Neurocirurgião Pediátrico: tudo que você precisa saber

Já pensou em se tornar um neurocirurgião pediátrico? Ou tem dúvidas sobre essa profissão e o que esse profissional trata? Então, continue lendo pois vamos destrinchar tudo sobre essa especialidade médica: o que é, quais doenças ele trata ou não trata, qual a diferença entre ele e o neurocirurgião comum, como está o mercado de trabalho, como é a residência e muito mais! Bora lá?

O neurocirurgião pediátrico é o responsável por procedimentos muito delicados entre crianças a jovens
Se você quer saber tudo sobre o neurocirurgião pediátrico, continue com a gente!

O que é a Neurocirurgia Pediátrica?

A Neurocirurgia Pediátrica é uma subespecialidade neurocirúrgica que vai tratar de doenças neurológicas congênitas e adquiridas na infância. Essas doenças neurocirúrgicas podem ocorrer em crianças, diferentemente das doenças que ocorrem nos adultos.

É mais ou menos assim: nos adultos predominam as doenças cerebrovasculares, os tumores cerebrais, como os gliomas, meningiomas e as metástases e as doenças degenerativas da coluna, como as hérnias discais. Mas nas crianças, a coisa é diferente. Nos pequenos pacientes a gente vê mais prevalência das malformações cranianas, como as encefaloceles e as craniossinostoses, as malformações espinhais como mielomeningocele, medula presa e disrafismos espinhais e as hidrocefalias

E se tratando de crianças, sejam elas bem pequeninas ou as um pouco maiores, a gente sabe que as cirurgias neurológicas serão sempre delicadas e que poderá haver risco relacionado ao sangramento, uma vez que a criança tem as estruturas do sistema nervoso ainda em desenvolvimento e tem um volume sanguíneo corpóreo restrito. Por isso, tanto tempo de estudo e tantas exigências são feitas para a formação desse especialista. São esses e tantos outros fatores que fazem com que o neurocirurgião que se propõe a trabalhar com crianças tenha um preparo especial para lidar com estas diversas particularidades. 

Mas como é o mercado de trabalho? E como é a rotina do Neurocirurgião Pediátrico? 

O médico Neurocirurgião Pediátrico, normalmente, divide seu tempo entre atividades de consultório e cirúrgicas e a sua rotina diária, porém, vai depender muito da área de atuação, que pode ser tanto no serviço público quanto no serviço privado

E olha só: alguns dos serviços privados — como clínicas especializadas e hospitais pediátricos — optam por Neurocirurgiões Pediátricos que atuam sob o sistema de sobreaviso, ou seja, caso tenha um paciente neurocirúrgico, o médico é chamado.

Como é a rotina de um neurocirurgião pediátrico?
Como é a rotina de um neurocirurgião pediátrico?

Já nas atividades de consultório e ambulatório, o trabalho do Neurocirurgião Pediátrico é receber e avaliar os pacientes que foram encaminhados por outros especialistas — na maioria dos casos é o pediatra da criança que faz esse encaminhamento, ou então a própria família que acredita que a criança possa precisar de consulta com Neurocirurgião Pediátrico.

Pra quem gosta da agitação das unidades de emergência públicas, o especialista realizará procedimentos cirúrgicos e avaliará pacientes que estão em observação ou que possam chegar em emergência. No Brasil, embora qualquer neurocirurgião esteja habilitado a tratar também uma criança, a Neurocirurgia Pediátrica como subespecialidade vem crescendo cada vez mais. Atualmente a Sociedade Brasileira de Neurocirurgia Pediátrica (SBNPed), é bem atuante na luta para que as crianças tenham o atendimento e o cuidado neurocirúrgico do especialista, em casos em que este seja requerido. 

A gente vê, então, que a área de atuação do Neurocirurgião Pediátrico é ampla: o especialista pode atuar em clínicas particulares e hospitais da rede pública ou privada. E além desses espaços tradicionais de atuação, o médico Neurocirurgião Pediátrico pode também lecionar em universidades e cursos de formação profissional, exercer a função de pesquisador em institutos nacionais e internacionais de pesquisa. 

