Carregando

Qual é a diferença entre médico generalista e clínico geral?

Uma dúvida comum entre a população — inclusive entre os estudantes de medicina — é a diferença entre médico generalista e clínico geral. Algumas pessoas confundem os dois termos, mas eles não se referem ao mesmo profissional.

Então, preparamos um post que explica direitinho sobre esses dois termos para que você veja se alguma dessas é a escolha que já está cogitando nos seus planos para o futuro. Vamos lá!

Imagem ilustrativa sobre qual é a diferença entre médico generalista e clínico geral
Quer saber qual é a diferença entre médico generalista e clínico geral? Continue lendo!

O que é um médico generalista?

Ao terminar a faculdade de medicina, o profissional faz a sua carteirinha do CRM (Conselho Regional de Medicina), e pode começar a exercer a profissão.

Ao chegar nesse ponto, todo médico é um generalista. Isso significa que ele decidiu por não entrar na carreira de especialista ou postergar esse processo.

Esses profissionais têm uma visão geral dos pacientes que atendem, podendo orientar quanto à prevenção e ao tratamento. O generalista geralmente faz um atendimento primário, mas pode ser o responsável por descobrir doenças crônicas, por exemplo. Muitas vezes, ele será o responsável por encaminhar um paciente para o especialista, caso seja necessário.

Esse médico pode cuidar da pessoa em todas as fases da vida e, em alguns casos, estabelecer uma relação duradoura de atendimento ao paciente.

Qual é a rotina do médico generalista?

Fazem parte do dia a dia de trabalho de um médico generalista a solicitação de exames, a realização de diagnósticos, a indicação de tratamentos e a realização de check-ups. Esse profissional também pode atuar de maneira preventiva e na realização de avaliações de rotina.

Além disso, ele pode lidar com doenças como:

  • Diabetes;
  • Infecções;
  • Alergias;
  • Doenças cardíacas nos estágios iniciais;
  • Gastrite e refluxo;
  • Outras enfermidades.

Onde pode atuar?

O generalista pode trabalhar no SUS, em plantões de pronto-socorro, em salas de parto ou prestando atendimento em CTIs. Também pode prestar concursos públicos, alcançando a tão sonhada estabilidade.

Quanto ganha um médico generalista?

De acordo com o site Salário.com.br, um médico generalista ganha, em média, R$9.746,74, para trabalhar 29 horas semanais. O teto pode chegar a R$21.859,51.

O que é o clínico geral?

Bom, para entender a diferença entre médico generalista e clínico geral, precisamos dar o próximo passo. Se após a formação em Medicina, o profissional resolver cursar uma residência em Clínica Médica, se especializa como clínico geral.

Mesmo como clínico, ainda é possível fazer uma subespecialização em alguma das áreas médicas, como oncologia, pneumologia, cardiologia, geriatria, entre outras.

O clínico geral consegue avaliar o quadro do paciente e direcioná-lo para o especialista mais adequado. Por exemplo: duas pessoas chegam com queixas de dor de cabeça. Ao examiná-las, o médico percebe que o primeiro tem um tumor na região, enquanto o outro está desidratado. A partir daí, pode direcionar cada um para o tratamento ou especialista mais adequado.

Trata-se de uma modalidade de trabalho bastante procurada. De acordo com o levantamento de demografia médica de 2020, feito em conjunto pela Universidade de São Paulo (USP) e pelo Conselho Federal de Medicina, os clínicos gerais ocupam 11,3% dos especialistas no Brasil, sendo assim a maior concentração dentro de uma especialidade.

Como é a rotina do clínico?

Um clínico geral geralmente faz o primeiro atendimento (em clínicas ou hospitais), avalia o paciente, prescreve tratamentos, e quando necessário, encaminha o paciente para outros especialistas.

Esse profissional pode lidar com casos bem específicos como gastrite, diabetes, infecções, alergias, entre outras ocorrências.

Por ter uma visão geral, o clínico geral consegue oferecer um atendimento mais amplo. Em muitos casos, ele consegue cruzar dados de problemas de saúde com outras questões, como o estado psicológico do paciente ou o histórico familiar.

Exames de prevenção e de rotina também são realizados por esse especialista. Além disso, ele é capacitado para tratar de comorbidades, dando suporte para a cura da doença de base que está gerando os outros problemas.

