Carregando

Monilíase: o que é, diagnóstico e tratamento

Fala, pessoal! Hora de falarmos sobre um tema que, certamente, quem já passou pela pediatria viu bastante: monilíase (ou candidíase oral). Quem ainda não lidou com uma mãe queixando-se de placas brancas na boca do seu filho? Que tal a gente destrinchar tudo aqui para ninguém mais ter dúvidas sobre como manejar esses casos? Vamos ver suas causas, diagnóstico, tratamento e, até mesmo, darmos uma passadinha em outra queixa bem frequente: a dermatite de fralda. Vem com a gente que vai ser sucesso! 

Mas o que é monilíase?

PARÁGRAFO – Vamos lá, galera! Monilíase (ou candidíase oral) é uma infecção fúngica causada pela Candida sp que pode acometer qualquer parte da cavidade oral: palato, língua, gengiva e mucosa oral. Ela vai aparecer para a gente como pápulas e placas esbranquiçadas ou acinzentadas aderidas à mucosa. Olhem a foto abaixo que mostra exatamente como vocês vão ver a boca do nosso paciente na consulta. 

Criança com sintoma de monilíase
Fonte: Documento científico, Departamento científico de dermatologia, SBP, “Infecções fúngicas superficiais”, 2019-2021

Existem algumas formas da nossa criança adquirir esse fungo, podendo ser pela própria via de parto, durante a amamentação caso haja contaminação do seio materno, pelo uso de mamadeiras e chupetas que não foram esterilizadas direito e, até, pelo beijo de adultos contaminados! Popularmente a monilíase é conhecida, também, como sapinho. Na maioria das vezes teremos uma criança completamente assintomática e que chegará com a mãe se queixando de encontrar “manchas brancas na boca” do seu filho, algo parecido com leite coalhado e que se mantém apesar da higiene oral. Acontece que existe uma minoria que vai apresentar sintomas e os mais comuns são: dificuldade de se alimentar, recusa das mamadas, dor e agitação. Se a monilíase for em uma criança maior, podemos ter um paciente que se queixa de sensação de boa seca ou de alteração na textura da sua boca. Ué, como assim? Como se tratam de lesões pseudomembranosas, eles podem relatar que estão sentindo áreas mais macias e felpudas dentro da boca. Quando examinamos, lá estarão elas, as placas esbranquiçadas características da monilíase. 

E como a gente diagnostica a monilíase?

Vocês estarão diante dessa criança e sua mãe com a queixa da alteração oral, certo? E aí, como vamos fazer para confirmar o diagnóstico de monilíase? A forma mais simples de fazer isso é através da clínica mesmo, galera. Tentamos fazer a raspagem das placas com um abaixador de língua, por exemplo. Se forem restos de leite não vamos ter dificuldade alguma para desgrudar da mucosa e nem outra alteração, beleza? Se for, realmente, um quadro de monilíase, vamos ter uma certa dificuldade de raspar essas lesões e, quando conseguirmos, restará apenas uma área erosiva na mucosa oral, com características inflamatórias. E se, ainda assim, restarem dúvidas? Existe um teste com KOH a 20% que pode ser feito no material da raspagem. Uma vez colocada essa substância ao microscópio, identificamos as leveduras da Cândida e confirmamos o diagnóstico que tinha deixado uma pontinha de dúvida. Fechamos o diagnóstico de monilíase? Agora precisamos dar a prescrição para a mãe do nosso paciente, né?

Como vai ser o tratamento da monilíase?

Uma vez diagnosticada, temos que indicar o melhor tratamento para essa infecção. No caso da monilíase, além do remédio, é importante a gente saber algumas medidas de limpeza e esterilização para ensinarmos para as mães, certo? A primeira escolha para o nosso tratamento será a solução de nistatina oral na dose de 100.000 unidades em cada canto da boca. O que isso quer dizer? Basicamente nossa prescrição será “1ml em cada canto da boca” e deverá ser repetido 4x ao dia até 2 dias após a resolução das lesões. Outros medicamentos também podem ser alternativa no tratamento da monilíase e são eles:

  • Clotrimazol ou miconazol tópico por 7-14 dias
  • Fluconazol oral 6 mg/kg no primeiro dia e, depois, 3mg/kg/dia por mais 7-14 dias. 

E a violeta genciana? Não usamos mais? Não! Ela já foi muito utilizada antigamente, mas foi relacionada com aumento do risco de câncer, irritação, ulceração, além de manchar lábios e roupas das crianças, por isso, não indicamos mais no tratamento da monilíase. Além disso, lembram que falamos sobre algumas medidas de higienização? Serão importantíssimas para o tratamento e para evitar a recorrência da monilíase. É importante orientar os responsáveis sobre a forma certa de esterilizar chupetas e mamadeiras, sobre evitar os beijinhos no rosto e nas mãos do bebê e, caso haja evidência de contaminação do seio materno, indicaremos o tratamento tópico para a mãe também. 

