Carregando

As instituições mais buscadas para fazer residência em Reumatologia em SP

Tem vontade de fazer residência em Reumatologia? Examinar patologias que atingem tendões, ossos, músculos, articulações e ligamentos? E ainda investigar a causa, o tratamento e o diagnóstico para essas doenças? Boa escolha! Essa é uma carreira médica que, sem dúvida alguma, garante excelentes oportunidades ao profissional.

Para ter grandes chances de se tornar um bom profissional, é fundamental fazer a residência em uma instituição que tenha um programa expressivo. Afinal, isso não assegura apenas um currículo completo, com o nome de uma grande universidade estampado, mas também um aprendizado que comprove que você absorveu todas as habilidades e conhecimentos necessários à especialidade. 

E é no estado de São Paulo, portanto, que estão muitas das melhores opções para você. Quer conhecer mais a respeito do programa de cada uma para decidir qual tem mais a ver com seu perfil? Então, bora lá! A seguir, você confere uma seleção esperta e dicas valiosas para construir uma jornada de sucesso na área!

As instituições mais buscadas para fazer residência em Reumatologia em SP
As instituições mais buscadas para fazer residência em Reumatologia em SP

Residência em Reumatologia na USP

Como não poderia ser diferente, a gente abre a lista com a Universidade de São Paulo! A instituição tem o maior complexo hospitalar da América Latina, então, por aí você sabe que vai ter uma ótima infraestrutura para estudar, concorda?

Além disso, são milhares de atendimentos ambulatoriais, de urgência e realizações de cirurgia por ano. São muitos casos diferentes que chegam por lá, o que amplia muito a visão do médico.

A residência em Reumatologia da USP concentra suas atividades no Instituto Central do Complexo do Hospital das Clínicas da FMUSP. Ele conta com uma enfermaria de 16 leitos e mais um hospital dia com 10 poltronas, para pacientes que necessitam de infusão não biológica.

Além disso, a estrutura conta com 32 ambulatórios especializados. Ao todo, a especialidade recebe mais de 2 mil pacientes por mês. O espaço está totalmente renovado e reformado, com salas específicas para ultrassom, medicina do exercício e esportiva aplicada às doenças reumatológicas, capilaroscopia, centros de infusão e áreas de pesquisa.

Para completar, ainda existem laboratórios destinados para a ciência do sistema musculoesquelético. Incrível, não é mesmo? É por tudo isso e muito mais que esse programa é referência nacional e internacional. Depois do pré-requisito de dois anos em Clínica Médica, são mais dois anos usufruindo de tudo isso e aprendendo muito para se tornar um ótimo profissional.

Unicamp

A Universidade Estadual de Campinas é mais uma instituição muito buscada por quem sonha com a residência em Reumatologia. A concorrência, como é de se esperar para São Paulo, é apertada: no último edital foram 23 candidatos para apenas 4 vagas. Então, é preciso se dedicar muito para conquistar um lugar.

A universidade oferece um ensino de primeira linha, ministrado pelos melhores especialistas do país. Conta também com um complexo hospitalar muito bem estruturado, com tudo o que é preciso para que a prática médica evolua.

Ainda, há muita valorização da pesquisa, então, se você gosta dessa parte, vai ter muito respaldo para desenvolver seus trabalhos. Por lá, a carga horária é distribuída, além de atividades teóricas, em atividades ambulatoriais e em unidades de internação/interconsulta.

O residente ainda atua na medicina física e reabilitação, realiza estágios complementares na Ortopedia e Reumatologia Pediátrica e, é claro, atua dentro dos laboratórios. É uma vivência intensa, uma vez que a instituição recebe um grande número de pacientes por dia, dentro do departamento, inclusive.

Aliás, embora a maioria dos atendimentos aconteça no Hospital de Clínicas, é possível trabalhar no Hospital Estadual Sumaré (HES) e no Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher (CAISM). Não é mole, mas é uma oportunidade e tanto.

Residência em Reumatologia na Unifesp

Quer fazer residência em Reumatologia na Universidade Federal do Estado de São Paulo? Fica esperto, porque a Unifesp disponibiliza apenas 7 vagas por ano. A concorrência, para variar, é bastante pesada, já que a instituição também tem um dos programas da especialidade mais renomados do país.

Os residentes da área nessa universidade têm atividades de ambulatório, enfermaria, plantões, aulas e discussões de caso distribuídas em uma carga horária de mais de 8 mil horas totais. Inclusive, a duração dessa residência aqui é de 3 anos, um pouco a mais do que outras instituições.

Outro dado interessante: ainda que a USP detenha o título de maior complexo hospitalar da América Latina, a Unifesp ainda ocupa a segunda posição. Isso porque as atividades dos residentes são todas aplicadas no maior hospital universitário do país, o Hospital São Paulo.

E existem mais pontos ainda para ressaltar: a estrutura dos laboratórios e ambulatórios é excepcional, sendo que há leitos disponíveis para a especialidade e UTIs com pacientes internados para avaliação, em casos de maior complexidade, algo essencial para a prática. 

