Como é a prova de Residência Médica?

A prova de residência médica funciona como uma fase muito importante de transição para que você se torne um ótimo profissional. O problema é que muita gente chega a essa etapa sem saber como é a prova de residência médica, o que gera mais complicações que o necessário.

A verdade é que, quanto mais cedo entender sobre essa avaliação, melhor será a sua preparação. Assim, você consegue ajustar seu mindset desde já e focar os esforços certos para alcançar seus objetivos.

Uma imagem da nossa Masterclass no texto sobre modelo de cronograma de estudos para residência médica

Mas antes de continuar, tenho um convite bem interessante para te fazer! É o seguinte: você é um daqueles que não está conseguindo alavancar a sua nota nas provas de residência médica? Calma! Essa é a situação de bastante gente. Por isso, entre os dias 17 e 23/01 você pode acompanhar a nossa Masterclass de como passar na residência médica. Além de 3 aulas, você ainda conta com plantões de dúvidas para sentir e testar a Medway Mentoria. Com isso, você dará os primeiros passos para a sua evolução até chegar aos 80% de aproveitamento na Residência. Não vai perder, certo? Então se inscreva agora mesmo por aqui!

Então, está pronto para saber como é a prova de residência médica? Continue a leitura e nós vamos mostrar tudo!

Imagem ilustrativa referente ao tema
Continue lendo para saber tudo sobre como é a prova de residência médica!

Como é a primeira etapa da avaliação?

Para avaliar e classificar os aspirantes a médicos, a prova de residência médica costuma ser dividida em duas fases principais. Na primeira, temos aquilo que é conhecido como prova teórica e ela existe em todos os processos seletivos. Bora saber mais sobre ela!

Prova de residência médica teórica

Estrutura, temas que caem e grau de dificuldade

Sua estrutura varia de instituição para instituição, mas geralmente ela é uma prova com duração de 4 a 6 horas. O conteúdo que cai na prova de residência médica costuma ser dividido igualmente entre as cinco grandes áreas da Medicina (ou seja, 20% para cada uma delas):

Nem sempre fica clara essa divisão de 20% para cada grande área. Algumas questões são bastante interdisciplinares e esses limites ficam meio embaçados. Quanto ao nível de dificuldade, é comum que sejam definidas perguntas fáceis, intermediárias e difíceis, distribuídas ao longo da prova.

Lembrando que nem todas as residências são de acesso direto, isto é, acessíveis para o recém-formado em medicina. Certas residências exigem especialização anterior, como cardiologia, cirurgia pediátrica e endocrinologia. Nesses casos, as provas de residência para essas especialidades contam com pré-requisitos. Ou seja, a prova teórica contará com questões específicas sobre a área de atuação que deseja se especializar.

Não esqueça de procurar essas e outras informações no edital da instituição que você prestará a prova. Caso queira se informar, já falamos dos editais de 2021 das principais instituições de São Paulo aqui no blog, como USP, USP-RP, UNESP, SUS-SP, IAMSPE, FAMERP, SMS-SP, ISCMSP, Albert Einstein Sírio Libanês.

Vista aérea do Hospital das Clínicas da USP
Vista aérea do Hospital das Clínicas da USP, um dos locais de residência almejados por muitos que fazem a prova de residência médica

Tamanho da prova e tipos de questões

O número de questões da prova teórica de residência médica é bastante variável, dependendo da instituição que você escolher. Por exemplo: enquanto grande parte das instituições aborda o modelo de 100 questões de múltipla escolha no total (como é na UNIFESP ou na UFRJ), algumas têm menos questões (80 na UERJ), enquanto outras têm mais do que isso (como na UNICAMP, em que a prova dura o dia todo e é dividida em dois períodos com 80 questões em cada, totalizando 160 questões!). 

Além disso, nem todas são baseadas apenas em questões de múltipla escolha. A USP-SP já há alguns anos possui uma parte discursiva na prova, com uma questão de cada grande área (e diversos subitens). Já a prova do SUS-BA, por exemplo, é composta inteirinha de questões discursivas!

Como é a prova de residência médica em sua segunda etapa?