Mas e a tal da dermatite de fralda? O que é isso?

Fonte: Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Dermatologia na Atenção Básica – 1ª edição. – Brasília: Ministério da Saúde, 2002

Pessoal, a dermatite de fralda nada mais é do que uma dermatose causada pelo aumento da umidade e fricção de regiões de dobras na pele. Muito frequentemente existe uma infecção da Candida albicans junto e, quando isso acontece, temos a chamada candidíase perineal. Pensem com a gente: fungo gosta de um local bem quente e úmido para proliferar, certo? A região da fralda dá para ele todas as condições perfeitas para crescer! Trata-se de uma área quente (abafamento causado pela fralda fechada), úmida (acúmulo de urina, limpeza mal feita) e bem fechada, principalmente pela presença das dobras da região inguinal. A Candida albicans encontrou o lugar perfeito para ela!

Teremos uma lesão bem eritematosa, em placas bem definidas, com pápulas disseminadas e áreas de erosão, ou seja, pequenas descamações podendo apresentar sangramento local. Começa na área perianal e se espalha por todo o períneo e região inguinal, as fotos acima exemplificam bem.

Normalmente a mãe chegará com a queixa de uma assadura muito importante e que não melhora de jeito nenhum, independente das pomadas de assadura que ela usar. Para diagnosticar, podemos usar o teste de KOH também, mas ele é essencialmente clínico

Fonte: Documento científico, Departamento científico de dermatologia, SBP, “Infecções fúngicas superficiais”, 2019-2021  

Vamos tratar essa lesão? 

O tratamento dessa dermatite é bem parecido com o da monilíase: a nistatina! No entanto, será de forma tópica 2-4 vezes por dia por 14 dias. Além disso, é importantíssimo saber orientar os responsáveis sobre as medidas básicas de cuidado como manter a região bem seca e limpa, trocar a fralda com frequência para evitar que haja acúmulo de urina e usar roupas preferencialmente de algodão. Mas não se enganem, ela não acontece apenas em bebês! Temos casos em crianças maiores com quadros de obesidade ou hiperidrose e temos que controlar esses fatores se quisermos diminuir a recorrência dos episódios. Para aqueles mais graves com ulceração da pele e exsudato, podemos associar fluconazol via oral por 7-14 dias e, lembrem-se de nunca usar corticoide nesses tratamentos pois aumenta a chance de atrofia da pele. 

É isso!

É isso aí pessoal! Vimos um panorama bem geral de duas queixas muito comuns nos consultórios de pediatria, a monilíase e a dermatite de fraldas. Agora não resta mais dúvida de como fazer o diagnóstico e tratar essa lesão, certo? Temos certeza de que vocês vão acertar todos a partir de agora! E se alguém está pensando em levar a pediatria para frente e prestar prova de residência para essa especialidade em São Paulo, tem muito mais conteúdo aqui para vocês! Que tal darem uma olhada em alguns posts aqui do blog que já fizemos como o que explicamos tudo sobre a pediatria ou explicando o que é a dermatologia pediátrica, já que estamos falando de dermatites aqui, né? 

E que tal dar uma conferida na Academia Medway? Por lá disponibilizamos diversos e-books e minicursos completamente gratuitos! Por exemplo, o nosso e-book ECG Sem Mistérios ou o nosso minicurso Semana da Emergência são ótimas opções pra você estar preparado para qualquer plantão no país.

E, antes de você ir, se você quiser aprender muito mais sobre diversos outros temas, o PSMedway, nosso curso de Medicina de Emergência, irá te preparar para a atuação médica dentro da Sala de Emergência!

E se você é um dos que vai prestar prova de residência no fim de 2022, tenho mais uma dica para você: estamos com tudo pronto para a Masterclass deste ano! Na Masterclass, o maior evento de Mentoria em residência médica do Brasil, você vai aprender o caminho para chegar aos 80% e ser aprovado em todas as provas de residência que você prestar. E a edição 2022 está cheia de novidades! Entre os dias 17 e 23/01, além de 3 aulas grátis, você vai ter plantões de dúvidas com o time de mentores da Medway e até a oportunidade de testar a Medway Mentoria gratuitamente! Faça já sua inscrição na Masterclass 2022 aqui!

Valeu galera, até mais!

*Colaborou Carolina Sausmikat

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram

É médico e quer contribuir para o blog da Medway?

Cadastre-se
CarolinaSausmikat

Carolina Sausmikat

Carioca, nascida na cidade do Rio de Janeiro em 1989, formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) em 2014. Pediatra pelo Hospital Municipal Souza Aguiar (concluído em 2017) e Neonatologista pela Unicamp (concluído em 2020). Só com a educação construiremos um futuro melhor.