Carregando

Quais são as atribuições do técnico em radiologia médica e do médico radiologista

Você tem dúvidas quanto às atribuições do técnico em radiologia médica e um médico radiologista? As duas profissões têm responsabilidades e exigem formações diferentes, mas ambas contam com um bom mercado de trabalho.

Para começar, as duas profissões se diferenciam pelo tempo de formação. Enquanto um  técnico ou tecnólogo demora de 2 a 3 anos para se formar, o médico radiologista precisa estudar, no mínimo, 9 anos. Além disso, existe uma clara diferença entre as funções: o técnico é responsável pela realização dos exames, já o médico pode interpretar os resultados e emitir laudos que serão usados para o tratamento do paciente.

Quer entender mais essas duas profissões complementares e de extrema importância? Bora lá, vamos te contar tudo sobre as atribuições do técnico em radiologia médica e um médico radiologista!

Quais as atribuições do técnico em radiologia médica?
Saiba já quais são as atribuições do técnico em radiologia médica!

Quais são as atribuições do técnico em radiologia médica?

Os técnicos em radiologia são conhecidos por realizar exames de imagem do interior do corpo, que permitem o diagnóstico de diversas patologias, como tumores, fraturas ósseas e pneumonias. Mas, essa é apenas uma das atribuições do técnico em radiologia médica.

Além de realizar os exames, esses profissionais precisam preparar e operar os equipamentos. São eles os grandes responsáveis por deixar a sala e os pacientes prontinhos para o exame, além de realizar o processamento dos filmes radiológicos e o preparo das soluções químicas.

Cabe lembrar que esse trabalho requer o máximo de cuidado do radiologista, que precisa estar pronto para lidar com situações inesperadas. Afinal, em situações de emergência, ele também precisa agir. Conheça alguns dos principais exames em que o técnico em radiologia ajuda na preparação de paciente e ambiente:

  • mamografia;
  • densitometria óssea;
  • ultrassonografia óssea;
  • radioterapia;
  • ressonância magnética;
  • hemodinâmica.

Um pouco além das atribuições do técnico em radiologia médica: o que é preciso para ser esse profissional

Agora que você já descobriu algumas das atribuições do técnico em radiologia médica, vamos nos aprofundar um pouco mais! Para atuar na profissão, é necessário realizar um curso técnico em radiologia, que tem duração de dois anos. Nessa formação, o profissional recebe uma abordagem bem prática da função, além de estudar anatomia, fisiologia, enfermagem, psicologia e algumas outras matérias voltadas ao entendimento da saúde humana.

Também é possível trabalhar com radiologia após um curso como tecnólogo, com duração de 3 anos. Neste caso, o diploma vale como formação superior e você aprenderá todas as atribuições do técnico em radiologia médica.

Além disso, é preciso realizar o estágio obrigatório para concluir a formação, com carga em torno de 400 horas. Já em relação ao mercado de atuação, esse profissional pode trabalhar em clínicas, hospitais ou em outros ambientes, como a indústria farmacêutica e alimentícia.

Quais são as atribuições de um médico radiologista?

Agora que você já sabe as atribuições do técnico em radiologia médica, vamos falar sobre o médico radiologista. Esse profissional é responsável pelo diagnóstico, tomando como base os resultados dos exames de imagem. Ele avalia os laudos e dá direcionamentos aos outros especialistas, para que eles consigam indicar o tratamento mais adequado e orientar o paciente. Também, a realização de pequenas intervenções, guiadas pelas imagens, pode ser uma de suas funções.

Trabalhar com médico radiologista requer um conhecimento aprofundado do assunto e experiência, afinal, todos os procedimentos de prevenção e de tratamento são adotados a partir da avaliação do médico radiologista. Um diagnóstico errado pode levar à piora do estado de saúde do paciente.

Esse profissional pode atuar em duas grandes áreas: a Radiologia Intervencionista ou o diagnóstico por imagem. Vamos ver detalhes de cada uma.

Radiologia Intervencionista

Nessa especialidade, o profissional realiza procedimentos e intervenções cirúrgicas minimamente invasivas, guiadas por imagem. Por meio de pequenas punções, o médico introduz fios, cateteres e drenos até o ponto desejado, conseguindo assim fazer o tratamento.

