Curso de dermatologia: opções para quem quer se especializar

Ser dermatologista não é tarefa fácil. Para chegar lá, você precisa percorrer primeiro o caminho da graduação em Medicina, por seis anos, e cursar a residência médica por mais três! Isso porque o curso de Dermatologia é uma especialidade da carreira médica que vai cuidar do maior órgão do corpo humano, a pele! Obviamente, isso significa muitas horas de estudos pra poder capacitar o médico a agir com segurança no diagnóstico e no tratamento das doenças de pele e também em unhas e cabelos. 

Durante o período da residência médica em Dermatologia, os residentes rodam em diversos estágios, contemplando tanto a parte clínica e procedimentos cirúrgicos quanto outros temas como cosmiatria, oncologia, dermatopatologia, doenças auto-imunes e terapia com imunobiológicos!

Nós já conversamos com muita gente bacana que está na residência e contou tudo pra gente, tim-tim por tim-tim, sobre como são os estágios, os plantões e as discussões com os professores! Corre aqui e dá uma olhada em como é a residência médica em Dermatologia na USP, na Unifesp e na Unicamp.

Nos três anos de treinamento em serviço, muitos médicos já vislumbram o futuro da profissão e buscam cursar algumas subespecialidades — afinal de contas, quanto mais conhecimento e especificidade o médico tiver, maiores são as suas chances de se destacar no mercado de trabalho. E são muitos os caminhos que podem ser seguidos: Cirurgia, Cosmiatria, Dermatopediatria, Fototerapia, Hansenologia, Oncologia Cutânea e diversas outras subespecialidades!

Mas você deve estar pensando, como eu começo isso tudo? Pela residência! E olha a boa notícia: como o curso de Dermatologia é uma especialidade de acesso direto, diversas instituições no país oferecem centenas de vagas, todo ano. Você já pensou em fazer Dermatologia em São Paulo? Então, pode conferir aqui as principais escolas para você realizar o seu sonho. 

O curso de dermatologia é uma opção para quem quer se aprofundar na área

Posso substituir a residência por um curso de Dermatologia?

Muita gente nos pergunta se “é plausível substituir a residência médica por um curso de Dermatologia”. Vamos ser sinceros: para ser dermatologista mesmo e se declarar especialista, só se você fizer a residência! No entanto, existem algumas possibilidades que não são muito comuns e, talvez por isso, não sejam muito conhecidas, mas que acontecem. Quer saber? Vem comigo! 

Todo mundo sabe que a jornada para residência médica é feita de luta e muita concorrência, né? E nem todo mundo está disposto a passar por isso, ou não tem tempo, ou ainda enfrenta muitos fatores pessoais que impedem que, no momento, a residência seja uma opção. Mas, ainda assim, quer se especializar.

Um caminho viável é a pós-graduação em Dermatologia, que pode ser realizada presencialmente ou na modalidade EaD. Muitas instituições de ensino médico, tanto públicas quanto particulares, oferecem essa possibilidade como alternativa de especialização em áreas da medicina. Mas vale a pena? 

Tudo vai depender dos seus objetivos. Para quem quer lecionar, o bom mesmo é cursar o mestrado e o doutorado — as especializações stricto sensu. Mas e a pós? A pós-graduação lato sensu em Dermatologia é uma capacitação acadêmica em uma determinada área, com aplicabilidade imediata no mercado e com duração de 12 a 18 meses, mas que, diferentemente da residência, não confere o título de especialista na área. Mas por quê? Porque apenas a residência médica fornece o treinamento prático em serviço, nos muitos estágios rodados no R1, R2, R3 e até R4.

Instituições renomadas, como a USP-SP (Universidade de São Paulo) e o Einstein (Centro de Educação em Saúde do Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa do Hospital Albert Eisntein), todo ano abrem vagas para cursos de especialização em Dermatologia, na modalidade de pós-graduação lato sensu, com duração mínima de 360 horas pra qualificar profissionais, aprofundando conhecimentos e competências na área dermatológica. Vale notar, no entanto, que essas vagas são pagas.

