5 questões de Ginecologia e Obstetrícia comentadas

Fala moçada, tudo certo? Esperamos que sim, pois hoje vamos trazer mais um desafio! Alguns de vocês já devem conhecer nossa série de textos em que trazemos 5 questões de diferentes áreas médicas com comentários dos nossos professores para você testar seus conhecimentos e ainda receber aquela assistência para qualquer dúvida que surgir, lembrando que o estudo por questões pode ser muito eficiente pra aumentar seu rendimento nas provas de residência médica! Hoje é a vez de estudar com 5 questões de Ginecologia e Obstetrícia comentadas!

Bora lá? Boa sorte!

Questão 1

SCMSP 2016 – Tercigesta, 34 anos, com dois abortamentos anteriores, procurou atendimento médico com 8 semanas de gravidez e seu obstetra solicitou pesquisa de trombofilias, mesmo na ausência de antecedentes familiares. Os resultados revelaram homozigose para variante termolábil do gene da metileno tetrahidrofolato redutase (MTHFR C677T), heterozigose para fator V de Leiden e homocisteinemia normal. Sobre esse caso é correto afirmar:

A. Alterações do Fator V são as mais trombogênicas, de modo que o risco de tromboembolismo na gravidez associado à sua heterozigose é maior que aquele associado à homozigose do gene da protrombina G20210A.

B. A homozigose para MTHFR C677T está presente em cerca de 15% da população europeia e, se acompanhada de homocisteinemia normal, não se associa a risco estatisticamente maior de tromboembolismo na gravidez.

C. Em se tratando de abortamento de repetição, deve-se iniciar imediatamente heparina de baixo peso molecular e solicitar-se anticorpo anticardiolipina e anticoagulante lúpico.

D. Devido à homozigose para MTHFR C677T, deve-se iniciar imediatamente a administração de heparina de baixo peso molecular, na dose de 20 a 40mg/dia, e mantê-la até 6 semanas pós-parto.

E. Como há necessidade de suspensão de anticoagulante antes do parto por um período pré-determinado, neste caso está indicada a resolução da gravidez por cesariana.

Comentário

Vamos lá, pessoal. Sem desespero.

Questão super específica. Vou fazer uma minirrevisão das coisas mais importantes que você precisa saber desse tema, ok ? 

Sempre que estamos diante de um quadro de abortamento de repetição (2 ou mais perdas) devemos investigar TROMBOFILIAS ADQUIRIDAS, a famosa SAAF. Nesta investigação devemos solicitar: anticoagulante lúpico, anticardiolipina e anti-B2-glicoproteína I. 

Ainda é muito discutível na literatura quando devemos solicitar triagem para as TROMBOFILIAS HEREDITÁRIAS, que são basicamente: antitrombina III, proteína S, proteína C e fator V de Leiden. No momento, a indicação é investigar em caso de história pessoal de TEV ou história de trombofilia em familiar de 1º grau. Em termos de potencial trombogênico temos que a antitrombina III > Proteína C > Proteína S > Fator V de Leiden. 

Já em relação a MTHFR, ela é uma enzima que atua no metabolismo da homocisteína. Quando mutada pode levar a um quadro de homocisteinemia. Essa homocisteinemia leva a um maior estresse oxidativo, lesão endotelial e trombose. 

Bom, com essa bagagem teórica vamos às questões! 

A. Incorreta. A mutação do fator V é o menos trombogênico dentre as trombofilias adquiridas. 

B. Correta. A mutação da metileno tetrahidrofolato redutase por si só não aumenta o risco de trombose, já que é o acúmulo de homocisteína que leva a um estresse oxidativo e lesão endotelial. Ou seja, sempre que fizer a pesquisa da mutação lembre-se de dosar a homocisteína, caso contrário você não terá nenhuma aplicação clínica do exame. 

C. Incorreta. Nem todas as pacientes com diagnóstico de abortamento de repetição vão ter indicação de anticoagulação durante a gravidez.

D. Incorreta. Lembra que o risco de trombose só aumenta se tivermos acúmulo de homocisteína? Além disso, o uso de anticoagulação nas trombofilias adquiridas é bastante discutível. 

E. Incorreta. O anticoagulante deve ser suspenso 24 horas antes do parto e não há obrigatoriedade de resolução por via alta. A indicação da via de parto é obstétrica! 

Visão do aprovado: a banca está de sacanagem né? Tema ultra específico pro acesso direto. Além de várias polêmicas e discussões na literatura sobre ele, mas valeu a pena pra você já estudar tudo que vai precisar saber sobre esse assunto. Bora pra próxima. 