Confira a seguir as doenças mais frequentes tratadas pelo Neurocirurgião Pediátrico.

Doenças congênitas e as malformações e alterações sistema nervoso:

  • agenesia de corpo caloso;
  • esquizoencefalia;
  • colpocefalia;
  • encefalocele;
  • Dandy-Walker;
  • Chiari;

Doenças na coluna:

  • mielocele;
  • mielomeningocele;
  • diastematomielia;
  • hemivértebras;
  • lipomielomeningocele;

As doenças adquiridas na infância:

  • cranioestenose;
  • doenças vasculares como moya-moya;
  • tumores no cérebro ou na medula;
  • cistos cerebrais;
  • traumatismos cranianos;
  • hemorragias da prematuridade.

E apesar da extensa lista, nem todas as doenças vão precisar de cirurgia. Por exemplo, um cisto cerebral ou até mesmo um tumor podem ser acompanhados por muitos anos pelo Neurocirurgião Pediátrico se ele não acreditar que há benefício com a cirurgia para o caso. Mas apenas ele, o Neurocirurgião Pediátrico, é o médico mais habilitado para avaliar a necessidade de cirurgia, fazendo o diagnóstico diferencial entre doenças semelhantes que precisam ou não dos procedimentos cirúrgicos.

Também há doenças que o neurocirurgião pediátrico não trata, as doenças neurológicas que não envolvem cirurgia:

  • Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH);
  • crises convulsivas;
  • autismo;
  • doenças neuromusculares, entre outras.

É importante ressaltar que a Neurocirurgia Pediátrica é uma especialidade cirúrgica e, por isso, é essencial que o médico tenha gosto pelos procedimentos invasivos que toda cirurgia tem, além do contato direto com o paciente pediátrico e sua família. É bom já ir treinando as habilidades de comunicação e empatia, além da delicadeza e sensibilidade pra lidar com crianças enfermas e pais preocupados.

Procedimentos cirúrgicos mais praticados

Se você pensa em ser um Neurocirurgião Pediátrico, com certeza, você será responsável por realizar microcirurgias para Tumor Cerebral, ressecando tumores intracranianos e preservando o tecido cerebral normal.

Outro procedimento comum nessa área é a neuroendoscopia. Por meio de um endoscópio introduzido minuciosamente aos ventrículos cerebrais, você obterá imagens que te guiarão para realizar cirurgias como a ressecção ou biópsia de tumores intraventriculares, retirada ou fenestração de cistos, tratamento de malformações congênitas, tratamento de neurocisticercose, lavagem ventricular e septostomia no tratamento de ventriculites e a terceiroventriculostomia para o tratamento da hidrocefalia.

Também, um Neurocirurgião Pediátrico realiza cranioplastias e correção da cranioestenose, que geram um melhor funcionamento do cérebro e, ainda, têm uma função estética, melhorando a aparência da criança que nasce com defeitos cranianos.

Quanto ganha um neurocirurgião pediátrico?

Mas, além da rotina de trabalho, você também quer saber quanto ganha um Neurocirurgião Pediátrico, né?

Dados colhidos recentemente e de acordo com pesquisa do site Salario.com.br junto a dados oficiais do Novo CAGED, eSocial e Empregador Web indicam que a faixa salarial do Neurocirurgião Pediátrico fica entre R$7.494,18 e o teto salarial ode chegar a R$16.207,34, levando em conta apenas os profissionais em regime CLT de todo o Brasil. 

É claro que os valores mudam conforme a região do Brasil, o local de trabalho e a experiência do médico. Quer saber quanto ganham os médicos de cada especialidade cirúrgica? Dá uma olhada nesse artigo que fizemos sobre o salário das diferentes especialidades cirúrgicas e neste outro sobre quanto ganha um neurocirurgião.

