Carregando

Como é a residência em Oftalmologia na USP-RP

Como é fazer residência médica em Oftalmologia em uma das melhores universidades públicas do país? E de quebra, morar numa cidade bem estruturada, que faz sol o ano inteiro e ainda por cima, pertinho da capital? Já pensou? Quem vai responder pra gente isso é o Germano, que está no terceiro ano da residência em Oftalmologia na USP-RP.

Mas a gente já te adianta que por ser uma especialidade de acesso direto e com apenas duração de 3 anos, a residência médica em Oftalmologia na USP-RP é concorrida, viu! A cada nosso processo seletivo, mais e mais candidatos têm sido atraídos para a área, que vem crescendo e oferecendo cada vez mais oportunidades de trabalhos em várias regiões do Brasil.  

E não só por isso! Estudar na FMRP-USP é poder circular em um dos meios acadêmicos que mais se destaca nacional e internacionalmente em pesquisas científicas. Além, é claro, de poder estagiar no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. 

O HCFMRP-USP é um dos principais hospitais do interior do Brasil e se destaca tanto pelo porte, com mais de 800 leitos e cerca de 730 mil consultas e procedimentos realizados por ano, quanto pela tecnologia e recursos humanos disponíveis. É pra aprender mesmo! E aprender com os melhores!

Então vem logo e confere aqui, o nosso bate papo com o Germano – R3 na residência em Oftalmologia na USP-RP.

Imagem ilustrativa da fachada da USP-RP
Quer descobrir tudo sobre como é fazer residência médica na
USP – RP? Continue com a gente!

João: Vou começar com uma pergunta que a gente sabe que é bastante pessoal, mas todo mundo pergunta: na sua opinião, qual o melhor estágio da sua residência na USP-RP e por quê?

Germano: Estágio no Hospital Estadual de Américo Brasiliense, hospital secundário vinculado ao HC. Passamos durante 1 mês no R1 e 1 mês no R2. Tem um volume cirúrgico muito grande (pterígio pro R1 e catarata pro R2), pacientes de baixa/média complexidade com uma diversidade de patologias muito grande; orientadores muito capacitados.

João: Tem algum médico assistente que você considere sensacional ou um exemplo para sua formação? Por quê? 

Germano: Sim, pois te ajudam a elaborar todo o raciocínio clínico da doença, pensar nas hipóteses diagnósticas e conduta, além do tratamento humano ao paciente. Não seria justo citar apenas um nome, mas muitos foram importantes na minha formação. 

João: Conta um pouco pra mim sobre onde vocês rodam ao longo de toda a residência em Oftalmologia na USP-RP. 

Germano: Rodamos em todas as especialidades clínicas da oftalmologia no Hospital das Clínicas da USP-RP, além de estágios externos vinculados ao HC em Hospitais Estaduais em Ribeirão, Américo Brasiliense e Barretos. Centro cirúrgico de todas as especialidades, com cirurgias de catarata, glaucoma, córnea, etc.

João: Existem estágios eletivos na sua residência? É possível (e comum) fazer um estágio fora do país?

Germano: Existe sim, um mês no último ano da residência com possibilidade de estágio no exterior (ex: Estados Unidos, Portugal), normalmente optamos por estágio no Brasil, mas é comum residentes que tentam e conseguem no exterior.

João: Sua residência na USP-RP, de forma geral, respeita as 60 horas semanais? E qual a carga máxima de plantão que você dá na sua residência? Existe algum período de descanso pré ou pós-plantão? Conta pra gente como é isso! 

Germano: Respeita sim. Os plantões são divididos entre todos os 9 R1s, presencialmente 24 horas, além dos plantões de sobreaviso/presencial de R2 e cirúrgico do R3, normalmente 1 plantão na semana e 1 final de semana (24 horas) por mês.

João: Me conta rapidinho: de 0 (nada) a 10 (demais), o quanto sua residência foca em parte teórica? Conta pra gente quais são as principais atividades teóricas que você tem ao longo da sua residência.

Germano: Nota 7. 

João: Para entender melhor sua nota, conta pra gente quais são as principais atividades teóricas que você tem ao longo da sua residência.

Germano: Tirando algumas alterações por conta da pandemia, normalmente uma reunião clínica semanal com discussão de caso clínico, artigo científico e uma aula ministrada por docente, além de cursos teóricos semanais de Córnea e Refração/Óptica, aulas de glaucoma e discussão de artigos/casos clínicos de Retina.

João: Aproveitando o embalo: de 0 (nada) a 10 (demais), o quanto sua residência foca em parte acadêmica? Explica pra mim como você enxerga o foco na parte acadêmica dentro da USP-RP. 

Germano: Nota 8. 