Nível de dificuldade: difícil.

Gabarito: alternativa B.

Questão 2

SCMSP 2016 – Primigesta, 26 semanas de gravidez, sem antecedentes mórbidos, há uma semana iniciou aumento dos níveis pressóricos. Foram solicitados exames complementares que revelaram: Hemoglobina 11,5 g/dL, Plaquetas 145000/mm3, TGO 45 U/L, Bilirrubinas Totais 0,6 g/dL, Atividade de Protrombina 98%, Creatinina 0,7 mg/dL, Proteinúria de 500mg em 24h. Sobre a doença em questão é correto afirmar:

A. Seu aparecimento antes de 34 semanas está relacionado a maiores valores de relação sFlt-1/PIGF.

B. Pode produzir centralização hemodinâmica fetal, que será diagnosticada quando a resistência da artéria cerebral média ultrapassar a da umbilical.

C. A resistência das artérias uterinas terá valor no cálculo de seu risco apenas após 26 semanas.

D. Como na doença em questão os níveis pressóricos se elevam a partir de 20 semanas, na determinação do risco de seu desenvolvimento a pressão arterial média, no primeiro trimestre, não deve ser levada em consideração.

E. O único marcador bioquímico confiável na sua predição, com especificidade de 89% para casos graves, é a PP 13.

Comentário

Calma, moçada. Estamos diante de um caso de pré-eclâmpsia, e isso fica bem claro pela descrição do caso, né? Após a 20ª semana + níveis pressóricos elevados + proteinúria > 300 mg. Beleza! Vamos por exclusão?

A. Correta. De acordo com Santos AV e cols., em Pre-eclampsia: Risk factors and outcomes – A two-year stud, Pregnancy Hypertens 2012;2:294, a relação sFlT-1 (tirosina quinase solúvel)/PlGF (fator de crescimento placentários) se encontrará mais elevada quanto mais precoce o aparecimento da PE.

B. Incorreta. A centralização fetal é diagnosticada pela alteração na relação cerebroplacentária (RCP), calculada pela relação entre resistência na cerebral média e a umbilical; RCP abaixo do p 2,5 define centralização e tem valor a qualquer momento da gestação. 

C. Incorreta. A artéria uterina está relacionada com a circulação materna, portanto alterações precoces estão relacionadas a aumento de risco futuro de insuficiência placentária.

D. Incorreta. Esta é tosca, qualquer aumento pressórico na gestação deve ser considerado, tendo em vista os diagnósticos diferenciais da PE/DHEG/Toxemia gravíca/HAS sobreposta.

E. Incorreta. Não vacila, mané! A PP-13 (proteína placentária-13) é um marcador de invasão placentária, cuja elevação abrupta está associada a PE e Sd HELLP. Porém, sua sensibilidade é considerável apenas após a 2ª onda de invasão trofoblástica, ou seja, após a 20ª semana, e quando associada a dosagem da PAPP-A (proteína plasmática A), tem sua sensibilidade aumentada. Show de bola!

Visão do aprovado: questão extremamente difícil, que muitos acertaram porque excluíram as outras 4 opções. Agora se você não consegue decorar essas mil informações de dopplerfluxometria fetal, vamos tentar entender. A artéria uterina vê a circulação materna, portanto só podemos relacionar ela a doenças relacionadas à mãe. Já a artéria umbilical vê a circulação placentária, portanto relacionamos ela à insuficiência placentária quando temos um fluxo baixo e, portanto, uma alta resistência. Já a artéria cerebral média (ACM) vê a circulação fetal — quando o feto tem pouco sangue, ele precisa privilegiar órgãos importantes, e um deles é o cérebro, portanto ele diminui a resistência da ACM aumentando o aporte sanguíneo local.

Nível de dificuldade: difícil.

Gabarito: alternativa A.

Questão 3

FAMERP 2019 – Paciente de 45 anos com ultrassom mostrando cisto com conteúdo espesso no ovário esquerdo. Foi submetida à Ooforectomia e o exame de congelação diagnosticou um Cistoadenoma Mucinoso. Houve ruptura do mesmo no ato operatório. De acordo com este enunciado, qual das abaixo está correta?

A. A Ooforoplastia teria sido a melhor opção cirúrgica.

B. A paciente corre o risco de desenvolver um pseudomixoma.

C. O cisto era benigno e a paciente está tratada.

D. Por se tratar de um cisto maligno deverá ser submetida à cirurgia radical (Pan Histerectomia).

Comentário

O cistoadenoma mucinoso é um cisto ovariano benigno, derivado da das células epiteliais-estromais superficiais. Apresenta parede espessa e contém muco, podendo ser uni ou multiloculada.