Alguns processos seletivos são compostos apenas da avaliação teórica, como é o caso da maioria dos concursos no Rio de Janeiro, Minas Gerais, grande parte do Sul e do Nordeste. Ademais, alguns contam ainda com a etapa de análise curricular e entrevistas. No entanto, boa parte dos programas envolve um outro passo: a prova prática.

Prova prática de residência médica

Imagem ilustrativa da aula prática
Quer saber como se preparar para a prova de residência médica? Continue lendo!

Essa fase avalia o candidato na posição de médico, em questões que variam de situações corriqueiras de ambulatório até as emergenciais num PS. É comum haver a divisão em “estações”, que variam de 3 a 10. Cada estação corresponde a uma área e inclui um caso clínico.

Nessas avaliações, é preciso realizar tarefas, como fazer anamnese, analisar e laudar exames, propor diagnósticos e tratamentos e até executar procedimentos. Os casos não costumam envolver nada mirabolante, mas tudo é observado — e conta pontos.

Aqui na Medway, a gente comenta muito sobre como a prova prática é de verdade. Então, não precisa se desesperar: mesmo que você não seja o deus dos procedimentos, isso dificilmente vai ser determinante na sua nota da segunda fase. Minha dica aqui é baixar o nosso e-book gratuito Como brilhar nas provas práticas de residência médica, que tem várias dicas valiosas para mandar bem nas provas práticas.

Como se preparar para a prova da melhor maneira?

Tão importante quanto saber como é a prova de residência médica é entender o que fazer para se preparar corretamente. O primeiro ponto é saber que você não conseguirá estudar tudo. Parece uma dura verdade, mas ela é necessária para que não perca tempo se cobrando sobre detalhes que não terão tanto impacto.

Em vez de tentar abraçar o mundo, o ideal é começar a priorizar. Definir o que é relevante e o que vai gerar bons resultados nas etapas fará com que você pontue mais e aumente suas chances.

Também é indispensável ter uma boa organização e um planejamento de estudos. Somente assim é possível atuar de modo otimizado, o que aumenta a produtividade.

O principal vem agora: o caminho certo não envolve se afundar nas apostilas — e mais nada. É muito importante fazer exercícios, treinar certas práticas e até simular provas práticas para estar preparado para encarar essa etapa.

Se você acha que é preciso ler todas as apostilas pra aprender a matéria, pode estar sendo afetado pelo bloqueio da leitura, que é apenas um dos muitos que podem te impedir de ter um bom desempenho nos seus estudos. Falamos deste e de vários outros bloqueios mentais que te atrapalham na sua jornada de preparação no nosso e-book gratuito Os 15 bloqueios que te impedem de ser aprovado na residência. Vale a pena a leitura!

Entender o funcionamento da prova de residência médica é um passo fundamental para mandar bem na avaliação e conquistar a sua vaga. Então, não deixe de procurar cada vez mais sobre ela para conseguir os melhores resultados!

Descubra como é a prova de residência médica

Pra resumir a história, no vídeo abaixo contamos um pouco sobre como é a prova de residência médica. Assista:

Gostou desse conteúdo? Então te convido a conhecer as áreas da Medicina que são mais procuradas para residência no Brasil pra te ajudar na sua escolha! Agora, se a dúvida está forte mesmo, nada melhor do que fazer um teste vocacional, né? Não importa qual especialidade você escolha, estamos aqui para te amparar e auxiliar no seu preparo!

E já que saber como se preparar é tão importante, tenho uma dica para você: o Extensivo São Paulo! Nesse curso, você terá acesso a videoaulas ao vivo durante todo o ano sobre os temas que realmente caem nas principais instituições do estado, além de um app com milhares de questões comentadas e outros bônus super bacanas, como acesso ao Intensivo a partir do meio do ano. CLIQUE AQUI para saber mais e fazer sua inscrição! Vem com a Medway rumo à aprovação! 

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram
JoãoVitor

João Vitor

Capixaba, nascido em 90. Graduado pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) e com formação em Clínica Médica pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HC-FMUSP) e Administração em Saúde pelo Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE). Apaixonado por aprender e ensinar.