O que faz o dermatologista pediatra: saiba tudo sobre essa especialidade

Para cuidar de crianças você não precisa, necessariamente, focar na Pediatria. É possível unir múltiplos interesses e indicações do seu teste vocacional. Duvida? Pois é exatamente assim que atua o dermatologista pediatra.

Esse profissional integra práticas do cuidado com crianças ao atendimento com foco na saúde da pele infantil. Para tanto, precisa dispor dos conhecimentos certos e de um bom nível de especialização.

Se estiver interessado na área, venha entender tudo sobre a forma de agir do dermatologista pediatra e explore a especialidade!

O dermatologista pediatra é um profissional às vezes esquecido, pois essa especialidade não possui nem mesmo programa de residência. Apesar disso, é uma profissão essencial

O que é a Dermatologia Pediátrica?

A Dermatologia Pediátrica é a área exclusivamente dedicada ao cuidado com a saúde da pele de bebês e crianças. É como se fosse uma subespecialidade da Dermatologia, embora não tenha um programa de residência específico.

Essa área de atuação inclui desde o atendimento clínico para anamnese diante da manifestação de sintomas até a elaboração de protocolos de tratamento ou mesmo cuidados cirúrgicos — como a retirada de um tumor epidérmico, por exemplo.

Como é a rotina do dermatologista pediatra?

A atuação de um profissional dessa área vai além dos cuidados pediátricos ou dermatológicos. O próprio nome revela a importância de trazer uma abordagem multidisciplinar e que integre os conhecimentos. Dessa maneira, é possível garantir que os resultados sejam mais adequados.

Então, tudo começa com o atendimento inicial prestado ao bebê ou à criança. Os pais ou responsáveis podem levar o pequeno para uma consulta após notar um problema de pele ou depois de receber recomendação do pediatra, por exemplo.

Como a pele dos bebês é especialmente fina, sensível e delicada, eles estão mais suscetíveis a sofrerem com problemas no maior órgão do corpo humano. Sendo assim, cabe ao dermatologista identificar os sinais e, após avaliação física ou mesmo exames, oferecer um diagnóstico.

A partir disso, ele deverá definir o tratamento com as características adequadas para garantir um cuidado completo com a pele infantil. Essa parte é crucial, porque o dermatologista pediatra deve entender a criança como ela é, com necessidades e aspectos específicos — e não como uma versão em miniatura do adulto.

O médico também pode e deve realizar um acompanhamento sobre o andamento do tratamento, o que permite alcançar resultados dentro do previsto.

Como é o mercado de trabalho?

Uma das vantagens de atuar como dermatologista pediatra é que há muitas oportunidades disponíveis no mercado de trabalho, embora seja uma subespecialidade. Basicamente, você pode começar pensando em atuar no setor público ou privado. Algumas instituições de referência do setor público têm vagas para quem atua especificamente nessa área, então vale a pena considerar.

Além disso, você pode trabalhar em hospitais pediátricos. Em ambientes desse tipo, é possível prover um cuidado multidisciplinar completo, já que há outros especialistas disponíveis de diversas áreas do cuidado com as crianças. É frequente trabalhar como médico parecerista nos serviços de enfermaria, emergência e terapia intensiva!

Também é possível abrir a própria clínica ou atuar de forma autônoma no consultório. Dessa maneira, você tem maior liberdade para atender aos casos e montar os seus horários. Com frequência, casos como dermatites atópicas graves, alopécias, e doenças mais raras como buloses caem nas mãos dos dermatopediatras, provendo um amplo leque de atuação!

Dependendo das oportunidades disponíveis, é viável combinar várias delas. Você pode realizar plantões em um hospital de referência e manter o próprio consultório ou atuar em várias clínicas da região, por exemplo.

Qual é a faixa de remuneração?

Como a área é bastante específica, há poucas informações diretas sobre os ganhos do dermatologista pediatra. Contudo, é possível ter uma base ao conhecer os ganhos do médico dermatologista — e o levantamento do site Salario.com.br pode ajudar!

Considerando 74 salários, o ganho médio é de R$ 4,5 mil mensais, por 15 horas de trabalho semanais. O piso salarial, por sua vez, gira em torno de R$ 4,1 mil, enquanto o teto pode alcançar R$ 9 mil.

Você ainda poderá ganhar valores diferentes, de acordo com o local de trabalho que escolher. Veja a divisão entre unidades federativas, com a carga horária correspondente:

  • São Paulo: R$ 4,7 mil (13 horas semanais);
  • Rio de Janeiro: R$ 5,5 mil (25 horas semanais);
  •  Rio Grande do Sul: R$ 4,9 mil (17 horas semanais);
  • Bahia: R$ 3,3 mil (21 horas semanais) e assim por diante.

Instituições maiores costumam pagar mais e profissionais com maior nível de experiência também têm mais ganhos. Nessas condições, o salário pode chegar a ultrapassar o valor de R$ 6,2 mil mensais, como base.

Caso você seja contratado via CLT, ainda poderá ter direito a adicionais, que vão de R$ 447 a R$ 1,8 mil por mês.

Só que é preciso considerar que o dermatologista pediatra é ainda mais especializado e que, por isso, tem chances de ganhar mais. Dependendo do volume de atendimentos e da população infantil na região, dá para multiplicar consideravelmente os valores. Lembre-se, ainda, da possibilidade de atuar em outros países, como nos Estados Unidos, mediante reconhecimento do diploma.

Onde você pode atuar?