Para isso, ele usa métodos de imagem, como raio x, tomografia computadorizada, ressonância magnética e ultrassonografia. Dessa forma, ele consegue visualizar os órgãos internos e obter precisão no procedimento.

Podemos citar, entre as atividades realizadas pelo Radiologista Intervencionista:

  • biópsias;
  • drenagens;
  • tratamento de aneurismas;
  • embolização de tumores e hemorragias;
  • angioplastias;
  • arteriografias.

Como está o mercado de trabalho?

O mercado de trabalho para Radiologia Intervencionista tende a crescer muito. Embora a maior concentração de profissionais esteja nos grandes centros, como São Paulo e Rio de Janeiro, a busca cada vez maior de métodos menos invasivos tende a aumentar a procura por médicos com essa especialização.

Além disso, a tecnologia oferece aparelhos cada vez mais precisos, trazendo mais ferramentas para que esses tratamentos sejam bem-sucedidos.

Diagnóstico por imagem

No diagnóstico por imagem, o médico realiza uma avaliação minuciosa dos exames, indicando as técnicas e os materiais usados. Todas essas informações são registradas no laudo médico e servem de base para os tratamentos que serão aplicados pelos especialistas.

Para essa análise, o médico também usa outros dados sobre o paciente, como o histórico e as suspeitas do médico solicitante.

O especialista pode trabalhar com subáreas focadas nas regiões do corpo, como radiologia mamária, torácica, músculo-esquelética, entre outras.

Como está o mercado para essa área?

As clínicas e os hospitais têm feito investimentos cada vez maiores em novos aparelhos de exames de imagem e precisam de profissionais capazes de interpretar esses resultados e passar as orientações necessárias aos especialistas de cada área.

Por se tratar de uma função de alta responsabilidade, que requer uma análise minuciosa e conhecimentos sólidos, a procura por bons profissionais em diagnóstico por imagem deve aumentar ao longo dos anos.

Como funciona a residência em radiologia médica?

Após a formação em Medicina, o profissional que quer trabalhar como médico radiologista precisa fazer uma residência, que dura, geralmente, 3 anos.

Durante esse período, o futuro especialista estuda tópicos como radiologia convencional, medicina nuclear, densitometría óssea, entre outras matérias importantes para a formação completa.

Uma especialização de qualidade requer a escolha de instituições renomadas para cursar a residência. Em São Paulo, sugerimos Unifesp, Unicamp, USP, USP-RP, IAMSPE, Unesp e SUS-SP.

E aí? Entendeu as atribuições do técnico em radiologia médica e de um médico radiologista?

Espero que esse artigo tenha te ajudado a entender todas as atribuições do técnico em radiologia médica e do médico radiologista. E se você está pensando em seguir sua residência nessa área, saiba que o caminho será longo, mas muito gratificante.

As especializações nas instituições de destaque citadas trazem uma grande bagagem para que o médico consiga atuar como especialista em radiologia com segurança. Porém, entrar nessas residências não é fácil!

E se você vai começar a se preparar para encarar a prova de residência médica, sugiro dar uma olhada no nosso e-book gratuito Os 15 bloqueios que te impedem de ser aprovado na residência para já começar com o pé direito, já vencendo os bloqueios mentais que atrapalham seus estudos e te impedem de ser aprovado na residência médica dos seus sonhos!

Aproveita e dá uma olhadinha lá na Academia Medway e veja outros materiais gratuitos que temos pra ajudar você a conquistar todos os seus sonhos na área da Medicina. Estamos juntos nessa!

Tá esperando o que? Bora pra cima!

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram
MicaelHamra

Micael Hamra

Nascido em 1991, médico desde 2015, formado pela Faculdade de Medicina de Catanduva (FAMECA) e com Residência em Clínica Médica pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HC-FMUSP) finalizada em 2018. "Nunca quis seguir o fluxo. Sempre acreditei que existe uma fórmula do sucesso para cada um de nós. Se puder conquistar sua mente, poderá conquistar o mundo."