Carregando

Urologia: saiba tudo sobre a especialidade

Ao contrário do que muitos pensam, a atuação do profissional de Urologia abrange homens, mulheres, crianças e idosos. É justamente a intervenção de um especialista que devolve o conforto e o bem-estar para muitos pacientes com problemas no trato urinário.

Entre cirurgias e atendimentos, o urologista precisa se dedicar a muitos anos de estudo e conhecimento. Como recompensa, assim que começa a ter autonomia para trabalhar, tem um mercado profissional muito interessante à espera. 

Considera construir carreira nessa especialidade? Então, é hora de saber um pouco mais sobre tudo o que a área oferece. Neste artigo, você confere o que o urologista faz, quais são as funções, o salário e muito mais!

O que o urologista faz?

Na prática, o que o urologista trata? Ele é responsável por tratar os órgãos reprodutores masculinos e cuidar do sistema urinário masculino e feminino. É um médico que precisa ser visitado pelo menos uma vez ao ano, em especial, por homens de 45 a 50 anos.

Isso porque esse especialista diagnostica o câncer de próstata e trabalha métodos de prevenção a essa grave doença. Na Urologia, é possível atuar nas áreas clínica e cirúrgica, com procedimentos terapêuticos, tratamentos diversos e diagnósticos completos.

Também é possível se especializar e começar a atender um nicho mais específico de pacientes. Portanto, é importante realizar uma residência médica em uma instituição de referência na área para ter experiência completa e escolher uma subespecialidade ideal. De forma geral, o urologista trata:

  • impotência sexual;
  • ejaculação precoce;
  • infertilidade;
  • pedra nos rins;
  • dificuldade em urinar;
  • incontinência urinária;
  • infecções urinárias;
  • inflamação no trato urinário.

A rotina de um urologista

A rotina de um médico urologista envolve o atendimento clínico dos pacientes. Ele realiza diagnósticos, prescreve tratamentos, realiza cirurgias e faz rastreamento oncológico. Normalmente, é um especialista que atua sozinho ao lado do paciente até a recuperação e durante as consultas de rotina após esse período.

É possível conciliar a atuação na rede pública e privada, escolher apenas uma delas para trabalhar ou ter o próprio consultório/clínica. O mais importante é que, ao mesmo tempo em que um bom trabalho é feito, o profissional continue a adquirir mais conhecimento.

Isso porque uma das poucas limitações da especialidade é a falta de recursos tecnológicos disponíveis. Mesmo com o avanço da tecnologia e da Medicina, os recursos para a Urologia ainda precisam de certo avanço. Então, o médico tem ainda mais responsabilidade durante a execução de todos os procedimentos.

Para completar, continuar a estudar traz novas informações e experiências para casos de maior complexidade. Afinal, você pode até ter uma maioria de pacientes em exames e consultas rotineiras, mas um caso complicado precisa de atenção específica e pode ajudar a trazer ainda mais reconhecimento para sua carreira.

Mercado de trabalho do urologista

Entendeu melhor o que o especialista em urologia faz? Agora, é hora de ter um panorama sobre como é o mercado e a remuneração para essa área da Medicina. Segundo o Conselho Federal de Medicina (CFM), pouco mais da metade dos urologistas brasileiros atua na região Sudeste.

No total, são pouco mais de 5.000 urologistas cadastrados, ou seja, 2,57 especialistas para cada 100 mil habitantes. As regiões Centro-Oeste e Norte apresentam menor número desses profissionais.

É interessante pensar nessa questão de localização para saber onde você terá melhores oportunidades de trabalho. Porém, isso não significa que você deve se restringir a ela: para um bom profissional, que tenha dedicação e um currículo interessante, é mais fácil se destacar em meio à concorrência.

A procura por urologistas também cresceu. Antes, a especialidade enfrentava um pouco de resistência, em especial, por parte dos homens. No entanto, a conscientização sobre a importância das consultas e dos exames urológicos expandiu-se, e as barreiras são quebradas aos poucos.

Média salarial

A média salarial de um urologista é de R$9.567,80, para mais ou menos 16 horas semanais. Porém, lembre-se de que isso pode variar de acordo com a rede em que o profissional atende, o lugar e até o nível de experiência. Além disso, dependendo da subespecialidade, é possível ampliar os rendimentos.

A residência médica em Urologia

Para se candidatar a uma vaga, o primeiro passo é prestar o processo seletivo para a Cirurgia Geral. Ela tem a duração de dois anos e permite que você conheça todos os tipos de cirurgia para a Urologia. Depois disso, você pode seguir para o segundo passo, que é entrar para a especialização em Urologia.

Durante seus estudos, você terá muita prática. A profissão exige excelentes habilidades cirúrgicas, microcirúrgicas, manuais e avaliativas. Para complementar esses conhecimentos, é preciso participar de aulas, discussões de caso, eventos, seminários e reuniões clínico-patológicas.

Práticas do residente em Urologia

Todos os atendimentos que você presta são devidamente supervisionados pelos tutores. Eles são médicos altamente qualificados, líderes das respectivas instituições. Também há o contato com simuladores, para trazer uma base apurada para a prática.

Como residente, você também fará visitas em enfermarias, interconsultas de pacientes de outras clínicas e tratamentos com pacientes de urgência. É uma carga horária pesada, que pode envolver plantões, mas que, sem dúvida alguma, tem um excelente retorno para a vida profissional.

Ao finalizar o período de residência, você pode optar por anos extras. Além disso, é possível realizar subespecialização em áreas de atuação como: transplante renal, uro-oncologia, uropediatria, andrologia, urologia feminina, disfunções miccionais, infertilidade, entre outras.

Conheça mais sobre a especialidade

Agora que você já sabe tudo sobre Urologia, que tal conhecer mais a respeito das funções de um urologista pediátrico? Assim, você compreende o funcionamento do tratamento do sistema urinário de crianças. Aproveite para conferir outros conteúdos exclusivos sobre residência médica e Medicina de emergência aqui, em nosso blog!

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram
Ana KarolineBittencourt Alves

Ana Karoline Bittencourt Alves

Catarinense nascida em 1995, criada em Imbituba e apaixonada por uma praia. Formada pela Universidade Federal de Santa Catarina em 2018, com residência em Clínica Médica pela Universidade de São Paulo (USP-SP 2019-2021) e professora de Clínica na Medway. "Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua produção ou a sua construção. Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender" - Paulo Freire.