Carregando

Como é a residência em Radiologia na Unicamp

Você já cogitou se tornar um médico radiologista? Essa especialidade atua em conjunto com todas as áreas da Medicina na elaboração de diagnósticos por meio de imagens para detecção de problemas, inclusive em fase inicial. Se esse pode ser o seu caminho, você chegou ao lugar certo, porque hoje vamos falar sobre como é a residência em Radiologia na Unicamp, uma das instituições mais buscadas por quem deseja cursar essa especialidade

A Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp já conta com 57 anos e oferece, ao todo, programas de treinamento em serviço em 47 especialidades. Essa robustez da instituição, junto à tradição que carrega, a tornam muito visada pelos médicos que desejam ter uma residência de respeito no currículo e uma vivência que realmente prepare para a prática da Medicina

No caso da residência em Radiologia e Diagnóstico por Imagem, a duração é de 3 anos. Na Unicamp, essa não é uma especialidade das mais concorridas —  mas nem por isso a prova dispensa um preparo de qualidade por parte dos candidatos. No processo seletivo para ingresso em 2021, 108 inscritos concorreram a somente 10 vagas, resultando em uma relação candidato/vaga de 10,8. Além disso, a prova prática não foi realizada nessa edição em função da pandemia de covid-19, mas não é possível saber se essa mudança vai se manter. Ou seja: na dúvida, esteja pronto. 

Mas como é a residência em Radiologia na Unicamp quando o médico já está lá dentro? Como funciona, quais são os melhores estágios, como fazer pesquisa, como fazer plantões, o que se aprende? Todas essas perguntas foram respondidas pela Isabela, que é R3 por lá, e pelo Vinicius, que já se formou e hoje cursa uma subespecialização — ou seja, é R4. Se liga no que eles contaram pra gente!

A residência em Radiologia na Unicamp é uma ótima opção para quem deseja seguir carreira nessa área

Joana: Vou começar com uma pergunta pessoal, mas que precisa ser feita: na sua opinião, qual é o melhor estágio da residência em Radiologia na Unicamp?

Isabela: Para mim, é o PS laudo, no qual o residente terá amplo contato com os casos do pronto-socorro. 

Vinicius: Neurorradiologia é um dos melhores estágios da residência, até por isso eu escolhi me subespecializar nesta área. Mas os estágios de abdome, PS e ultrassom também são muito fortes na Unicamp. Não tem como você sair da residência sem saber fazer ultrassom adequadamente, e você faz todos os exames.

Joana: Tem algum médico assistente que você considere sensacional ou exemplo para sua formação? 

Isabela: Para mim, é o Dr. André Meneghetti, sempre disposto a ensinar com humildade.

Vinicius: Dr. Fabiano e Dr. Nivaldo, além de ótimos profissionais, sabem muito de Neurorradiologia. Ambos são extremamente dedicados à residência e nos ensinam muito.

Joana: Conta um pouco sobre onde vocês rodam ao longo da residência em cada ano.

Isabela: Na residência em Radiologia na Unicamp, passamos, no R1, por Ultrassom geral, Contrastados, Mamografia, Tomografia Geral (abdome, músculo). No R2, rodamos em US Doppler, procedimentos (PAAF/Biópsias mama/próstata), Tomografia Geral (acrescentando Neurorradiologia), US geral e um pouco de RM. Por fim, no R3 temos Ultrassom geral, TC, e ficamos mais focados em RM.

Vinicius: Radiologia é, basicamente, laudar os exames do hospital, então a gente roda a maioria dos estágios no HC da Unicamp mesmo, cada mês em uma subespecialidade. O residente passa nas grandes áreas da Radiologia uma vez por ano, exceto o R1, que não passa em Neurorradiologia. No R1, os estágios diferentes nos quais residente passa são os de Urorradiologia, no qual ele aprende a fazer Uretrocistografia, e de Gastrorradiologia, em que aprende a fazer exames baritados do trato gastrointestinal. Os demais estágios do primeiro ano são Abdome, Pronto-socorro, Mama, Músculo-esquelético e Ultrassom. No R2, o residente passa pelos mesmos estágios, substituindo os de Urorradiologia e Gastrorradiologia por estágios no hospital Estadual de Sumaré e na Ultrassonografia Obstétrica, além de passar no estágio de Neurorradiologia. No R3, o residente passa duas vezes por cada uma das grandes áreas e uma vez pelo PS.

