Carregando

Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (ABRAMET): tudo o que você precisa saber

A Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (ABRAMET) é uma entidade sem fins lucrativos que tem como objetivo conscientizar a população a respeito dessa área ainda pouco conhecida da Medicina, além de acolher os profissionais e incentivar a formação continuada para o sucesso da atuação médica.

Por isso, se você deseja seguir por esse caminho, vale a pena se associar e ter acesso ao conteúdo e às oportunidades promovidas pela associação. Afinal, nunca é demais investir em aperfeiçoamento, conhecer novas tecnologias e prestar um atendimento cada vez melhor aos pacientes, concorda?

Mas se você ainda quer saber um pouco mais sobre o que a ABRAMET faz, a gente te conta! Veja, a seguir, todas as informações para se tornar um associado e aproveitar ao máximo tudo o que ela oferece!

A Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (ABRAMET)

A história da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego começou em 1980. Fundada por Hilário Veiga de Carvalho, que já tinha um grande interesse pela Medicina de Tráfego à época, ela reunia médicos em encontros de trânsito para conscientizar a respeito dos números assustadores de mortalidade e morbidade por lesões decorrentes de acidentes.

Pouco tempo depois, o grupo já se reunia para ministrar e participar de cursos, palestras, aulas de neurologia, psiquiatria, oftalmologia, entre outros assuntos pertinentes à área. O crescimento foi rápido e em 1982, os eventos já ocorriam com visibilidade nacional. A partir disso, a ABRAMET começou a ganhar mais associados, até se filiar formalmente ao Conselho de Medicina.

Apesar de nunca ter parado de trabalhar e associar médicos, e ter eventos reconhecidos fora do Brasil ao longo de todos esses anos, somente em 2016 a associação conseguiu comprar sua própria sede, o que foi considerado uma grande conquista e permitiu que a associação começasse a disponibilizar uma gama maior de conteúdo para os médicos.

A ABRAMET conta com um corpo diretivo e comissões que se responsabilizam por todos os serviços realizados dentro da instituição. Ela também conta com um estatuto que prevê a criação de regionais, mesmo que já conte com a representação em 14 estados brasileiros e no Distrito Federal.

Hoje, são mais de 5 mil associados. Para reconhecer o trabalho dos médicos, o Prêmio Hilário Veiga de Carvalho acontece todo ano, desde 1999, durante o Congresso Brasileiro de Medicina do Tráfego.

Como se associar à ABRAMET

Quer se tornar um associado da ABRAMET? Basta acessar o site e preencher o formulário para envio de dados e documentações pertinentes. O processo não é demorado e a aprovação sai em alguns dias. Você pode se cadastrar a qualquer momento.

É possível se associar como graduando, médico formado ou até mesmo residente. Assim que se tornar parte da associação, você poderá aproveitar uma série de benefícios. Aqui estão os principais!

  • assessoria jurídica;
  • assessoria em medicina de Tráfego;
  • boletins mensais com atualizações e novidades;
  • acesso à educação continuada, como cursos, aulas-resumo, execução de testes e avaliação on-line, conferindo créditos para obtenção e recertificação do Título de Especialista em Medicina de Tráfego;
  • descontos na inscrição de eventos científicos, congressos e palestras organizadas pela entidade;
  • descontos na compra de livros e assinatura de publicações;
  • recebimento gratuito da Revista da ABRAMET em versão impressa;
  • acesso completo ao Portal da ABRAMET;
  • desconto na taxa de inscrição para obtenção do Título de Especialista em Medicina de Tráfego;
  • acesso a informativos e demais comunicações de interesse da área, como diretrizes, leis e informativos do CONTRAN, DENATRAN, AMB, entre outros.

Só por aí já deu para perceber que a ABRAMET realmente se dedica à formação, atualização e aperfeiçoamento dos médicos de tráfego, não é mesmo? Se você quer entrar para a área ou está em uma área correlacionada, vale muito a pena se associar e aproveitar tudo isso e muito mais.

É provável que haja uma taxa de anuidade para os associados eventualmente, mas ela foi retirada em 2020 e ainda não está sendo cobrada. Apenas procure se informar para se organizar em relação a isso também, combinado?

O que faz a Associação Brasileira de Medicina de Tráfego

E o que a Associação Brasileira de Medicina de Tráfego faz, afinal? Aqui está um pouco de seu trabalho, tanto o que é feito para os médicos associados, quanto para a população médica em geral.

Serviços do conselho

A associação oferece orientações e prestações de serviços que zelam pela ética, aplicação da legislação e eficiência técnica do trabalho da área. É possível participar de treinamentos, cursos de pós-graduação e atendimento pré-hospitalar, entre outros.