Com a evolução tecnológica da especialidade, todo o espaço do hospital acompanha as atualizações, então, os residentes saem de lá muito bem-preparados para uma atuação de referência.

A instituição ainda conta com laboratórios completos e serviços de referência em ultrassonografia. E, se por acaso você tiver interesse, saiba que as metodologias e o conteúdo do curso também possibilitam que você atue na indústria farmacêutica e na criação de novas drogas, uma área que tem bastante demanda na Reumatologia.

IAMSPE

O IAMSPE é responsável por vários complexos hospitalares, mas aquele que mais se destaca é o Hospital do Servidor Público Estadual (HSPE). É por lá que todas as atividades de residência médica são distribuídas, inclusive na Reumatologia.

Os estudantes recebem um treinamento de alto nível, tutorado por profissionais experientes e com o uso de equipamentos e laboratórios de última geração. Os números do HSPE não ficam atrás dos outros hospitais que já citamos.

Para você ter uma ideia, são mais de 30 mil exames realizados por mês. Muitos deles, por sua vez, voltados para o diagnóstico de doenças reumatológicas. O programa também permite que o residente faça um estágio opcional na Ortopedia, para complementar seus conhecimentos.

Inclusive, muita gente ainda não sabe sobre a diferença entre Reumatologista e Ortopedista, então, pode ser bacana conferir o artigo que fizemos sobre isso. Assim, se você tiver dúvidas sobre qual caminho seguir, consegue descobrir o que tem mais a ver com você!

Fazer o pré-requisito de Clínica Médica na instituição e depois continuar por lá é a opção de muitos residentes, que se sentem acolhidos pela qualidade de ensino e presença de colegas e professores no dia a dia para um bom treinamento. 

No mais, o IAMSPE tem uma concorrência bastante apertada. Sendo assim, é importante acompanhar de perto a relação candidato/vaga para saber o que te espera nessa disputa, ok? 

Residência em Reumatologia na Unesp

Você quer ir além da capital paulista? Então, partiu Botucatu que a Unesp está te esperando lá! O complexo hospitalar da universidade atende, hoje, mais de 2 milhões de pessoas, sabia?

Ou seja, trabalho é o que não falta para a galera da residência, inclusive de Reumatologia. Mas, para além desse hospital, você também terá atividades no Hospital Estadual Botucatu (HEBo), no Serviço de Atenção e Referência em Álcool e Drogas (SARAD) e em dois prontos-socorros, um adulto (PSA) e um pediátrico (PSP).

No último edital, a concorrência da Unesp se mostrou bem significativa. Foram 2 vagas para 7 inscritos, e é sempre assim, bastante acirrado.

Ao longo do programa, o residente passa por atendimentos em ambulatório e consultório principal, em geral para acompanhamento regular de pacientes. Também passa um tempo considerável em laboratórios, para explorar técnicas que determinam anticorpos, antígenos e mais, além de atuar em centros de infusão de imunobiológicos.

Mais para a frente, quando o residente adquire certa experiência, começa a participar de procedimentos invasivos. Tudo, é claro, sob a supervisão de orientadores e tutores, que também estão entre os melhores do Brasil.

E nem é preciso falar que há muito incentivo para a pesquisa, não é verdade? Todas essas universidades, incluindo a Unesp, fazem questão de alimentar essa atividade, e muitos residentes optam por seguir carreira acadêmica ou na pesquisa por isso.

Aliás, se você não sabe ainda qual carreira seguir dentro da Medicina, a gente preparou um material que pode te ajudar a pensar sobre o assunto. Assim, na Unesp ou em outra universidade, você consegue explorar melhor os caminhos disponíveis.

E então, decidiu onde fazer residência em Reumatologia em SP?

Agora você já conhece as instituições mais procuradas para fazer residência em Reumatologia em SP. Todas contam com programas com metodologias excelentes, então com certeza a escolha que você fizer será igualmente incrível.

Leve em conta também o conteúdo do curso, e o local da universidade. É super importante que você realmente invista em uma especialização que tenha a ver com você e seus objetivos. Afinal, para chegar até a Reumatologia, você terá passado por outros dois anos de pré-requisito, o que não é pouco tempo, e saber exatamente o que quer fará toda a diferença.

Mas antes que você possa aproveitar tudo isso, é preciso encarar de peito aberto as provas de residência médica. Mesmo se você já tiver passado pelo acesso direto da Clínica Médica, sabe que o negócio é desafiador, não é verdade?

E agora que você já sabe mais sobre a residência em Reumatologia, a gente tem um monte de dicas fresquinhas e cursos completos para te ajudar a chegar lá, como o R3 de Clínica. Lembre que, para ficar de olho em tudo, é só seguir a gente no Facebook e no Instagram. Pra cima!

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram
JoanaRezende

Joana Rezende

Carioca da gema, nasceu em 93 e formou-se Pediatra pela UFRJ em 2019. No mesmo ano, prestou novo concurso de Residência Médica e foi aprovada em Neurologia no HCFMUSP, porém, não ingressou. Acredita firmemente que a vida não tem só um caminho certo e, por isso, desde então trabalha com suas duas grandes paixões: o ensino e a medicina.