Joana: Existem estágios eletivos na sua residência? É possível (e comum) fazer um estágio fora do país?

Isabela: Sim, no R3 temos um mês para fazer estágio fora.

Vinicius: No R3, o residente tem um mês em que pode fazer um estágio optativo onde quiser. O meu foi em Toulouse, na parte de Neurorradiologia Intervencionista. Mas você tem que ir atrás do lugar onde quer fazer o estágio por conta própria.

Joana: De forma geral, a residência em Radiologia na Unicamp respeita as 60 horas semanais?

Isabela: Sim.

Vinicius: Sim.

Joana: E qual a carga máxima de plantão da residência? Se existir algum período de descanso pré ou pós-plantão, explica pra gente como é isso.

Isabela: São no máximo 6 plantões por mês, com direito a pós-plantão no período vespertino do dia seguinte.

Vinicius: Sinceramente, eu não lembro quantos plantões foram ao longo da residência, mas você começa a dar plantão 6 meses após entrar na residência e termina os plantões 6 meses antes de concluí-la. Como somos em 10 residentes, isso dá um pouco mais de 30 plantões por ano. No dia após o plantão, o residente tem direito a descanso no período da tarde.

Joana: De 0 (nada) a 10 (demais), o quanto a residência em Radiologia na Unicamp residência foca em parte teórica? Conta pra gente quais atividades teóricas você tem. 

Isabela: Minha nota é 8. No R1, temos aulas diárias de física, Raio-X, Cabeça e Pescoço, Neurorradiologia e participamos de discussão de casos do Abdome.

Vinicius: A nota da parte teórica na residência em Radiologia e Diagnóstico por Imagem na Unicamp é, na minha opinião, 8. Temos aulas toda semana de Cabeça e Pescoço, Abdome, Neurorradiologia, Tórax e Músculo-esquelético.

Joana: Aproveitando: de 0 (nada) a 10 (demais), o quanto a residência em Radiologia na Unicamp foca em parte acadêmica? Pra gente entender melhor sua nota, conta como você enxerga esse aspecto. 

Isabela: Dou nota 8. O lado acadêmico depende do residente. Não há imposição nesse sentido. A pessoa pode ficar três anos sem publicações, mas, se quiser, consegue publicar bastante também, pois alguns chefes têm esse interesse.

Vinicius: Minha nota é 8. Na Unicamp, existem muitos projetos de pesquisa em andamento e muitos dos chefes são pesquisadores, mas parte do residente o interesse em fazer projetos científicos. Se você quiser fazer, será muito legal e você terá muitas oportunidades, mas se não tiver interesse, não será importunado também.

Joana: E quais os pontos fortes da residência em Radiologia na Unicamp?

Isabela: Os casos são muito ricos. A pessoa verá de tudo e isso acho fundamental na Radiologia. Saímos muito preparados para o mercado de trabalho. Conseguimos trabalhar fora desde o R2 e os casos dificilmente nos assustam, pois estamos acostumados com casos bem complexos.

Vinicius: O residente pega muita mão de tudo e o mercado e os hospitais públicos e particulares valorizam muito o médico formado na Unicamp.

Joana: Há algum ponto que você acha que poderia melhorar?

Vinicius: A nossa parte de músculo-esquelético está em processo de melhora.

Joana: Dá pra conciliar a residência com plantões externos? A maioria faz isso?

Isabela: Sim, muitos trabalham com plantões de clínica no R1 e, a partir do R2, começamos a dar plantões de Radiologia. Acho isso um diferencial daqui, pois como existem muitas cidades vizinhas, temos esse espaço.

