideal e o real, a partir do uso de métodos cuja eficácia independe de fatores externos e da memória da paciente. 

Isso é possível com os chamados LARCs (long acting reversible contraceptives), ou seja, os contraceptivos reversíveis de longa duração. Como exemplo, há os DIUs, tanto os não hormonais, como o de cobre, quanto os hormonais, como o Mirena. Outro exemplo é o implante de etonogestrel, chamado de Implanon. 

Para esses métodos, basta que a paciente faça a inserção do DIU ou do implante para eles agirem continuamente. Para isso, ela não precisa se lembrar de tomar uma pílula todos os dias, inserir um anel vaginal ou tomar uma injeção periodicamente. Sendo assim, o uso ideal fica muito próximo do uso real.

Comparação entre os diferentes contraceptivos disponíveis

Agora que já sabe como o índice funciona, que tal vê-lo aplicado em usuárias dos principais métodos existentes? Atentem-se à tabela a seguir e acompanhe o Índice de Pearl em cada um dos métodos:

Índice de falha (número de gestações/100 mulheres/ano) dos diferentes contraceptivos
Métodos Índice de Pearl (uso ideal)Índice de Pearl (uso real)
Irreversíveis
Ligadura tubária0,50,5
Vasectomia0,100,15
Reversíveis
Contracepção hormonal
Combinados0,39,0
Progestágenos isolados0,39,0
Injetável combinado0,20,6
Injetável trimestral0,20,9
Implante subdérmico0,050,05
DIU não-hormonal0,60,8
DIU hormonal0,20,2
Métodos de barreira
Condom masculino2,018,0
Diafragma6,012,0
Métodos comportamentais?25,0
Nenhum85

Note que o índice do DIU hormonal corresponde a 0,2, ou seja 0,2 mulheres em 100, ou 2 mulheres em 1.000 engravidam anualmente com o uso. Compare esse valor com o da laqueadura  (5/1.000): o risco de falhas com o DIU continua menor.

Essa é uma excelente comparação para mostrar às pacientes no consultório quando surge a pergunta: “será que o DIU protege contra a gravidez?”. 

Também perceba que o Implanon é o método disponível que apresenta a maior eficácia. O Índice de Pearl é de 0,05, o que significa que 5 mulheres em 10.000 engravidam anualmente com o método. Mesmo assim, esse valor não é zero. Afinal, nenhum método garante a proteção completa contra uma gestação, apenas chegando próximo disso.

Observe a diferença entre o uso real e o ideal das pílulas combinadas e de progestágenos isolados. Em uso ideal, a falha chega a ser de 3/1.000, enquanto que, em uso real, ela passa para 9/100. Ou seja, há um aumento de 30 vezes no número de falhas do método, algo muito importante de comentar com as usuárias de pílulas. 

Se elas têm muitos episódios de esquecimentos, vão estar muito expostas a gestações indesejadas e devem pensar em outro método que se adapte melhor à rotina, em especial, algum LARC.

Por último, note a taxa de falhas dos métodos comportamentais, como a “tabelinha”. Ela falha em 25 a cada 100 mulheres por ano. Tendo que 85/100 engravidam sem nenhum método, a proteção é muito pequena. Está aí o grande motivo dos Ginecologistas recomendarem o uso de outros métodos mais efetivos. 

Aprofunde seus conhecimentos com a gente!

Agora que você conhece o Índice de Pearl, vale conferir outros conteúdos sobre métodos contraceptivos aqui, no nosso blog, para mandar bem no plantão. Se quiser colocar tudo em prática, o PSMedway é ideal para você! Com nosso curso de Medicina de Emergência, você domina seus atendimentos!

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram

É médico e quer contribuir para o blog da Medway?

Cadastre-se
MarceloLucchesi Montenegro

Marcelo Lucchesi Montenegro

Paranaense, nascido em Curitiba em 1991. Formado pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) em 2016, com residência em Ginecologia e Obstetrícia na UNICAMP, concluída em 2019. Especialização em Ginecologia Endócrina e Reprodução Humana pela USP-RP em 2019 até 2020 e atualmente fellow em Reprodução Humana pela clínica NeoVita, em São Paulo (SP). Nada vem de graça, os resultados refletem a sua dedicação!