Ao USG sua forma é ovoide ou arredondada. A cápsula é lisa, brilhante e cinza-clara. Pode apresentar septos que o dividem, formando vários lóculos preenchidos por conteúdo líquido claro e viscoso. Raramente apresenta papilas. É bilateral em 10% dos casos.

A conduta deve ser a retirada do ovário, uma vez que a regressão espontânea não ocorre e o cisto pode tornar-se grande. Nesse caso, a abordagem cirúrgica deve ser muito cuidadosa, evitando o rompimento da cápsula e o extravasamento para o abdome, o que poderia causar pseudomixoma peritoneal. Com essas informações, vamos checar as alternativas:

A. Incorreta. A primeira opção é a ooforectomia. A ooforoplastia é escolha de exceção quando há intenção de preservar a fertilidade.

B. Correto. Como vimos, o extravasamento do muco para a cavidade peritoneal pode gerar pseudomixoma.

C. Incorreta. Apesar do cisto ser sim benigno, a paciente não está tratada devido ao rompimento da cápsula no intraoperatório. Ela deve ser acompanhada pelo risco de recidiva.

D. Incorreta. Não é um tumor maligno, mas sim benigno.

Visão do aprovado: faça esse link mental entre cistoadenoma mucinoso e pseudomixoma peritoneal. Eu sei que tumores ovarianos é um assunto espinhoso, mas é fundamental que você treine saiba pelo menos o básico sobre o assunto, beleza?

Nível de dificuldade: difícil.

Gabarito: alternativa B.

Questão 4

USP-RP 2021 – Paciente com 44 anos, G3P3AO (3PN), refere ciclos menstruais regulares, procura atendimento ginecológico referindo que há 4 meses iniciou com polaciúria, noctúria, sensação de esvaziamento vesical incompleto, além de urgência miccional associada. Ao exame físico foi observado o descrito abaixo:

Hg: HIATO GENITAL: Cp: CORPO PERINEAL; Cvt: COMPRIMENTO DA VAGINA TOTAL; POP-Q: PELVIC CGRGAN PROLAPSE QUANTIFICATION SYSTEM.

Após descartar infecção urinária qual a melhor conduta para esta paciente neste momento?

AaBaC
-3-2-6
HgCpCvt
438
ApBpD
-3-1-8

A. Colporrafia anterior e posterior e imipramina 25 mg oral por dia.

B. Cirurgia de sling e solifenacina 5 mg oral por dia.

C. Eletroestimulação transcutânea e oxibutinina 5 mg oral por dia.

D. Treinamento vesical e perineal com cones vaginais.

Comentário

Paciente apresenta quadro de urgência e noctúria, além de aumento da frequência. É um quadro clássico de síndrome da bexiga hiperativa (SBH). Refere ainda sensação de esvaziamento incompleto. 

No POP-Q percebemos que há prolapso mínimo de compartimentos anterior e posterior, e, dada a ausência de queixas de prolapso, não demanda tratamento específico. Bora ver nossas opções:

A. Incorreta. A colporrafia anterior e posterior é reservada para pacientes com prolapsos estadios 3 e 4 dos componentes anterior e posterior, sem prolapso do componente apical. Não é o caso da nossa paciente. 

B. Incorreta. A cirurgia de sling é indicada para pacientes com incontinência urinária de esforço, não SBH. 

C. Correta. Eletroestimulação transcutânea e oxibutinina são opções terapêuticas para o tratamento da SBH. Lembrem-se que os primeiros passos são modificações do estilo de vida e fisioterapia do assoalho pélvico, mas não há alternativas que contemplem esses fatores. 

D. Incorreta. O treinamento vesical é sim uma possibilidade terapêutica, entretanto o treinamento perineal com cones vaginais está indicado para tratamento de frouxidão vaginal, não possuindo papel significativo no tratamento da SBH. 

Visão do aprovado: aqui o pulo do gato é fazer o diagnóstico sindrômico de SBH. A partir daí vamos excluindo alternativas que claramente vão contra o tratamento padrão. 

Nível de dificuldade: difícil.

Gabarito: alternativa C.