Vinicius: Dá sim, tendo como foco que a residência é seu maior compromisso. Não pode perder isso de vista. Todos fazem plantões externos durante a residência em Radiologia na Unicamp.

Joana: Quais “comodidades” a residência em Radiologia na Unicamp disponibiliza? 

Isabela: Temos direito a almoço e jantar no refeitório.

Vinicius: Oferece auxílio-moradia em dinheiro e refeição gratuita no restaurante do hospital.

Joana: Nenhum de vocês é natural da cidade da residência. Pretendem voltar para suas cidades de origem depois?

Isabela: Sim.

Vinicius: Não.

Joana: Você conhece alguém que tenha voltado ou queira voltar pra cidade de origem? Acha que é possível se inserir bem no mercado?

Isabela: Conheço algumas pessoas que voltaram sim, inclusive para a minha própria cidade, e estão muito bem colocadas por lá.

Vinicius: Conheço sim. É perfeitamente possível, e diria que o que conta mais é a subespecialidade, digo, é mais fácil você se inserir no mercado da cidade em que você se subespecializou.

Joana: Tem mais alguma coisa que você queira falar sobre a residência em Radiologia na Unicamp que a gente não perguntou?

Isabela: Acho que a residência em Radiologia na Unicamp prepara muito bem o profissional. Os radiologistas saem muito bons. Como em todos os locais, existem seus defeitos. Os residentes se frustram muitas vezes por quererem mais chefes na retaguarda. Mas acho que o que ensina muito são os casos daqui, os próprios pacientes.

Vinicius: Radiologia é uma área muito rica, com muita oportunidade, uma vez que hoje em dia toda consulta médica gera pelo menos um pedido de exame. Para aqueles que gostam de anatomia e de patologia e querem uma vida mais tranquila dentro da Medicina, é uma ótima área.

Curtiu saber como é a residência em Radiologia na Unicamp?

Haja informação, hein? Tudo isso ajuda muito no momento de escolher onde cursar a residência. A Isabela e o Vinicius passaram uma boa ideia do que eles mesmos gostariam de saber antes de serem R1. Espero, de verdade, que essas entrevistas tenham clareado um pouco as coisas por aí!

Agora, pra você conquistar a sua vaga dentro da residência, não pode dar mole na hora de se preparar. Se liga: o seu sonho de entrar na residência lá na frente começa hoje. Por isso, aproveita pra baixar dois materiais que podem fazer diferença pra você: o primeiro é  Guia Definitivo da Residência Médica na Unicamp, com TUDO que você precisa saber pra entrar lá, e o segundo é o Guia Estatístico da Unicamp, com os principais temas que caem nas provas em cada grande área. São dois e-books preparados com carinho pelo nosso time de professores que já passaram pelo que você está passando e conseguiram aprovação nas principais residências do país. 

Por fim, lembra que eu comentei sobre a prova prática lá no começo da nossa conversa? A Medway está com inscrições abertas para o CRMedway online, com mais de 40 estações simuladas gravadas, vários procedimentos mostrados da maneira como são cobrados; aulas de revisão dos temas mais cobrados; lives com comentários das estações cobradas nas principais instituições nos últimos anos; e mais de 300 checklists pra você ficar 100% preparado pra esse momento. Corre pra garantir sua vaga, inscreva-se AGORA

Além disso, vou te fazer um convite: clicando aqui, você acessa a página do Extensivo São Paulo, nosso curso que rola ao longo do ano com videoaulas ao vivo abordando temas que você realmente precisa saber para passar na prova da residência. Além disso, no Extensivo você conta com um app com milhares de questões comentadas e bônus incríveis, como acesso ao Intensivo São Paulo a partir do meio do ano. Vem com a gente, que você não vai estar sozinho nessa jornada! 

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram
JoãoVitor

João Vitor

Capixaba, nascido em 90. Graduado pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) e com formação em Clínica Médica pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HC-FMUSP) e Administração em Saúde pelo Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE). Apaixonado por aprender e ensinar.