Carregando

TEGO: o que é e como obter o título de especialista

Em muitas áreas, para ser considerado um especialista, não basta apenas finalizar o programa de residência. No caso de ginecologia e obstetrícia, o médico residente precisa ser aprovado em uma prova específica, que concede o TEGO, e permite atuar na especialidade.

O caminho para uma carreira médica sólida exige muita dedicação e realização de provas em diferentes momentos. Por isso, os médicos precisam conhecer a área que desejam seguir e se preparar para cada fase rumo à especialização. Para saber mais sobre o TEGO, continue a leitura!

O que é TEGO?

O título de especialista em ginecologia e obstetrícia é concedido pela Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo). Esse reconhecimento permite a atuação na área. Ele acontece anualmente, por meio de um ciclo de provas. 

A prova é uma forma de identificar os profissionais que apresentam níveis de excelência no conhecimento aprendido durante a graduação e a residência médica. Inclusive, a conclusão da residência é um dos requisitos para o candidato participar do processo e se tornar um especialista em ginecologia

A partir do momento em que recebe o título, o médico especialista tem um diferencial que demonstra a capacidade de atuação e a qualificação do trabalho. Diante  do crescimento gradativo no número de profissionais da área e da distribuição desuniforme, a especialização é uma vantagem no mercado. 

Além dessa vantagem, o reconhecimento desse título melhora a apresentação do médico diante dos pacientes. Isso acontece porque o paciente se sente mais seguro ao ser atendido por um profissional que tem grande conhecimento e experiência em um segmento específico. 

Como obter o TEGO?

O título de especialista de cada área da Medicina é obtido por meio do bom desempenho em provas. Nas áreas de ginecologia e obstetrícia, os moldes da avaliação são semelhantes aos utilizados na maioria das provas de título, como em medicina intensiva e neurologia pediátrica. 

Conforme informamos, para estar apto à avaliação de concessão do TEGO, o médico precisa comprovar, no mínimo, dois anos de residência em um programa credenciado pelo Ministério da Educação (MEC) e estar inscrito no Conselho Regional de Medicina (CRM). 

De acordo com o Dr. Marcos Felipe Silva de Sá (diretor científico da Febrasgo), em vídeo sobre a prova, esse pré-requisito é fundamental, pois os residentes aprendem na prática e estão mais preparados para a avaliação. Isso é justificado pela metodologia dos programas, que focam 90% na prática e apenas 10% para teoria. 

Entretanto, como a prática é um dos critérios de peso para obter o TEGO, os médicos que não fizeram residência, mas tenham seis anos de exercício da profissão podem participar das provas. 

Como a prova funciona?

Seguindo esses pré-requisitos, os médicos podem se inscrever e realizar duas fases avaliativas. A primeira é apenas teórica, enquanto a segunda é teórica-prática. Diferentemente de muitas provas de títulos, não há a análise curricular para pontuação adicional. 

Na primeira etapa, há uma prova com conteúdos sobre ginecologia e outra sobre obstetrícia. Cada uma possui 50 questões de múltipla escolha, com quatro alternativas, e duração de, no mínimo, 3 horas no total. Entre cada prova, o candidato pode fazer um intervalo orientado pelos aplicadores. 

Na última prova teórica, as questões cobraram diagnósticos a partir da descrição do caso dos pacientes e da identificação de músculos, hormônios e tratamentos adequados (incluindo a dosagem do medicamento). 

A segunda etapa consiste na análise de cinco quadros clínicos para cada uma das duas especialidades. Em 2018, a prova prática era feita com manequins e atrizes que simulavam situações reais para receber diagnósticos. Atualmente, após a pandemia, a prova se tornou teórico-prática, com questões de múltipla escolha. 

Edital do TEGO

Para o futuro médico-ginecologista e obstetra se organizar, o edital é divulgado com, no mínimo, três meses de antecedência. No documento digital, estão os valores de inscrição, a descrição de cada etapa, os critérios de avaliação e as orientações de aplicação da prova. 

Ademais, a bibliografia sugerida e o conteúdo programático são anexados no documento. Isso facilita o plano de estudos de cada médico, que pode focar no que é indicado. 

Como estudar para as provas?

Estudar não é o único elemento necessário para a aprovação nas provas. Muitas vezes, o estudo não é direcionado. Então, por mais que dure longas horas, algumas distrações aparecem e atrapalham os bons resultados. Isso significa que o foco e a organização do tempo e dos conteúdos são determinantes para o rendimento. 

Para ter um bom desempenho, é preciso se planejar e pensar nos passos importantes até a prova. Assim, rever os exames anteriores e fazer questões semelhantes é de grande importância para montar o plano de estudos. 

Outro ponto é a organização e a otimização do tempo. A maioria dos médicos possui pouco tempo entre trabalho, estudo, vida social e família. Por isso, é essencial delegar horários para cada tarefa e segui-los com dedicação. Quanto antes você começar a estudar com foco total, mais tempo terá para descansar. 

Além disso, existem cursos preparatórios para diferentes provas da carreira médica. Com os nossos, o aluno tem suporte para dúvidas e aulas com professores de diferentes áreas, incluindo clínica médica, pediatria, ginecologia e obstetrícia. 

Seja mais produtivo com a gente!

Se você precisa de ajuda com os estudos para o TEGO, conte com a gente! Em nosso blog, há diversos conteúdos sobre a carreira médica. Já os nossos cursos, com metodologia padrão-ouro, melhoram o rendimento nas provas. Visite o site e conheça!

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram
JoanaRezende

Joana Rezende

Carioca da gema, nasceu em 93 e formou-se Pediatra pela UFRJ em 2019. No mesmo ano, prestou novo concurso de Residência Médica e foi aprovada em Neurologia no HCFMUSP, porém, não ingressou. Acredita firmemente que a vida não tem só um caminho certo e, por isso, desde então trabalha com suas duas grandes paixões: o ensino e a medicina.