Pneumonia hospitalar: o que é, diagnóstico e tratamento

E aí galera, tudo certo? Seguinte: ultimamente, nós temos falado muito aqui no blog sobre pneumonias. Já falamos sobre a pneumonia comunitária (PAC), sobre a pneumonia intersticial, sobre achados de imagem na pneumonia… mas hoje o papo é outro. Você sabe tudo sobre pneumonia hospitalar? Sabe como ela é diferente da PAC? Quais os agentes etiológicos mais comuns, os fatores de risco e o tratamento — tá sabendo tudo? Não? Então calma! Vem com a gente que vamos te contar tudo que você precisa saber pra dominar a pneumonia hospitalar.

Bora começar com o básico!

O que é pneumonia hospitalar?

A pneumonia hospitalar, como o próprio nome indica, é uma pneumonia, ou seja, uma infecção do trato respiratório inferior aguda, que ocorre em 48 horas ou mais após a admissão hospitalar e que não estava incubada no momento da admissão.

Quais são os agentes etiológicos mais comuns?

  1. Bacilos aeróbicos Gram-negativos: Escherichia coliKlebsiella pneumoniaeEnterobacter spp, Pseudomonas aeruginosaAcinetobacter spp. 
  2. Cocos Gram-positivo: Staphylococcus aureus (incluindo resistentes à meticilina – MRSA) e Streptococcus spp.

Até aqui tudo bem? Já discutimos o que é a pneumonia hospitalar e quais os agentes etiológicos envolvidos. Agora vamos passar para quem são os pacientes que têm risco de a desenvolver, e como fazer o diagnóstico! 

Quais os fatores de risco para pneumonia hospitalar?

Como fazer o diagnóstico da PH?

O diagnóstico da pneumonia hospitalar deve ser feito com associação desses critérios: 

  • Novo ou progressivo infiltrado pulmonar na radiografia de tórax
  • Febre (>38ºC) ou Hipotermia;
  • Expectoração purulenta/ Secreção traqueal purulenta;
  • Leucocitose (>10.000) ou Leucopenia (<4.000);
  • Piora da oxigenação;
  • Culturas positivas do escarro/secreção traqueal. 

Perfeito! Agora, antes de partirmos para o tratamento da Pneumonia hospitalar precisamos reforçar alguns conceitos importantes:

  • Você sabe qual é o conceito de um bacilo gram-negativo resistente a múltiplas drogas (MDR)? 

É a não susceptibilidade adquirida a pelo menos um agente em três classes diferentes de antimicrobianos.

  • Você sabe quais são os fatores de risco para bacilo gram-negativo MDR?
  • E não podemos esquecer do Staphylococcus aureus resistente à meticilina (MRSA)! Lembra dos fatores de risco? 
Fatores de risco para um dos agentes etiológicos da pneumonia hospitalar

Agora sim, TRATAMENTO! 

Como fazer o tratamento da pneumonia hospitalar?

  • Suspeita clínica = coletar culturas + iniciar terapia empírica! 
  • Duração: 7 dias

Esquemas terapêuticos:  

  • Sem fator de risco para MDR ou MRSA ou risco aumentado de mortalidade (Necessidade de suporte ventilatório ou choque séptico):

Piperacilina-tazobactam 4,5 g IV a cada 6 horas 

 – Cefepime 2 g IV a cada 8 hora

 – Levofloxacina 750 mg IV ao dia

  • Com fatores de risco para MDR e MRSA ou risco aumentado de mortalidade: 2 agente com atividade anti-pseudomonas/bacilos gram-negativos + 1 agente com atividade anti-MRSA. 
Fatores de risco para MDR e MRSA, no contexto da pneumonia hospitalar
  • Com fatores de risco apenas para MDR:
  • Com fatores de risco apenas para MRSA:

Ótimo! Definimos a pneumonia hospitalar, identificamos os agentes etiológicos, caracterizamos os fatores de riscos, diagnosticamos e entendemos os esquemas terapêuticos. Agora, será que tem alguma coisa a ser feita para a prevenção? 

  • Importante! Prevenção da Aspiração (cabeceira elevada, minimizar a sedação, drenar secreções, manter a pressão do cuff adequada e aplicar pressão expiratória final positiva naqueles em ventilação mecânica).

Enfim, é isso!

E aí, já deu pra dominar a pneumonia hospitalar? Se tiverem ficado dúvidas, comenta aqui embaixo que a gente responde!

Aproveitando, dê uma olhada no nosso Guia Rápido da Intubação Orotaqueal para garantir que você está craque nesse procedimento tão temido! Nesse material contamos tudo o que você precisa para realizar uma IOT com segurança em qualquer plantão!

No meio tempo, você também pode dar uma olhada no nosso Guia de Prescrições! Com ele, você vai estar muito mais preparado para atuar em qualquer sala de emergência do Brasil!

Pra quem quer acumular mais conhecimento ainda sobre a área, o PSMedway, nosso curso de Medicina de Emergência, pode ser uma boa opção. Lá, vamos te mostrar exatamente como é a atuação médica dentro da Sala de Emergência, então não perde tempo!

Não esqueça de seguir a gente no Instagram @medway.residenciamedica e no YouTube, além de participar de nossos canais no Telegram e bora pra ciiiiima, o único lugar possível.

* Colaborou Amanda Rodrigues Vale, graduando de Medicina na UFSCar

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram

É médico e quer contribuir para o blog da Medway?

Cadastre-se
AnuarSaleh

Anuar Saleh

Nascido em 1993, em Maringá, se formou em Medicina pela UEM (Universidade Estadual de Maringá) e hoje é residente em Medicina de Emergência pelo Hospital Israelita Albert Einstein e também editor e professor do PSMedway.