E se você pensa em ir pra fora do país, a Neurocirurgia Pediátrica é uma especialidade bem vista nos Estados Unidos! Por lá, além dos reajustes salariais serem bem mais frequentes, a tendência a valorização de especialistas também é maior! Quer saber quantos dólares você consegue ganhar? Vem aqui e descubra quanto ganha um médico nos EUA! 

Neurocirurgião Pediátrico: tudo que você precisa saber
Saiba já como se tornar um neurocirurgião pediátrico!

Como ser neurocirurgião pediatra?

Pra começar nossa conversa, se você quer ser mesmo um Neurocirurgião Pediátrico tem que percorrer primeiro o caminho da graduação em Medicina, por seis anos, e cursar a Residência Médica em Neurocirurgia que dura cinco anos e após o seu término, fazer 1 ou mais anos opcionais dentro do programa da residência, que caracterizam as subespecialidades da Neurocirurgia.

Um neurocirurgião especialista em crianças deve fazer uma subespecialização em Neurocirurgia Pediátrica, dentro do programa da residência e que pode durar de 1 a 2 anos, dependendo da instituição. Isso porque é o Ministério da Educação (MEC) em parceria com a Associação Médica Brasileira e Sociedade Brasileira de Neurocirurgia que dá as diretrizes e busca apenas definir em linhas gerais como deve ser a formação. Mas, normalmente, o dia a dia dos residentes em Neurocirurgia se divide em atendimento no ambulatório, emergência, avaliação de pós-operatório, atividades acadêmicas e, em maior quantidade, atividades no bloco cirúrgico.

A boa notícia é que a residência em Neurocirurgia é de acesso direto, ou seja, não exige nenhum pré-requisito e você pode entrar logo após a graduação, mediante aprovação nos processos seletivos de residência médica existentes em todo o país.

Segundo a Sociedade Brasileira de Neurocirurgia Pediátrica (SBNPed), para obter o título de Neurocirurgião Pediátrico, o médico ainda pode, de posse do seu título de especialista em Neurocirurgia expedido por ela ou pelo Ministério da Educação – MEC, obter a subespecialização com treinamento e especialização específicos em Neurocirurgia Pediátrica em serviços de grande porte no Brasil e/ou no Exterior. 

A Sociedade Brasileira de Neurocirurgia Pediátrica recomenda pelo menos seis meses de treinamento intensivo e, no mínimo, 45 neurocirurgias pediátricas realizadas por ano, além de Participação em cursos, congressos dentro da área de Neurocirurgia Pediátrica; e publicações científicas e apresentações regulares em eventos dentro da área para que seja concedida a titulação de Neurocirurgião Pediátrico.

São muitos anos de estudo e dedicação e tudo isso porque ao se tornar um Neurocirurgião Pediátrico você vai tratar as doenças especificamente relacionadas a faixa etária pediátrica.

É isso!

E se agora você acha que a Residência em Neurocirurgia é o primeiro passo pra subespecialização em Neurocirurgia Pediátrica, prepare-se para as provas! Sugiro dar uma olhada no nosso e-book gratuito Os 15 bloqueios que te impedem de ser aprovado na residência para já começar com o pé direito, já vencendo os bloqueios mentais que atrapalham seus estudos e te impedem de ser aprovado na residência médica dos seus sonhos!

Inscreva-se no Extensivo São Paulo, nosso curso com videoaulas ao vivo e gravadas com os temas que você realmente precisa saber para ingressar nas principais instituições do país. Também oferecemos um app com milhares de questões comentadas e acesso ao curso Intensivo São Paulo a partir do meio do ano. Vem com a gente! Bora pra cima!

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram
JoanaRezende

Joana Rezende

Carioca da gema, nasceu em 93 e formou-se Pediatra pela UFRJ em 2019. No mesmo ano, prestou novo concurso de Residência Médica e foi aprovada em Neurologia no HCFMUSP, porém, não ingressou. Acredita firmemente que a vida não tem só um caminho certo e, por isso, desde então trabalha com suas duas grandes paixões: o ensino e a medicina.