Questão 5

EINSTEIN 2021 – Em relação às vulvovaginites:

A. A vaginite aeróbica é diagnosticada pela coloração de Gram e dosagem de interleucina B diminuída.

B. A vaginite atrófica ocorre com frequência em mulheres que fazem antibioticoprofilaxia para infecção urinária.

C. O tratamento da vaginose bacteriana é realizado com ampicilina via oral e corticoide via vaginal por 7 dias.

D. A vaginite atrófica acomete puérperas e usuárias de contraceptivos hormonais e é tratada com progesterona natural por pelo menos 30 dias.

E. Os agentes etiológicos mais comuns da vaginite aeróbica são Escherichia coli, Staphilococcus aureus, Streptococcus agalactiae e Enterococcus faecalis.

Comentário

Einstein gosta de cobrar umas coisas que pouco são comentadas na ginecologia, como a vaginite aeróbia. Trata-se de uma alteração do meio vaginal, com flora contendo bactérias entéricas aeróbicas, inflamação e deficiência na maturação epitelial. 

É diagnóstico diferencial das leucorreias purulentas, com odor desagradavel. No entanto, o whiff teste é negativo. A irritação é variável, com elevação do pH vaginal. Estão presentes no esfregaço células epiteliais imaturas, presença de leucócitos e predomínio de algumas bactérias: Streptococcus sp., Staphylococcus aureus e Escherichia coli; tais microrganismos passariam da condição de simples comensais para agressores. 

A. Incorreta. O diagnóstico da vaginite atrófica não leva em conta a dosagem da interleucina B.

B. Incorreta. A vaginite atrófica está relacionada ao hipoestrogenismo, e tem como diagnóstico diferencial infecção do trato urinário. Não há evidências de que a antibioticoprofilaxia esteja associada a vaginite atrófica. 

C. Incorreta. O tratamento da VB, como sabemos, é com metronidazol (via oral ou tópico). Não usamos corticoide via vaginal para esta patologia. 

D. Incorreta. O tratamento da vaginite atrófica é realizado com estrogênio tópico, via vaginal, não progesterona. Cuidado com os fatores de risco: o principal é a síndrome genito-urinária do climatério. 

E. Correta. Esses são os agentes mais comuns.

Visão do aprovado: questão bastante difícil, abordando vaginite aeróbica. Existem autores que consideram-na fazendo parte do espectro da vaginite inflamatória descamativa. Não temos uma normativa do tratamento, podendo-se usar corticóide quando predomina a inflamação, estriol quando predomina a atrofia ou antibiótico quando há excesso de bactérias.

Nível de dificuldade: difícil.

Gabarito: alternativa E.

E aí, o que achou das questões de Ginecologia e Obstetrícia comentadas?

Acertou todas? Precisa relembrar algum conceito? Ao estudar por questões, você descobre quais são os assuntos que realmente domina e quais requerem mais atenção durante o seu preparo para as provas de residência médica

Outra dica é fazer as provas na íntegra das instituições que você mais deseja ingressar! Para te ajudar, publicamos artigos aqui no blog com comentários sobre como foram os exames dos principais programas de residência em 2021. Basta clicar em cada instituição para conferir: Famerp, Hospital Albert Einstein, Hospital Sírio Libanês, Iamspe, Santa Casa, SUS-SP, Unesp, Unicamp, Unifesp, USP e USP-RP

Agora, se você quer ter essas e outras questões na palma da mão e com os comentários do nosso time de professores, assim como você acabou de ver nesse blogpost, você pode baixar o app da Medway, que dá aos alunos do Extensivo São Paulo mais de 10 mil questões comentadas além de recursos como trilhas de estudo filtrando por instituiçãoano de provagrande áreatemafoconível de dificuldadetipo de pergunta e até tipo de imagem!

Ainda não é aluno do Extensivo São Paulo? Não tem problema! A melhor parte do app da Medway é que você consegue começar a experimentar de graça! Ainda não é aluno do Extensivo São Paulo? Não tem problema! Você pode ter acesso imediato a mais de 3 mil questões, além de poder criar até 3 trilhas personalizadas e acessar provas antigas dos últimos 2 anos de mais de 15 instituições. Clique AQUI para saber mais sobre o aplicativo da Medway e começar a usar! Você também pode já fazer download do aplicativo no seu iPhone ou Android ou se cadastrar direto na versão para desktop.

É isso galera! Até a próxima!

Para acessar mais questões de ginecologia e obstetrícia comentadas, conheça o Intensivo São Paulo e tenha a melhor preparação para as provas de residência médica

Receba conteúdos exclusivos!

Telegram
JoãoVitor

João Vitor

Capixaba, nascido em 90. Graduado pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) e com formação em Clínica Médica pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HC-FMUSP) e Administração em Saúde pelo Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE). Apaixonado por aprender e ensinar.