Claro que algumas instituições de ensino, com a UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) por exemplo, proporcionam aos estudantes de pós-graduação lato sensu em Dermatologia, experiências similares às de residência médica no que tange a estágios, plantões e prática, mas, ainda assim, não conferem o título. 

No entanto, ao escolher esse caminho, você também pode ter o título — assim como quem concluiu a residência médica — fazendo a prova do TED (Título de Especialista em Dermatologia). O exame é realizado pela SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia), que mantém convênio com a AMB (Associação Médica Brasileira) pra conferir a titulação.

É muito importante a gente frisar aqui que, de acordo com o Art. 4º da Resolução do CFM Nº 1634 de 2002, o médico só pode declarar vinculação com especialidade ou com a área de atuação quando de fato possui o título ou certificado a ele correspondente, devidamente registrado no Conselho Regional de Medicina. A regra é clara!

Mas viu só? Não existe apenas a residência médica como caminho pra especialização, apesar de ela ser a mais usual entre os profissionais. 

E antes de você correr pra buscar uma pós-graduação, pesquise bem as instituições de ensino e confira as atribuições do MEC (Ministério da Educação) quanto à carga horária obrigatória e demais requisitos técnicos para que você consiga se inscrever na prova de titulação. 

Outros tipos de cursos de Dermatologia

Um dos pontos que mais atrai os futuros residentes para o aprimoramento profissional é a imensa oferta dos mais variados tipos de cursos complementares e de extensão na área de dermatologia para todos os públicos. Para se decidir, você só precisa saber qual se encaixa melhor na sua realidade. 

Para quem já está formado, as especializações focadas em alguns nichos, como a Dermatologia Estética, também chamada de Cosmiatria, têm bastante procura no mercado, mas é um conteúdo que não se vê muito durante a residência. Já fizemos um artigo inteirinho sobre essa variante do curso de Dermatologia! Ainda não viu? Vem cá pra saber tudo sobre essa especialidade. É uma forma de conhecer melhor as tecnologias mais recentes e se atualizar num mercado que está em ampla ascensão, que dá bastante retorno financeiro e cuja demanda não para de crescer!                      

Agora, essa dica é pra quem ainda está na residência ou na pós-graduação, mas com um olho no peixe e outro no gato, e tem consciência de que todo aprendizado transforma: sabia que já existem cursos voltados aos médicos que buscam constante atualização mas que não necessariamente são um curso de Dermatologia, especificamente?

Se você é um deles e quer conhecer mais sobre algum tópico ou tema da Dermatologia, se liga nesse curso online que a UNA-SUS (Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde) já tem! É um curso de capacitação totalmente online para profissionais da área da saúde e que vai tratar das doenças dermatológicas prevalentes nos serviços de Atenção Primária à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

Tudo isso para ajudar os residentes ou médicos já especializados em outra área a aumentar a sua capacidade de resolução das doenças da pele, integradas às outras áreas da saúde, e atender às demandas principais de dermatologia nas UBS (Unidades Básicas de Saúde) de todo o Brasil.

Uma ajuda: áreas da dermatologia em que você pode se especializar

Além da residência médica em Dermatologia, ainda há a possibilidade de mais aprofundamento pra se destacar no mercado e se tornar referência na área. Vem com a gente conhecer um pouquinho sobre elas! 

A Dermatologia Clínica e Preventiva é responsável pelo diagnóstico, prevenção ou tratamento das doenças e problemas que atingem a pele, unhas, pelos corporais e cabelos. 

Já a Onicologia é uma subespecialidade da dermatologia que se ocupa do diagnóstico e do tratamento clínico-cirúrgico das doenças que acometem a unidade ungueal, como unhas encravadas, frágeis ou com fungos que podem levar a cânceres se não tratados adequadamente. 

A mais famosa das subespecialidades da Dermatologia é a Cosmiatria, que estuda e trata da estética de forma ampla, ética e profissional. E vale lembrar que, além de estéticos, são procedimentos médicos que visam a saúde, a autoestima e o bem-estar dos pacientes que procuram esse especialista para a aplicação de toxina botulínica, preenchimentos, laser para rejuvenescimento, peelings, tratamentos para cicatrizes de acne, depilação a laser e até para remoção de tatuagens.