Onde ele pode atuar?

Os programas governamentais abrem muitas oportunidades de emprego para os clínicos gerais, com foco no atendimento à saúde básica dos brasileiros.

Esse profissional também pode realizar atendimentos ambulatoriais e de emergência em hospitais, postos de saúde, unidades de pronto atendimento, atendimentos residenciais e em clínicas particulares. Eles também atendem pacientes que têm as consultas pagas por planos de saúde.

Quanto ganha um clínico geral?

A remuneração de um clínico geral fica na média de R$7.128,47, com teto de R$16.782,53. Esses valores sofrem variação de acordo com a região, segundo dados do portal Salário.com.br.

Se você decidir incrementar mais o currículo, certamente pode ganhar um valor maior. Para isso, vale a pena participar de congressos, pesquisas e outras oportunidades de aprendizagem e atualização. Quanto melhor for o seu desempenho, mais respeito ganha no mercado, o que pode te tornar uma referência na área.

Como é a residência para quem quer ser um clínico geral?

Após a graduação em Medicina, o profissional interessado nessa carreira deve fazer uma residência em Clínica Médica.

A especialização leva dois anos, com carga horária de 60 horas semanais. Durante o período, você terá contato com conceitos básicos como fisiopatologia, critérios diagnósticos e princípios fundamentais de tratamento.

Durante o primeiro ano, é necessário participar de pesquisas clínicas e da produção de trabalhos científicos. Ao final dessa primeira etapa, o aluno deve dominar a anamnese e o exame clínico geral.

Já no segundo ano de residência, o médico tem contato com situações mais extremas, como implantação de marca-passo temporário, arritmia cardíaca, insuficiência cardíaca, doenças imunes e autoimunes, entre outras.

Também precisa dominar as técnicas de tratamento de pacientes em UTI, portadores do vírus HIV e outras doenças infecciosas e portadores de tromboembolismo pulmonar, apenas para citar alguns.

Se essa a atuação como clínico geral fez seu coração bater mais forte, vale a pena pensar onde quer cursar a sua residência. Em São Paulo há várias opções em instituições super renomadas. Dá uma olhada aqui neste artigo pra saber mais sobre algumas delas!

Outro texto aqui do blog que pode te ajudar a tomar a decisão sobre o melhor lugar para a residência é o “15 perguntas para escolher onde fazer residência médica”.

Ou seja, qual é a diferença entre médico generalista e clínico geral?

Trocando em miúdos, a principal diferença entre médico generalista e clínico geral é a seguinte: o profissional é considerado generalista logo após a formação em Medicina, e pode seguir assim pelo resto da vida, trabalhando com um atendimento em diversos tipos de queixas de saúde e prevenção. Enquanto isso, quem faz a residência em Clínica Médica torna-se um clínico geral, atuando no tratamento das principais doenças clínicas, sempre com a possibilidade de se aprofundar ainda mais em uma subespecialização.

Está se preparando para prestar a prova de residência médica em 1 ou 2 anos?

Tenho uma dica para você que está se preparando para as provas de residência médica: estamos com tudo pronto para a Masterclass deste ano! Na Masterclass, o maior evento de Mentoria em residência médica do Brasil, você vai aprender o caminho para chegar aos 80% e ser aprovado em todas as provas de residência que você prestar. E a edição 2022 está cheia de novidades! Entre os dias 17 e 23/01, além de 3 aulas grátis, você vai ter plantões de dúvidas com o time de mentores da Medway e até a oportunidade de testar a Medway Mentoria gratuitamente! Inscreva-se!

E aí, ficou mais claro qual a diferença entre médico generalista e clínico geral?

E se você está se preparando para entrar na residência em Clínica Médica, nós temos ótimas notícias. Na Academia Medway, você encontra diversos conteúdos ricos que vão te ajudar a entender melhor como são as provas das principais instituições de São Paulo, como o Guia Estatístico da Unifesp. Para não parar por aí, você ainda pode começar o nosso Intensivo São Paulo e dar o gás na sua preparação final para as provas de residência. E aí, bora pra cima?

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram
JoãoVitor

João Vitor

Capixaba, nascido em 90. Graduado pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) e com formação em Clínica Médica pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HC-FMUSP) e Administração em Saúde pelo Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE). Apaixonado por aprender e ensinar.