João: Queria entender mais sobre a sua nota. Conta mais pra gente sobre como você enxerga o foco na parte acadêmica na instituição em que você faz residência.

Germano: Os docentes são muito focados na publicação de artigos, com participação de residentes e pós graduandos, com grande produção de artigos em diversas subespecialidades (principalmente Retina, Glaucoma, Oculoplástica).

João: Quais os pontos fortes da sua residência na USP-RP?

Germano: Acredito que o forte seja a variedade de casos que vemos ao longo da residência, por ser um serviço de referência no interior de SP, além do volume de pacientes que passam pela Oftalmologia no HC todos os dias.

João: E tem algum ponto que você acha que poderia melhorar?

Germano: Ambulatórios menos lotados poderiam render discussões mais produtivas de casos, principalmente no HC, onde o volume é grande.

João: Dá pra conciliar a residência com plantões externos? A maioria faz isso?

Germano: Sim, principalmente na Oftalmologia, que é uma residência com uma carga horária mais flexível, considerando outras mais puxadas. A grande maioria dos residentes trabalha fora em outros períodos.

João: A residência em Oftalmologia na USP de Ribeirão Preto disponibiliza quais “comodidades” para os residentes?

Germano: Disponibiliza alimentação em todos os estágios, no HC temos café da manhã, almoço e jantar (se necessário) todos os dias, inclusive aos finais de semana, sem restrição. Para estágios externos, é disponibilizado o transporte (apesar de muitos optarem por ir de carro próprio); não é oferecida moradia.

João: Você é do estado de São Paulo mesmo, né? Você conhece alguém de fora que voltou ou pretende voltar para a cidade de origem após a residência? Acha que é possível se inserir bem no mercado?

Germano: Sim, eu sou um exemplo. Eu sou do estado de São Paulo, mas não sou de Ribeirão Preto. Estou tentando voltar para minha cidade de origem (cidade ao lado) e consegui uma oportunidade bem importante. Acredito que saímos com uma boa formação para buscar trabalho onde achar mais atraente.

João: Tem mais alguma coisa que você queira falar sobre a sua residência que a gente não perguntou?

Germano: Acredito que, como toda residência, temos pontos positivos e negativos. A diversidade de casos que vivenciamos ao longo da residência, diversidade cirúrgica, possibilidade de participar de trabalhos científicos/publicação de artigos, além do nome forte da USP-RP, são coisas que falam muito a favor de fazer residência por aqui.

Gostou de saber mais sobre como é fazer residência em Oftalmologia na USP-RP?

Bacana, né? Os estágios são bastante exigentes e possibilitam uma vivência incrível, não é mesmo? A gente viu que dá pra pegar muita mão, aprender muito sobre como pensar nas hipóteses diagnósticas e conduta e a experiência de um atendimento majoritariamente humano é marcante na formação!  

E se é lá no interior que mora o seu sonho de residência médica, então, bora pra Ribeirão! Não perde tempo, nem deixa passar nadinha! A gente te conta tudo sobre como são os processos seletivos para a residência médica da USP-RP no nosso Guia Definitivo da USP-RP! E você também pode saber mais sobre quais são os temas e focos que mais caem na prova no nosso Guia Estatístico da USP-RP.

Sabia que a USP de Ribeirão Preto possui um dos processos seletivos para residência médica mais concorridos do estado de São Paulo? Então, se você quer estar lá no ano que vem, vem com tudo e vem com a gente! Na Academia Medway você encontra materiais 100% gratuitos que vão te ajudar a saber tudo sobre a residência médica. 

Curtiu essa entrevista e quer saber mais? Corre aqui no blog pra saber sobre os outros programas de residência médica e confira quais são as instituições mais buscadas pra fazer residência médica em Oftalmologia em  São Paulo!

Se você quer saber mais ainda sobre outros programas de residência médica, então fica ligado, pois estamos sempre trazendo entrevistas sobre como é a residência nas principais instituições do Brasil! Não deixe de comentar aqui sobre o curso que você quer, que a gente conta tudo pra você nos próximos artigos! 

E como está sua preparação para as provas de residência da USP-SP e da USP-RP? Dá mole não! Você já pode começar a estudar agora! Estão abertas as matrículas para o Extensivo São Paulo – nosso curso que rola ao longo do ano inteiro com videoaulas sobre os temas que você precisa saber e um app com milhares de questões comentadas. Além disso, ao se matricular, você ganha o Intensivo como bônus a partir do meio do ano! Corre que ainda dá tempo de se inscrever. Bora pra cima! 

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram
JoãoVitor

João Vitor

Capixaba, nascido em 90. Graduado pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) e com formação em Clínica Médica pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HC-FMUSP) e Administração em Saúde pelo Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE). Apaixonado por aprender e ensinar.