A Dermatologia Cirúrgica abrange todos os procedimentos realizados na pele ou no tecido subcutâneo e vai lidar com o diagnóstico e tratamento de questões clínicas ou estéticas relacionadas à pele, cabelos e unhas, por meio de técnicas cirúrgicas, cosmiátricas, oncológicas e reconstrutivas. Grande parte dos procedimentos mais conhecidos em Cirurgia Dermatológica é minimamente invasivo e vai requer apenas anestesia local, como biópsias; remoção de pintas, de cistos, lipomas e tumores; além de correção de cicatrizes; realização de procedimentos com peelings e dermoabrasão; transplante de cabelo; cirurgia de unhas; procedimentos a laser; tratamento do câncer da pele com retalhos e enxertos para reconstrução; cirurgia oncológica micrográfica etc.

Na Dermatologia Oncológica o foco é o diagnóstico, tratamento e prevenção de câncer de pele por meio de diagnósticos por imagens e exames não invasivos, como o mapeamento corporal total e a dermatoscopia digital, quando não é possível identificar a lesão a olho nu. 

A Hansenologia também é uma subespecialização da Dermatologia que cuida especificamente da hanseníase e todas as suas complicações.

E pra quem não sabia dessas, ainda temos a Estomatologia, voltada para o atendimento de pacientes com doenças na cavidade bucal; a Dermatologia Laboratorial que se centra no estudo de práticas no laboratório que contribuem para a produção de um diagnóstico e prognóstico mais fidedigno, bem como suas confirmações, e a Dermatopediatria cujos cuidados da pele das crianças e adolescentes são os objetivos principais. 

Viu só como são inúmeros os caminhos que podem ser seguidos na Dermatologia? E não se trata apenas de mais um curso, não! São 2 ou mais anos de estudos – a depender da instituição escolhida, pra se ter mais conhecimento e experiência numa área ainda mais específica pra poder atuar com segurança e eficiência no dia a dia. 

A residência em dermatologia

Como nós dissemos anteriormente, para ser de fato um dermatologista, o caminho da residência médica é o mais indicado. Isso não quer dizer que outros cursos não sejam opções igualmente capazes de te dar uma boa base teórica, mas a questão é justamente a prática.

A residência médica em Ortopedia e Traumatologia tem duração de 3 anos e, dentro desse período, você vai passar a maioria esmagadora do tempo aprendendo na prática, com o auxilio de médicos experientes e usufruindo e aprendendo com a estrutura do hospital. Vale lembrar que essa é uma especialização de acesso direto, o que significa que você pode prestar o processo seletivo assim que receber o seu diploma da graduação.

Curtiu? Que tal pensar em um curso de Dermatologia para o seu futuro?

Essa pode ser a residência médica dos seus sonhos! E que tal ficar pronto pras provas de residência em Dermatologia? Saiba que ainda dá tempo de se preparar e conquistar seu objetivo. No nosso blog já contamos tudo – tudo mesmo e “papo reto” – sobre como é a prova de residência médica da USP! Precisa de mais conteúdos? Conta com gente nessa empreitada! Aqui a parceria é forte! Na Academia Medway você encontra tudo, tudo mesmo, sobre o que você precisa saber pra mandar muito bem nas provas de residência de todo o país. 

E pra você se preparar do jeito certo pra USP-SP, dá uma olhada no Guia Definitivo da Residência Médica na USP-SP que a gente fez pensando em você, que sonha em estudar na maior instituição de ensino médico da América Latina! Se você quer saber como passar na residência em Dermatologia, bora pra cima! Vamos estudar juntos! 

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram
JoanaRezende

Joana Rezende

Carioca da gema, nasceu em 93 e formou-se Pediatra pela UFRJ em 2019. No mesmo ano, prestou novo concurso de Residência Médica e foi aprovada em Neurologia no HCFMUSP, porém, não ingressou. Acredita firmemente que a vida não tem só um caminho certo e, por isso, desde então trabalha com suas duas grandes paixões: o ensino e a medicina.