Carregando

Nefrologia: saiba tudo sobre a especialidade que cuida dos rins

Nefrologia é conhecida por ser uma especialidade que cuida dos rins, isto é, ela é dedicada à avaliação, ao diagnóstico e ao tratamento clínico das doenças do sistema urinário, principalmente daquelas relacionadas aos rins, como a nefrite, as infecções urinárias, as pedras nos rins e doenças renais crônicas. 

São os nefrologistas que vão auxiliar os médicos de outras especialidades, como o clínico geral e o cardiologista, na hora de realizar um diagnóstico mais preciso da hipertensão. Eles também vão poder acompanhar os pacientes em hemodiálise ou com problemas irreversíveis nos rins, cuja única alternativa seja a realização do transplante

Mas preste atenção, o nefrologista não realiza a cirurgia, já que Nefrologia é uma especialidade clínica. Mas quem faz então? Nessa etapa, entra em jogo o médico urologista! Isso mesmo! Quem realiza a cirurgia de transplante é o urologista, mas, fazendo jus à expressão “especialidade que cuida dos rins”, é o nefrologista que indica o transplante, prepara o paciente, escolhe o doador (nos casos de doadores vivos) e fica ali monitorando tudo após a realização da cirurgia.

Nefrologia e Urologia: a diferença entre as especialidades

A principal diferença entre a Nefrologia e a Urologia é que a primeira é uma especialidade clínica e a segunda é uma especialidade médica que se divide tanto na atuação clínica como também na cirúrgica. Mas não para por aí! Basicamente, a diferença entre esses dois especialistas é em até que ponto cada um atua.

Enquanto a  tem como foco tratar de doenças nos rins, o urologista se responsabiliza por todo o trato urinário, que inclui problemas como impotência sexual, ejaculação precoce, infertilidade, pedra nos rins, dificuldade ou dor ao urinar, incontinência urinária, infecções urinárias, dores durante o sexo, inflamação no trato urinário e varicocele. 

O nefrologista é o médico que a gente procura quando o problema é específico do rim, podendo ser uma insuficiência renal, cistos, infecção de urina constante ou quando se percebe algum edema, inchaço, urina com sangue, mais de um cálculo renal ou infecção de urina. Ele vai atender os casos em que o paciente pode ser tratado somente com medicamentos

O urologista, por sua vez, pode atender pacientes com outros tipos de doenças, não somente os renais. Mas não se engane: ele não é um médico que cuida só dos órgãos reprodutivos masculinos. Ele é conhecido por tratar dos órgãos do trato urinário masculino – rins, bexiga, ureteres, uretra, próstata e genitália. Porém, ele também pode cuidar das mulheres, no que diz respeito a problemas de incontinência e infecção urinária.

Em casos graves, ele pode até intervir cirurgicamente. Tá afim de saber mais sobre a Urologia? Então confere o artigo que fizemos aqui no blog sobre a especialidade do urologista. e os procedimentos cirúrgicos da prática do urologista.

A rotina e o mercado de trabalho dessa especialidade que cuida dos rins 

O dia a dia de quem trabalha com a especialidade que cuida dos rins pode ser agitado! Isso porque o Brasil está no topo da lista dos líderes mundiais de transplantes renais. Com isso, você já imagina que a busca por profissionais especializados em Nefrologia, para atuar principalmente em clínicas de hemodiálise, é constante! Então, fique tranquilo que, após a residência, o emprego estará garantido

Mas, você tem que estar disposto a trabalhar em regime de plantão, em geral, de 14 horas, visitando os pacientes que estão na máquina de hemodiálise. A maioria dos nefrologistas recém-formados costuma iniciar sua carreira fazendo plantões em clínicas de hemodiálise e atendendo os pacientes portadores de insuficiência renal crônica, além do atendimento nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI), para avaliar pacientes graves e prescrever tratamentos. Então, prepare-se, porque a rotina de visitas em hospitais também é uma parte considerável das atividades do nefrologista. E se liga: as visitas podem acontecer tanto nas enfermarias quanto nas emergências. 

Outra coisa legal sobre essa especialidade que cuida dos rins é que o médico nefrologista pode atuar na Nefrologia Intervencionista, que é hoje uma área que se expande e na qual o especialista é responsável por alguns procedimentos, como a implantação de cateteres. 

E tem trabalho no consultório? Tem sim! É lá que os pacientes crônicos vão buscar atendimento e acompanhamento recorrente, além daqueles que precisam do nefrologista para cuidar dos males causados pela hipertensão arterial sistêmica, infecção urinária e a calculose renal. Geralmente, os pacientes são encaminhados até ele por meio dos centros de atenção primária ou de outras especialidades.

E mesmo sendo uma especialidade clínica, o nefrologista pode estar envolvido nos casos de cirurgia, participando dos procedimentos pré-cirúrgicos nos pacientes que farão o transplante renal. 

Vale lembrar que o profissional de Nefrologia tem um papel super importante quando o doador do rim está vivo: ele vai avaliar clinicamente o doador e o receptor, para afastar comorbidades que comprometam a saúde de ambos após o procedimento cirúrgico. 

