Carregando

Trombose venosa profunda na Radiologia: de A a Z

Chega mais, pessoal! Este artigo tratará da trombose venosa profunda – a mesma TVP ou somente “trombose” – na radiologia. A intenção é revisar qual o exame padrão-ouro, como ele é executado e achados.

Então, é hora de partir para a abordagem dessa temática tão importante!

Para começo de conversa, o que é trombose venosa profunda (TVP)?

Trombose venosa profunda é a patologia caracterizada pela formação de trombo na luz de veias profundas. Ocorre quando temos aquelas três amigas juntas, a Tríade de Virchow: lesão endotelial + estase venosa + hipercoagulabilidade.

A apresentação clínica é tão clássica que até os leigos conhecem bem. Quem nunca atendeu um paciente que queixa “Doutor, estou com medo de estar com trombose!”?

Nosso paciente irá apresentar dor, vermelhidão e inchaço unilateral em membro inferior de aparecimento agudo. Observação: é possível a ocorrência em outros membros, mas é bem mais raro.

E por que um artigo separadinho só para radiologia?

Porque esse é o momento em que brilhamos, já que o radiologista é necessário para o diagnóstico. Isso acontece porque o exame físico nesta situação não é confiável.

Trazendo números do nosso artigo voltado para clínica da TVP, temos que a especificidade do edema, dor e eritema são, respectivamente, 33%, 19% e 48%. Então, pode ser que seu paciente não apresente:

  • nenhum desses sintomas;
  • ou somente algum desses sintomas;
  • ou esses sintomas em intensidade frustra e, mesmo assim, esteja com uma veia trombosada.

A clínica, portanto, é importante para levantar suspeitas, através da história, exame físico, escores (como o de Wells) ou laboratoriais (como o D-dímero), mas sozinha ela não consegue fechar ou excluir o diagnóstico. Vale a pena ver o artigo que comentei para aprofundar-se nessa parte.

Oba, hora da imagem!

Com a suspeita levantada, vamos para a imagem. Nosso objetivo é ver diretamente o trombo para, assim, fecharmos o diagnóstico. Conseguimos fazer isso de forma sensacional, barata e rápida, através do ultrassom do membro com estudo Doppler, que é nosso padrão-ouro.

Trombose venosa profunda: confira a imagem 1 associada a esse tema!
Transdutor localizado na fossa poplítea. Fonte: Healthline.

Técnica do USG com estudo Doppler voltada para trombose venosa profunda (TVP)

O exame vale-se de três técnicas:

1. Observar em corte transversal (imagina o vaso como uma bolinha) a luz dos vasos ao longo de toda sua extensão procurando algum segmento não-compressível. An? Nós aprendemos na anatomia que a parede das veias pode ser comprimida e colabada facilmente e com pouca força. É isso que fazemos com o transdutor! Aplicamos força na topografia da veia e quando constatamos algum segmento que, após a compressão não colaba, tem trombo ali;

Trombose venosa profunda: confira a imagem 2 relacionada ao tema!
Imagens comparando veias após compressão. Fonte: Semantic Scholar.

2. Aplicar o estudo Doppler. Essa é uma função presente na maioria dos aparelhos de ultrassonografia, que é capaz de identificar o fluxo de movimento das hemácias dentro dos vasos. Procuramos, então, um vaso, observamos-no na longitudinal (famoso “de comprido”) e ativamos o modo Doppler. Se não houver fluxo (cor), há uma obstrução, então deve haver um trombo ali dentro;

Imagem 3 relacionada à trombose venosa profunda: confira!
Visão longitudinal do vaso sem estudo Doppler. Fonte: Radiopaedia.
Imagem 4 associada à trombose venosa aguda: dê uma olhada!
Visão longitudinal do vaso com estudo Doppler. Fonte: Radiopaedia.
Mais uma imagem ilustrativa associada ao tema de que estamos tratando!
Visão transversal do vaso com estudo Doppler apresentando área com ausência de fluxo, inferindo trombo. Fonte: Radiopaedia.

3. Observar diretamente o trombo na luz do vaso. Basta olhar a imagem e você já vai sacar. É interessante notar que, na fase mais aguda da trombose venosa profunda, o trombo não tem diferença de ecogenicidade com o sangue e não será bem visível. Logo, essa técnica não será muito útil. A perda da compressibilidade é a mais fidedigna!

Trombo na luz do vaso. Fonte: Radiopaedia.

Saca só o vídeo da realização de uma ultrassonografia do membro inferior esquerdo para pesquisa de TVP para consolidar a informação: Ultrasound Tutorial: DVT / Lower Limb Veins | Radiology Nation.

Amarrando tudo a respeito da trombose venosa profunda

  • A clínica levanta suspeita, mas não consegue confirmar ou descartar uma TVP;
  • A ultrassonografia com estudo Doppler do membro suspeito é nosso padrão-ouro;
  • Este exame visa identificar algum segmento venoso que não colaba quando realizada compressão manual com o transdutor ou observar, através do estudo Doppler, ausência de fluxo.

Sobre trombose venosa profunda, é isso!

Ficou com alguma dúvida acerca do assunto? Deixe um comentário aqui embaixo! Será um prazer respondê-lo!

Caso vocês ainda não dominem o plantão de pronto-socorro 100%, fica aqui uma sugestão: temos um material que pode te ajudar com isso, que é o nosso Guia de Prescrições. Com ele, você vai estar muito mais preparado para atuar em qualquer sala de emergência do Brasil.

Antes de ir, se você quiser aprender muito mais sobre diversos outros temas, o PSMedway, nosso curso de Medicina de Emergência, irá te preparar para a atuação médica dentro da Sala de Emergência. Abraços e até a próxima!

Referências

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram

É médico e quer contribuir para o blog da Medway?

Cadastre-se
EduardoSoares

Eduardo Soares