Como dissemos, a Dermatologia Pediátrica já é um tipo de subespecialidade e, portanto, uma área de atuação da Dermatologia. No entanto, dá para ir além e entender quais são os temas mais comuns na profissão.

É muito provável que você veja um pouco de todos eles no cotidiano, mas também pode focar esforços em certas abordagens. Por isso, veja alguns quadros que podem receber a sua atenção exclusiva!

Dermatites

As dermatites estão entre os problemas dermatológicos mais comuns nas crianças, e constituem basicamente em inflamações da pele, que podem . Elas podem acontecer por diversos motivos, inclusive as dermatites de contato algum tipo de alergia à fralda descartável ou aos cremes antiassaduras, por exemplo. ou a dermatite atópica.

Caberá a você identificar corretamente o tipo de dermatite e definir a melhor maneira de conduzir o quadro, de modo a aliviar os sintomas e reverter a situação.

Infecções de pele

Quanto mais jovem é a criança, mais fina tende a ser sua pele, o que a torna muito sensível. No caso de bebês, especialmente, a atmosfera fora do útero é considerada seca e pode causar pequenas rachaduras e lesões.

Além disso, a gente sabe que é difícil, por exemplo, convencer uma criança a não coçar uma picada de mosquito, ou não “futucar” uma feridinha, certo? O grande problema é que isso abre as portas para infecções bacterianas, virais ou fúngicas que atacam a pele, como micoses, celulite, molusco contagioso e assim por diante. Então, é preciso agir com precisão no tratamento para combater os patógenos.

Inclusive, sua atuação também é importante para lidar com quadros como catapora, rubéola ou mesmo infestações de piolhos.

Tumores de pele

O hemangioma é um tipo de tumor vascular e está entre os mais comuns para crianças. Como pode se desenvolver rapidamente, pode causar problemas sociais ou até comprometer o funcionamento de membros e órgãos.

Ao dermatologista pediatra cabe a função de acompanhar o quadro para verificar a necessidade de tratamento ou a possibilidade de regressão, por exemplo.

Doenças crônicas e congênitas

Dependendo do histórico familiar e do próprio organismo, as crianças podem desenvolver doenças crônicas de pele ou nascer com condições congênitas. A psoríase é um caso bastante conhecido, mas também há outrasa dermatites crônicas, as alergias diversas e assim por diante.

Nessas situações, você deverá atuar para aliviar os sintomas e orientar a família para que evitem condições que possam agravar o quadro, por exemplo.

Reações a medicamentos e produtos

Como a pele infantil é extremamente sensível, ela pode sofrer reações causadas pela aplicação tópica de produtos, desde cremes para proteger de assaduras até medicamentos para questões específicas.

Diante dessas ocorrências, a sua atuação como dermatologista passa a ser fundamental para evitar danos permanentes, como marcas e cicatrizes. Também deverá ajudar na reversão do processo, devolvendo o aspecto saudável à pele.

Acidentes domésticos

Nem todo mundo nota, mas um dermatologista pediatra também precisa lidar com certos acidentes domésticos. Uma queda que cause um grande machucado pode levar a uma inflamação da pele ou à necessidade de cuidados para evitar danos permanentes, por exemplo.

Queimaduras exigem ainda mais atenção, já que a ação multidisciplinar, que deve incluir a Dermatologia, pode ajudar a conter os efeitos indesejados.

Como se especializar na área?

Para ser um dermatologista pediatra você precisará, em primeiro lugar, se tornar um dermatologista. Portanto, é necessário se especializar na área e a residência é o melhor caminho.

Com a residência médica em Dermatologia, você terá contato com pacientes de todas as idades e com quadros de diferentes gravidades. O contato com os profissionais que já atuam na área e mesmo com os outros residentes também contribuirá para a sua formação.

É muito importante se preparar tanto para a prova teórica quanto para a prova prática, seguindo o edital da instituição escolhida.

Depois de concluir a residência e se tornar um dermatologista, será necessário buscar outra especialização — agora, na pediatria. O ideal é buscar uma pós-graduação devidamente reconhecida na área, além de workshops e simpósios sobre o tema.

Para complementar, é possível se tornar membro de associações, como a Sociedade Europeia de Dermatologia Pediátrica. A partir da união entre conhecimento técnico, participação em eventos, publicação científica e experiência na área, você poderá atender os pacientes da melhor maneira.

O dermatologista pediatra é um especialista de grande relevância no cuidado com a saúde das crianças e sua pele. Com a especialização adequada — e que começa com a residência médica —, você poderá atuar e se destacar na área. 

Mas para chegar lá, o caminho começa na preparação para a residência médica. Dá uma olhada na Academia Medway e comece a se preparar com nossos materiais gratuitos: guias estatísticos, ebooks, aulas grátis e muito mais! 

E pra entrar com o pé direito em 2021 mandando bem em todas as provas de residência médica em SP com desempenho acima de 80%, corre aqui e baixa o e-book com 20 questões de Preventiva que caíram na primeira fase da USP. Todas elas foram comentadas pelo nosso time de professores que têm a visão de quem passou pela instituição e sabem como ninguém como te direcionar para essa banca. 

Bora pra cima! 

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram
AlexandreRemor

Alexandre Remor

Nascido em 1991, em Florianópolis, formado pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) em 2015 e com Residência em Clínica Médica pelo Hospital das Clínicas da FMUSP (HC-FMUSP) e Residência em Administração em Saúde no Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE). Fanático por novos aprendizados, empreendedorismo e administração.