Sendo assim, a Nefrologia abre um universo amplo para a realização de pesquisas, sejam em programas universitários de pós-graduação específicos ou em programas para clínica médica, além da demanda de pesquisadores especialistas na indústria de medicamentos e equipamentos para hemodiálise. Pra quem busca oportunidades em concursos públicos, há poucas vagas para a área e a concorrência costuma ser alta em quase todos os estados do país. 

Agora, pra quem quer se aventurar nos caminhos da educação, fugindo um pouco dos espaços tradicionais de atuação dessa especialidade que cuida dos rins, o médico nefrologista pode também lecionar em universidades e cursos de formação na área da saúde. 

Qual é o salário do nefrologista?

A pergunta que não quer calar: depois de quase 10 anos de estudos, dá pra ganhar bem? A gente sabe que o que você quer é ser feliz e realizado na profissão, mas isso inclui um bom retorno financeiro

Por isso, a gente descobriu para você que, de acordo com a pesquisa do site Salario.com.br, que colheu informações junto a dados oficiais do Novo CAGED, eSocial e Empregador Web, um Nefrologista ganha em média R$ 7.247,81 no mercado de trabalho brasileiro para uma jornada de trabalho de 24 horas semanais, isso pra quem está começando a carreira! Os valores aumentam – e muito – quando se trata de profissionais experientes, podendo ultrapassar 28 mil reais por mês

Isso no Brasil! Agora segura essa! A gente também sabe quanto ganha um nefrologista lá fora! Ficou com a pulga atrás da orelha, né? Então, confere aqui no nosso artigo sobre quanto ganha um médico nos Estados Unidos

A Residência Médica em Nefrologia

A residência médica em Nefrologia dura 2 anos e tem como pré-requisito a residência em Clínica Médica com mais 2 anos de duração. Isso quer dizer que, por baixo, o médico vai ter que dedicar 10 anos de sua vida à sua formação, passando 6 anos na graduação e mais 4 nas residências médicas. 

O conteúdo dos programas de residência entre as instituições pode variar um pouco, mas a Associação Médica Brasileira (AMB) estima que mais de 60% da carga horária total do curso é passada em unidades de internação e em serviços de terapia renal substitutiva (hemodiálise e diálise), para que o médico tenha segurança no seu atendimento e aprenda na prática os procedimentos médicos e como se relacionar com humanidade e sensibilidade com os pacientes renais. 

Nas mais de 350 vagas ofertadas em todo o país, há muitas instituições cobiçadas e a concorrência costuma ser grande! Dentre elas, destacamos os programas de residência do Instituto Albert Einstein, na capital paulista; a Santa Casa de Ribeirão Preto, pertinho de São Paulo e que oferece treinamento completo em todas as sub-áreas da nefrologia; o Hospital Universitário de Vassouras – HUV, no interior do estado do Rio de Janeiro; além das tradicionais universidades públicas USP-SP (Universidade de São Paulo), Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e a afamada Faculdade Paulista de Medicina da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). 

O que você tem que ficar de olho é no que fica melhor pra você: localização geográfica ou ênfase em procedimentos? A gente sabe que, em algumas residências, por exemplo, o forte mesmo é o programa de hemodiálise, mas podem não ser tão boas em transplante renal quando comparadas a outras. Então, cabe a você analisar direitinho suas prioridades e decidir qual o melhor local para realizar sua residência nessa especialidade que cuida dos rins.

Curtiu conhecer mais sobre a especialidade que cuida dos rins?

A gente viu que, embora seja possível nefrologistas e urologistas tratarem certos tipos de problemas em comum, essas duas especialidades médicas possuem as suas diferenças. E aí? Curtiu saber tudo sobre a especialidade que cuida dos rins? 

Já está pronto para a prova de residência em Nefrologia? Ou, depois desse artigo, o que você quer mesmo é a residência médica em Urologia? Em ambos os casos, saiba que ainda dá tempo de se preparar e realizar seu maior sonho.

E como está sua preparação para as provas de residência? Dá mole não! Você já pode começar a estudar agora! Que tal conhecer o Extensivo São Paulo! Esse é o nosso curso que vai rolar o ano inteiro! Ele tem as videoaulas sobre os temas que você realmente precisa saber! Além disso, com ele você tem acesso a todos os recursos do nosso aplicativo, incluindo mais de 10 mil questões comentadas. Tá esperando o que pra se inscrever

E não deixa de dar uma olhada no e-book mais impactante pra você que está de olho em uma das vagas pra residência médica, e aprenda com a gente como brilhar nas provas práticas de residência médica. E bora pra cima conquistar a vaga na residência médica dos seus sonhos! 

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram
JoãoVitor

João Vitor

Capixaba, nascido em 90. Graduado pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) e com formação em Clínica Médica pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HC-FMUSP) e Administração em Saúde pelo Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE). Apaixonado por aprender e ensinar.