Publicações

As publicações, revistas e artigos da ABRAMET se voltam principalmente para pesquisas sobre riscos na direção veicular, avaliação de condutores e candidatos a condutores e veículos automotores para portadores de epilepsia. O conteúdo sai semestralmente e inclui também materiais de cunho inter e multidisciplinar, ou seja, relacionado a áreas afins da Medicina de Tráfego.

Eventos da ABRAMET

A ABRAMET realiza uma série de eventos durante o ano, como palestras, workshops e jornadas médicas. Eles reúnem profissionais do Brasil e do mundo e são excelentes oportunidades para se atualizar e trocar ideias a respeito da área.

No entanto, o evento mais famoso da associação é o Congresso Brasileiro de Medicina de Tráfego. Além dos médicos de tráfego, podem participar quaisquer outros profissionais que atuem no setor de trânsito, como psicólogos, advogados, gestores e mais.

A programação e a inscrição de todos os eventos são divulgadas pelo site da instituição. Portanto, é bom ficar de olho e acessar sempre para não perder as datas e aproveitar para incrementar seu currículo.

Título de especialista na ABRAMET

Você pode tirar o seu título de especialista diretamente pela Associação Brasileira de Medicina de Tráfego. A prova conta apenas com questões fechadas, é realizada uma vez ao ano e o edital é divulgado no site.

O conteúdo engloba competências e assuntos relacionados ao bem-estar físico do indivíduo, psíquico e social daquele que se desloca, causas de acidente de tráfego e formas de prevenção, suas consequências, e demais subsídios técnicos e ordenamentos legais.

É muito importante, também, se aprofundar nas áreas básicas da Medicina para realizar a prova, pois alguns temas envolvem conhecimentos voltados para o que você já vivenciou durante a graduação e o internato. A emissão do título é conferida pela Associação Médica Brasileira, a AMB.

A prova ainda leva em conta um regulamento que valoriza a participação do candidato em eventos científicos, experiência profissional, atividades e programas de treinamentos específicos e atualização continuada. Portanto, é bom se envolver ao máximo desde já em oportunidades voltadas para a área.

A residência em Medicina de Tráfego

Para entrar para a área de Medicina de Tráfego, você também pode optar pela residência médica. Ela foi aprovada em 2003, porém ainda são poucas as instituições que oferecem o curso. Até o presente momento você pode encontrá-lo na USP, na Unifesp, na FCMMG e na Unirio, mas vale a pena ficar de olho porque com a alta demanda da área, a possibilidade de que outras universidades adotem essa residência é grande.

A residência é de acesso direto, ou seja, não é preciso nenhum pré-requisito para ingressar. O processo seletivo é o mesmo de outras residências, no qual o candidato passa por uma prova prática, uma prova teórica e, a depender da instituição, pela análise de currículo com ou sem entrevista.

A carga horária da residência consiste em 10% a 20% de teoria, por meio de reuniões, discussões clínicas, seminários e cursos de atualização. E em 40% a 50% para a parte prática, em que os alunos ganham experiências em UTIs e ambulatórios de Clínica Médica e de outras especialidades, como Oftalmologia, Pneumologia, Cardiologia, Ortopedia, Neurologia, entre outros.

Ao final da residência, o médico está apto para prestar atendimento no local do acidente e durante o transporte da vítima até o hospital. Além disso, consegue realizar avaliações da situação, acionar sistemas de urgência e emergência, realizar técnicas de respiração e ventilação, fazer reanimação cardiorrespiratória e controle de hemorragia, e demais procedimentos de trauma em crânio, tórax, coluna e medula.

Essa é uma área de atuação intensa, em que é preciso tomar decisões rápidas e identificar com agilidade a condição do paciente. Com a devida supervisão dos tutores, o residente já começa a realizar os procedimentos no início da R2. Para completar, também tem noções de legislação, sistemas de trânsito, normas de habilitação, crimes de trânsito, e outras orientações legais para administrar as situações nas quais é chamado.

É isso aí! Agora você já conhece um pouco sobre a Associação Brasileira de Medicina de Tráfego, a ABRAMET. E também sabe o que é preciso para fazer parte dela, além de ser um médico da área e obter seu título de especialização, seja pela instituição ou pela residência médica.Que, por sua vez, é super concorrida. Você já sabe disso, não é mesmo? Então, nada de perder tempo, é hora de começar a estudar e a se preparar para as provas! Uma ótima dica é baixar o app da Medway. Por lá, você encontra várias questões que podem ser filtradas por tema, dificuldade, etc., e testar seus conhecimentos ainda durante a graduação, já que a intenção é iniciar os preparativos com antecedência. Não perca tempo e mande ver!

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram
AlexandreRemor

Alexandre Remor

Nascido em 1991, em Florianópolis, formado pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) em 2015 e com Residência em Clínica Médica pelo Hospital das Clínicas da FMUSP (HC-FMUSP) e Residência em Administração em Saúde no Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE). Fanático por novos aprendizados, empreendedorismo e administração.