Carregando

Sobrecarga atrial direita: tudo que você precisa saber

Fala, galera! Voltamos hoje a descomplicar o eletrocardiograma, e o assunto do dia será a sobrecarga atrial direita. Vamos entender quais são suas causas e como identificá-la no eletrocardiograma.

E aí, bora lá?

Quais são as causas de sobrecarga atrial direita?

As doenças cardíacas mais frequentemente associadas a aumento do átrio direito são doenças cardíacas congênitas, doenças pulmonares e doenças valvares cardíacas envolvendo as câmaras direitas. 

As principais patologias são:

  • Causas congênitas: tetralogia de Fallot, anomalia de Ebstein, atresia tricúspide e síndrome de Eiseimenger;
  • Doenças pulmonares: DPOC, pneumotórax, embolia pulmonar aguda e hipertensão pulmonar;
  • Doenças valvares: estenose tricúspide e pulmonar, insuficiência tricúspide.

As alterações de ECG consideradas sugestivas de hipertrofia do átrio direito se correlacionam mal com os achados clínicos e anatômicos. 

Como identificar a sobrecarga atrial direita no eletrocardiograma?

Como falamos no post anterior, em condições normais, a onda P possui duração de 80 a 120 ms e amplitude de até 2,5mm em DII.

A sobrecarga atrial esquerda está relacionada com a duração da onda P, que será maior que 120 ms. A sobrecarga atrial direita, por sua vez, estará relacionada a sua amplitude, sendo maior que 2,5mm. 

As forças atriais direitas são responsáveis por apenas a parte inicial da onda P, logo, qualquer aumento na duração da ativação do átrio direito geralmente não prolonga a duração total da onda P.

Os principais critérios utilizados para sobrecarga atrial direita são: 

  • Amplitude da onda P> 2,5 mm em derivações inferiores; 
  • Porção inicial positiva maior ou igual a 1,5mm em V1 – padrão “plus minus”;
  • Pode haver desvio do eixo da onda P para direita (+60 e +90);
  • Onda p  apiculada em DII, DIII e avF (onda p pulmonale).
Sobrecarga atrial direita - saiba mais
Figura 1: Onda p pulmonale em DII.
Sobrecarga atrial direita - saiba mais
Figura 2: Onda p>1,5mm em V1. 

É importante salientar que esses critérios não são muito específicos ou sensíveis, podendo ser encontrados em pacientes com átrio direito normal. Além disso, nem sempre estarão presentes na dilatação do átrio direito. Melhores critérios podem ser derivados do complexo QRS, os quais podemos chamar de critérios indiretos para sobrecarga atrial direita.

Quais são os critérios indiretos para sobrecarga atrial direita?

  • Peñaloza-Tranchesi: complexo QRS de baixa voltagem em V1 e que aumenta de amplitude significativamente em V2;
  • Sodi-Pallares: complexos QR, Qr, qR ou qRS em V1.

Importante! Na prática, a maioria dos casos de aumento do átrio direito está associados com hipertrofia ventricular, e isso pode se refletir no eletrocardiograma.

É isso!

Sobre a sobrecarga atrial direita, é isso! Se você quiser conferir mais conteúdos de Medicina de Emergência, dê uma passada na Academia Medway. Por lá, disponibilizamos diversos e-books e minicursos completamente gratuitos!.

Pra quem quer acumular mais conhecimento ainda sobre a área, o PSMedway, nosso curso de Medicina de Emergência, pode ser uma boa opção. Lá, vamos te mostrar exatamente como é a atuação médica dentro da Sala de Emergência, então, não perca tempo!

Referências

Arq Bras Cardiol. 2018; 111(2):215-222  https://www.scielo.br/j/abc/a/xZSZjn89GYDrdWMBcRtdmSt/?format=pdf&lang=pt

Hancock E, William D, Barbara J, Mirvis DM, Okin P, Kligfield P et al.  AHA/ACCF/HRS. Recommendations for the standardization and interpretation of the electrocardiogram: Part V: Electrocardiogram changes  associated with cardiac chamber hypertrophy – A scientific statement from the American Heart Association Electrocardiography and Arrhythmias Committee, Council on Clinical Cardiology; the American College of Cardiology Foundation; and the Heart Rhythm Society Endorsed by the  International Society for Computerized Electrocardiology. Circulation 2009; 119:e251-e261.

Pastore, CA et al. III DIRETRIZES DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA SOBRE ANÁLISE E EMISSÃO DE LAUDOS ELETROCARDIOGRÁFICOS. Arquivos Brasileiros de Cardiologia [online]. 2016, v. 106, n. 4 Suppl 1 [Acessado 23 Dezembro 2021] , pp. 1-23. Disponível em: <https://doi.org/10.5935/abc.20160054>. ISSN 1678-4170. https://doi.org/10.5935/abc.20160054.   

Surawicz B, Knilans TK. Chou’s electrocardiography in clinical practice, 6th ed. Philadelphia: Elservier; 2008.

 de Luna, B. Clinical Electrocardiography. pg 107. 2012. Harrigan, R. A (2002). ABC of clinical electrocardiography: Conditions affecting the right side of the heart. BMJ, 324(7347), 1201–1204. doi:10.1136/b

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram

É médico e quer contribuir para o blog da Medway?

Cadastre-se
AmandaMazetto

Amanda Mazetto

Acadêmica do quarto ano de Medicina na Universidade Nove de Julho pelo FIES e pesquisadora no Instituto do Coração de São Paulo da Faculdade de Medicina da USP